Regístrese
¿Aún no está registrado?
Información relevante

Consulte los artículos y contenidos publicados en éste medio, además de los e-sumarios de las revistas científicas en el mismo momento de publicación

Máxima actualización

Esté informado en todo momento gracias a las alertas y novedades

Promociones exclusivas

Acceda a promociones exclusivas en suscripciones, lanzamientos y cursos acreditados

Crear Mi cuenta
Buscar en
Acta Urológica Portuguesa
Toda la web
Inicio Acta Urológica Portuguesa A propósito da doença de Peyronie
Journal Information
Vol. 33. Num. 3.September - December 2016
Pages 75-114
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 33. Num. 3.September - December 2016
Pages 75-114
Cartas ao Editor
DOI: 10.1016/j.acup.2016.08.001
Open Access
A propósito da doença de Peyronie
Considerations in the treatment of Peyronie disease
Visits
4622
Adriano Pimentaa,
Corresponding author
adrianopimenta2006@hotmail.com

Autor para correspondência.
, António Camelob
a Serviço de Urologia, Hospital Lusíadas Porto, Porto, Portugal
b FISIMED, Porto, Portugal
This item has received
4622
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Caro Editor,
Full Text

A doença de Peyronie é habitualmente resultante de um traumatismo durante o ato sexual. Caracteriza‐se por uma fibrose aberrante da túnica albugínea com desenvolvimento de placas de fibrose e deformidade do pénis. Também se admite uma base genética determinante, frequentemente associada à doença de Dupuytren e à doença de Ledderhose (fibromatose plantar), com aneuploidia dos cromossomas 7, 8, 17 e 18 e deleção do cromossoma Y1.

Gostaríamos de resumidamente reportar uma opção terapêutica a nosso ver pouco utilizada na prática clínica para o tratamento da doença de Peyronie – o uso de associação de laserterapia e ultrassons. Esta técnica não invasiva, com a qual já tratamos 80 doentes, tem a sua indicação preferencial nos estádios mais precoces da doença, isto é, no estádio I ou inflamatório agudo ou no estádio II ou fibrótico. Mais raramente pode ser utilizada na fase III, em casos em que a calcificação da placa seja muito ligeira2.

Na doença de Peyronie devemos considerar 3 estádios3. O primeiro designa‐se por estádio inflamatório agudo (estádio I) com predomínio de linfócitos e plasmócitos, com uma média de duração de 4‐5 meses. Nesta fase, o primeiro sinal desta patologia é a dor peniana durante a ereção e é a fase ideal para o tratamento médico. Após esta fase inflamatória aguda, segue‐se um processo fibrótico (estádio II), com aumento dos fibroblastos e diminuição das fibras elásticas, processo que se pode estender por um período de 12‐24 meses. Igualmente nesta fase, a nossa orientação tem uma opção médica, mas com menor possibilidades de sucesso terapêutico. Segue‐se, então, a terceira fase ou estádio III, um processo de colagenose, com retração residual, e calcificação, um fator de manutenção do grau variável de curvatura peniana. Nesta fase, a terapêutica médica, habitualmente, é ineficaz, dada a sua incapacidade para reverter a colagenose. Todas estas alterações se localizam por baixo da albugínea, numa zona bilaminada, prejudicando a flexibilidade e condicionando a curvatura peniana.

Têm sido várias as drogas utilizadas na aplicação direta na lesão, quer por palpação ou guiada pela ecografia3. Citamos o verapamil, o interferon, o ácido hialurónico, o xiaflex (colagenase clostridium histolythicum) e muito recentemente um gel, designado por H‐100, à base de nicardipina e superóxido de dismutase.

Outras terapêuticas não invasivas têm sido usadas como a tração peniana (durante 6‐9 horas por dia) e o uso de bombas de vácuo de aplicação peniana.

Nos últimos 30 anos recorremos ao uso da associação de lasers e ultrassons para tratar 80 doentes. Usamos 2 lasers com diferentes comprimentos de onda: um com espectro de emissão nos 632,8nm (laser vermelho) e outro com espectro de emissão nos 904nm (laser infravermelho). A opção pela associação de 2 comprimentos de onda faz‐se, não só pelo facto de a absorção pelos diferentes tecidos variar consoante o comprimento de onda da luz emitida, mas também pela diferença que se pode obter nos efeitos fisiológicos de acordo com a fonte de emissão. Embora os mecanismos de ação ainda não estejam completamente esclarecidos, a laserterapia está associada a um aumento da síntese do ATP pelas mitocôndrias, aumento da capacidade de fagocitose leucocitária, aumento da síntese de ADN e ARN, aumento da neo‐vascularização, e normalização da microcirculação. Verifica‐se ainda uma estimulação dos mecanismos de cicatrização através da regularização da atividade dos fibroblastos e diminuição da síntese das prostaglandinas e melhoria da oxigenação celular. Todos estes efeitos têm uma importante ação cumulativa nos processos inflamatórios, diminuindo ou inibindo a inflamação e melhorando a irrigação tecidular3,4.

Associamos também no tratamento os ultrassons com frequências de emissão de 1 ou 3MHz, escolhidas de acordo com o tamanho e localização dos nódulos. Pretende‐se com este agente físico, pela sua intensa ação de micromassagem tecidular, obter uma ação sobre o tecido conjuntivo, que leva ao aumento da extensibilidade do colagénio e diminuição da fibrose tecidular.

Habitualmente o número de sessões varia entre 20‐25 tratamentos, de acordo com a evolução da doença. Em alguns casos, quando se nota diminuição progressiva do tamanho dos nódulos, opta‐se pela continuação do tratamento até à estabilização do tamanho da lesão ou se a evolução positiva se mantiver, até ao seu desaparecimento.

Utilizamos este procedimento desde 1993 em cerca de 80 doentes. A maioria dos doentes referiu um rápido alívio da dor, quer espontânea com a ereção quer a que surgia com a palpação da zona afetada e diminuição da intensidade da curvatura. O tamanho dos nódulos diminuiu progressivamente ao longo dos tratamentos, sendo variável o ponto de estabilização do seu tamanho. Em alguns casos verificou‐se mesmo o seu desaparecimento.

Temos ainda a noção de que os resultados são melhores quanto mais precocemente é iniciado o procedimento terapêutico, ou seja, no início da fase inflamatória aguda, estádio I.

Sendo uma terapêutica inócua, sem efeitos colaterais e muito bem suportada pelo doente, defendemos que é uma opção a considerar na doença de Peyronie, sendo uma alternativa a outras opções com mais incómodo e maiores riscos. Os injetáveis têm tido resultados variáveis e implicam um determinado período de abstinência sexual, para evitar uma possível rotura peniana. A opção cirúrgica não está isenta de complicações, como encurtamento do pénis, disfunção erétil e alterações da sensibilidade, sobretudo da glande e flacidez permanente da glande.

Em resumo, a doença de Peyronie exibe 3 fases ou estádios, inflamatória, fibrótica e colagénica, que deverão ser identificadas para a correta metodologia terapêutica. Se quisermos poder obter êxito com esta terapêutica não invasiva, a caracterização da patologia deve ser realizada e os melhores resultados são obtidos no estádio I, constatando‐se frequentemente o desaparecimento da placa e toda a sintomatologia ou sinais manifestados pelo doente. Igualmente, no estádio II recorremos à terapia pelo laser e ultrassons, mas os resultados não são tão bons. Na fase III, de calcificação da placa, só pontualmente recorremos a esta terapêutica, nas situações de incipiente calcificação do nódulo, podendo assim obter efeitos positivos sobre a colagenose.

Referências
[1]
A.S. Herati, A.W. Pastuszak
The genetic basis of Peyronie's disease: A review
[2]
R. Felipetto, L. Vigano, G.L. Pagni, R. Minervini
Lase and ultrasonic therapy in simultaneous emission for the treatment of plastic penile induration
Minerva Urol Nefrol, 47 (1995), pp. 25-29
[3]
Candebat Montero, P.L. Miranda Reyes, F. Díaz García, I. González Ferro, F. Barbosa Ramos, J. Codorniu Furet
Enfermedad de la Peyronie: tratamiento con interferon y láser
Arch Esp Urol, 61 (2008), pp. 413-423
[4]
J.T. Hashmi, Y.Y. Huang, S.K. Sharma, D.B. Kurup, L. de Taboada, J.D. Carroll
Effect of pulsing in low‐level light therapy
Lasers Surg Med, 42 (2010), pp. 450-466 http://dx.doi.org/10.1002/lsm.20950
Copyright © 2016. Associação Portuguesa de Urologia
es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos