Regístrese
Buscar en
Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial
Toda la web
Inicio Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial Paracoccidioidomicose crónica: caraterísticas intraorais em um relato de caso ...
Journal Information
Vol. 56. Issue 4.
Pages 246-250 (October - December 2015)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
6237
Vol. 56. Issue 4.
Pages 246-250 (October - December 2015)
Caso clínico
DOI: 10.1016/j.rpemd.2015.08.003
Open Access
Paracoccidioidomicose crónica: caraterísticas intraorais em um relato de caso clínico
Paracoccidioidomycosis: intra‐oral presentation in a case report
Visits
6237
Carla Renata Sanomiya Ikutaa,
Corresponding author
carlaikuta@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Victor Tieghi Netoa, Thaís Sumie Nozu Imadaa, Heliton Gustavo de Limab, Vanessa Soares Larab, Paulo Sérgio da Silva Santosa
a Disciplina de Estomatologia e Radiologia, Departamento de Estomatologia, Faculdade de Odontologia de Bauru – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
b Disciplina de Patologia, Departamento de Estomatologia, Faculdade de Odontologia de Bauru – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (7)
Show moreShow less
Resumo

A paracoccidioidomicose (PCM) é uma doença fúngica limitante com ocorrência em países latino‐americanos. Lesões secundárias em mucosa e pele são observadas em sua forma crónica. Um homem leucoderma de 60 anos, etilista, hipertenso, fumante e ex‐garimpeiro apresentou‐se cancerofóbico e com a queixa principal de dor do lado direito da boca. Ao exame intraoral, observou‐se uma úlcera extensa com bordas irregulares, endurecida e edemaciada. Foi realizada biópsia incisional e, por meio de exame histopatológico após coloração por hematoxina e eosina e Gomori‐Grocott, concluiu‐se que o referente caso clínico era de PCM. O paciente foi encaminhado a um infectologista e foi tratado com itraconazol 200mg. Assim, objetivamos relatar um caso clínico de PCM com sinais e sintomas intraorais.

Palavras‐chave:
Paracoccidioidomicose
Diagnóstico
Paracoccidioides
Abstract

Paracoccidioidomycosis (PCM) is a fungal disease with occurrence in Latin America. Secondary lesions in mucosa and skin are observed in chronic presentation. One man, caucasian, 60 years old, alcoholic, hypertensive, smoke and ex‐miner, cancer‐phobia and with main complain of pain in the right side of the mouth. At intraoral exam, was observed a large ulcer with irregular borders, hard and edematous. It was made a incisional biopsy and through histopathologic exam, after Hematoxin and Eosin and Gomori‐Groccot, the final diagnosis was PCM. The patient was referred to a infectologist and the treatment was Itraconazol 200mg. We aimed report a case of PCM with intraoral signs and symptoms.

Keywords:
Paracoccidiodomycosis
Diagnosis
Paracoccidioides
Full Text
Introdução

A paracoccidioiodomicose (PCM), também conhecida como doença de Lutz ou micose de Lutz‐Splendore‐Almeida é uma infecção fúngica limitante e caracterizada por possuir uma distribuição geográfica limitada à região latino‐americana1. Casos da doença fora da área endémica normalmente estão relacionados com a imigração de pessoas ou com o retorno de viagens das regiões de ocorrência da PCM, como Colômbia, Venezuela e Argentina2–4. Não há dados precisos no Brasil sobre a incidência, mas estima‐se que varie entre 3‐4 casos/milhão até 1‐3 casos por 100 mil habitantes por ano nas áreas endémicas5.

A forma crónica da doença é vista em 90% dos casos, onde o paciente apresenta danos pulmonares de progressão lenta até evoluir para uma morbidade semelhante à tuberculose3. Geralmente, apresenta‐se em adultos com idade entre 30‐60 anos5. É nesta forma de PCM que são encontradas as lesões secundárias em mucosa, assim como na pele, linfonodos e glândulas adrenais. Nos outros 10% dos casos, encontra‐se a forma aguda caracterizada por crescimento abrupto, uma intensa infecção do sistema reticuloendotelial e, frequentemente, progressão à morte3.

O profissional deve inicialmente atentar‐se a condição geral do paciente e então analisar as áreas acometidas5. As lesões orais são encontradas em 80% dos pacientes e muitas vezes são a razão do paciente procurar uma avaliação profissional2. A morfologia oral da lesão é variável, mas o padrão mais comum é a lesão infiltrativa com uma superfície granular delgada6 e petéquias hemorrágicas, de evolução lenta, e a mucosa gengival é a mais afetada2,7. Os pacientes comprometidos requerem cuidados e intervenções especiais multidisciplinares. Suas manifestações podem resultar em debilidades físicas irreversíveis e incapacitantes, por isso o diagnóstico precoce da PCM é muito importante e o papel dos profissionais de saúde oral, fundamental, uma vez que os pacientes buscam o atendimento devido às manifestações estomatológicas dessa doença. O tratamento de escolha para o paciente com PCM deve ser individualizado e possíveis associações com comorbidades devem ser relacionadas4.

Este relato objetiva auxiliar os profissionais de saúde oral e demais profissionais da área da saúde a identificar o PCM por meio de características intraorais, relacionando hábitos e atividades do paciente.

Caso clínico

O paciente homem, 60 anos de idade, leucoderma, apresentou‐se com a queixa principal de dor no lado direito da boca e cancerofobia. Relatou durante a anamnese que foi garimpeiro, fumava mais de 2 maços de cigarros/dia e ingeria aproximadamente 2 doses de aguardente/dia. Na história médica atual, o paciente estava sob tratamento médico para hipertensão (atenolol 50mg e enalapril 20mg).

Ao exame intraoral, foi encontrada uma extensa região ulcerada, envolta por eritema e com bordas irregulares, endurecida e edemaciada com aspecto moriforme, que acometia mucosa jugal, lábios, palato duro, fundo de sulco e mucosa alveolar do lado direito (fig. 1), com sintomatologia dolorosa exacerbada e evolução de 6 meses. O paciente possuía higiene bucal deficiente e condição bucal precária com a presença de raízes residuais, periodontite, presença de cálculos e recessões gengivais, lesões periapicais, dificuldade de deglutição e halitose. Ao exame físico local, apresentava edema moderado no lado direito da face e linfonodo submandibular direito endurecido e móvel. Ao exame radiográfico oral, observou‐se uma área radiolúcida em região alveolar com extensão para o túber entre os dentes 15 e 16 e outra, no dente 13 (fig. 2). Baseado nos exames clínico e radiográfico, os diagnósticos diferenciais foram de PCM, carcinoma espinocelular e histoplasmose. Foi então realizada biópsia incisional em 2 regiões: fundo de sulco e palato duro (figs. 3 e 4), regiões escolhidas devido à manifestação clínica exuberante.

Figura 1.

Úlcera extensa envolta por eritema, com bordas irregulares, edemaciada com aspecto moriforme, em mucosa jugal, lábios, palato duro, fundo de sulco e mucosa alveolar do lado direito.

(0.17MB).
Figura 2.

Área radiolúcida em região alveolar com extensão para o túber nas áreas entre os dentes 16 e 15, e lesão circunscrita radiolúcida no dente 13.

(0.08MB).
Figura 3.

Áreas de biópsia: fundo de sulco e palato duro.

(0.2MB).
Figura 4.

Aspecto macroscópico das peças removidas na biópsia incisional.

(0.38MB).

O exame histopatológico revelou um tecido conjuntivo fibroso com inúmeros granulomas imunogénicos, constituídos por macrófagos e células gigantes multinucleadas do tipo Langhans, algumas com leveduras birrefringentes, por vezes com criptoesporulação em seu interior, compatíveis com Paracoccidioides brasiliensis (P. brasiliensis), os quais foram também identificados após coloração com hematoxina e eosina (fig. 5) e Gomori‐Grocott (fig. 6).

Figura 5.

Inflamação granulomatosa caracterizada por células gigantes multinucleadas do tipo Langhans, algumas com o fungo em seu interior (seta amarilla) (hematoxina e eosina 40×).

(0.24MB).
Figura 6.

Estruturas birrefringentes compatíveis com o fungo Paracoccidioides brasiliensis, muitas vezes em brotamento (setas vermelhas) (Gomori‐Grocott 40×).

(0.23MB).

Após confirmação do diagnóstico pelo exame histopatológico, o paciente foi encaminhado a um infectologista, que indicou o tratamento com itraconazol 200mg/dia por 6 meses. O paciente retornou após 4 meses com melhora significativa do quadro clínico geral, especialmente com regressão da lesão (fig. 7). Não houve diminuição ou cessação dos hábitos deletérios, fumo e etilismo, embora tenha sido exaustivamente orientado sobre esses hábitos. Ao término do tratamento médico, foi realizada a exodontia do dente 15 e do 16, dessa maneira eliminando os focos granulomatosos residuais da PCM. Foi planejado a reabilitação oral do paciente, como, por exemplo, o tratamento endodôntico do dente 13. Após as extrações, o paciente desenvolveu fístula bucosinusal. O fato do paciente não ser colaborador, apresentar hipertensão descontrolada e o etilismo impossibilitou a continuidade do tratamento.

Figura 7.

Aspeto intraoral após a medicação de itraconazol.

(0.16MB).
Discussão e conclusão

A PCM possui predileção por homens na idade madura e acomete principalmente agricultores ou outras profissões e atividades relacionadas ao manejo do solo contaminado pelo fungo do P. brasiliensis3,6,8. O nosso paciente é um garimpeiro aposentado, de 60 anos, enquadrando‐se no grupo de maior incidência da forma crónica da doença segundo a literatura6. As atividades ou profissões relacionadas com o manejo de solo contaminado pelo fungo são um fator de risco para a infeção5. No estudo realizado por Brazão‐Silva, em 2010, 50,9% dos pacientes com PCM eram trabalhadores rurais, seguido por motoristas, pedreiros, operadores de máquinas. Em menor percentagem, donas de casa e executivos, e casos únicos de estudante, camareira, frentista, garçom, carpinteiro, soldador e um garimpeiro.

A infecção primária ocorre através da inalação pelo hospedeiro dos propágulos infectantes denominados conídios5 e pode‐se desenvolver como uma forma aguda/subaguda com grave envolvimento do sistema mononuclear fagocitário ou crónica com envolvimento de um ou mais orgãos6. Homens entre a terceira e sexta décadas de vida são os mais acometidos pela doença6.

A mucosa oral, faríngea e laríngea são acometidas em 70% dos casos4. As lesões orais na PCM podem acometer língua, assoalho da boca, mucosa alveolar e gengival, palato, lábios, orofaringe e mucosa bucal, sendo que a mucosa gengival é a mais acometida e podem ocorrer alterações no fluxo salivar2. A apresentação clássica de lesão é uma úlcera superficial com aparência granular e pontos hemorrágicos (estomatite moriforme)2–4,6. Os sinais e sintomas orais do PCM incluem dor, hipersalivação, halitose e dificuldade de mastigação3. As lesões orais e o papel do profissionais de saúde oral são muito importantes, uma vez que a exacerbada sintomatologia dolorosa é o motivo principal da procura por um profissional, condição esta que fez com que o paciente do caso clínico descrito se dirigisse à Faculdade de Odontologia de Bauru. Além disso, não devem ser realizados procedimentos odontológicos em pacientes com lesões ativas, exceto em casos onde o paciente esteja sob medicação a pelo menos 3 meses ininterruptamente, a fim de evitar a proliferação do fungo6.

A predisposição dos etilistas às infecções secundárias já foi sugerida para PCM, candidíase, criptococose, esporotricose, e aspergilose9. Em 1992, foi associado o etilismo à forma crônica da PCM e também um indicativo que o tabagismo apresenta alta prevalência entre os portadores de PCM1,9. Nosso paciente possuía ambos os hábitos deletérios de forma intensa, muitas vezes chegando a nossa clínica com sinais de consumo de bebida ou do fumo. Apesar de orientado exaustivamente sobre esses hábitos, o paciente relutava a abandoná‐los. Um dado importante a se discutir é que a maior taxa de reinfecções e maior incidência de PCM são claramente relacionadas ao sexo masculino, grupo que se expõe mais ao etilismo e tabagismo, possíveis fatores de risco para o desenvolvimento desta doença10. A baixa prevalência da doença em mulheres dá‐se por conta da influência inibitória do estrogênio, mas podendo acometer mulheres jovens e idade pós‐menopausa3,6.

O diagnóstico diferencial da PCM inclui câncer, tuberculose, sífilis, granuloma de Wegener, Leishmaniose e outras micoses. Há relato de lesões de PCM mimetizando carcinoma espinocelular6. Os métodos do diagnóstico de PCM incluem citologia exfoliativa e biópsia3,6. Tradicionalmente, o procedimento utilizado para o diagnóstico de PCM em lesões de mucosa oral é a biópsia incisional seguida de análise histopatológica2–4,6. Neste caso clínico, foram realizados os exames histopatológicos baseados nas colorações de Gomori‐Grocott (metenamina de prata) e hematoxina e eosina que auxiliaram para o estabelecimento do diagnóstico final.

O diagnóstico precoce da PCM envolve, além do exame físico, uma anamnese minuciosa realizada pelos profissionais de saúde oral, que deve identificar se o paciente vive/esteve em regiões de risco e se a atividade profissional o expõe ao fungo. A intervenção e o procedimento odontológico foram de grande importância para que a evolução da doença para debilidades físicas irreversíveis, como fibrose pulmonar, fosse interrompida ou que o paciente fosse a óbito.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que os procedimentos seguidos estavam de acordo com os regulamentos estabelecidos pelos responsáveis da Comissão de Investigação Clínica e Ética e de acordo com os da Associação Médica Mundial e da Declaração de Helsinki.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram ter seguido os protocolos do seu centro de trabalho acerca da publicação dos dados de pacientes.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram ter recebido consentimento escrito dos pacientes e/ ou sujeitos mencionados no artigo. O autor para correspondência deve estar na posse deste documento.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Referências
[1]
A.M.M. Paniago, J.I.A. Aguiar, E.S. Aguiar, R.V. da Cunha, G.R.O.L. Pereira, A.T. Londero, et al.
Paracoccidioidomicose: estudo clínico e epidemiológico de 422 casos observados no Estado de Mato Grosso do Sul.
Rev Soc Bras Med Trop, 36 (2003), pp. 455-459
[2]
M.A.I. De Abreu e Silva, F.G. Salum, M.A. Figueiredo, K. Cherubini.
Important aspects of oral paracoccidioidomycosis–a literature review.
Mycoses, 56 (2013), pp. 189-199
[3]
M.T. Brazão-Silva, M.F. Andrade, T. Franco, R.I.M.A. Ribeiro, W.S. Silva, G. Faria, et al.
[4]
S.A. Marques.
Paracoccidioidomycosis.
Clin Dermatol, 30 (2012), pp. 610-615
[5]
M.A. Shikanai-Yasuda, F.Q. Telles Filho, R.P. Mendes, A.L. Colombo, M.L. Moretti, Grupo de Consultores do Consenso em Paracoccidioidomicose.
Consenso em paracoccidioidomicose.
Rev Soc Bras Med Trop, 39 (2006), pp. 297-310
[6]
M.R. Azenha, R. Caliento, L.G. Brentegani, S.A. Lacerda.
A retrospective study of oral manifestations in patients with paracoccidioidomycosis.
Braz Dent J, 23 (2012), pp. 753-757
[7]
F.D. Verli, S.A. Marinho, S.C. de Souza, M.A.Z. de Figueiredo, L.S. Yurgel.
Perfil clínicoepidemiológico dos pacientes portadores de paracoccidioidomicose no Serviço de Estomatologia do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Rev Soc Bras Med Trop, 38 (2005), pp. 234-237
[8]
E.A. Loth, S.V. de Castro, J.R. da Silva, R.F. Gandra.
Ocorrência de 102 casos de paracoccidioidomicose em 18 meses na região do Lago de Itaipu, Oeste do Paraná.
Rev Soc Bras Med Trop, 44 (2011), pp. 636-637
[9]
R. Martinez, M.J. Moya.
Associação entre paracoccidioidomicose e alcoolismo.
Rev Saude Publica, 26 (1992), pp. 12-16
[10]
M.H.S.L. Blotta, R.L. Mamoni, S.J. Oliveira, A.S. Nouér, P.M.O. Papaiordanou, A. Goveia, et al.
Endemic regions of paracoccidioidomycosis in Brazil: A clinical and epidemiologic study of 584 cases in the southeast region.
Am J Trop Med Hyg., 61 (1999), pp. 390-394
Copyright © 2015. Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.