Regístrese
Buscar en
Revista Andaluza de Medicina del Deporte
Toda la web
Inicio Revista Andaluza de Medicina del Deporte Efeitos da suplementação de β‐hidroxi‐β‐metilbutirato na eficiência m...
Información de la revista
Vol. 10. Núm. 3.
Páginas 137-141 (Septiembre 2017)
Compartir
Compartir
Descargar PDF
Más opciones de artículo
Visitas
1077
Vol. 10. Núm. 3.
Páginas 137-141 (Septiembre 2017)
Artigo original
DOI: 10.1016/j.ramd.2015.02.009
Open Access
Efeitos da suplementação de β‐hidroxi‐β‐metilbutirato na eficiência mecânica em canoístas de elite
Efectos de suplementación del β‐hidroxi‐β‐methilbutirato en rendimiento mecánico en palistas de élite
Effects of supplementation β‐hydroxy‐β‐methylbutyrate in mechanical efficiency in elite paddlers
Visitas
1077
H.R. Ferreiraa,
Autor para correspondencia
heros.ferreira@canoagem.org.br

Autor para correspondência.
, P. Gillb, J.P. Louresc, R.R. Oliveirac, J. Fernandes Filhod, L.C. Fernandesb
a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, São Paulo, SP, Brasil
b Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil
c Academia Brasileira de Canoagem, Curitiba, PR, Brasil
d Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Este artículo ha recibido
1077
Visitas

Under a Creative Commons license
Información del artículo
Resumen
Texto completo
Bibliografía
Descargar PDF
Estadísticas
Figuras (1)
Tablas (1)
Tabela 1. Valores dos parâmetros da curva força‐tempo, pré e pós‐suplementação dos grupos HMB e CON, no período de 14 dias
Resumo
Objetivo

O presente estudo prospectivo, randomizado, duplo‐cego e placebo‐controlado, verificou o efeito da ingestão de 3g/dia‐1 β‐hidroxi‐β‐metilbutirato sobre os parâmetros da curva força‐tempo em canoístas de elite.

Método

Participaram 24 canoístas, homens, de elite, com 21.41±5.35 anos, 173.36±8.27cm e 69.83±10.29kg. Formaram‐se 2 grupos, um suplementado (HMB) e outro placebo (CON), ambos acompanhados por 14 dias e submetidos a teste máximo de 4min (pré e pós) num caiaque ergômetro.

Resultados

Apontam melhora na eficiência mecânica em consonância com o aumento significativo do impulso gerado (17.23%, p=0.02), da potência média (26.6%, p=0.01), frequência de remada (13.5%, p=0.04), perante teste máximo de 4min em ergômetro.

Conclusão

Houve melhora na capacidade de gerar potência, que pode estar associada com a suplementação de β‐hidroxi‐β‐metilbutirato, através da diminuição do catabolismo durante o treinamento; contudo, o mecanismo pelo qual isso pode ocorrer ainda é desconhecido.

Palavras‐chave:
β‐hidroxi‐β‐metilbutirato
Canoístas
Atletas de elite
Resumen
Objetivo

Este estudio aleatorizado, doble ciego prospectivo, controlado y placebo, tubo como objetivo comprobar el efecto de la ingesta de 3g/día‐1 de β‐hidroxi‐β‐metilbutirato en los parámetros de la curva fuerza‐tiempo en kayakistas de élite.

Método

Veinticuatro kayakistas, hombres, élite con 21.41±5.35 años, 173.36±8.27cm y 69.83±10.29kg. Formado dos grupos, uno suplementado (HMB) y otro placebo (CON), ambos siguieron durante 14 días y sometido a máxima 4min prueba (pre y post) en un ergómetro kayak.

Resultados

Se apreció una mejora en la eficiencia mecánica en relación con el aumento significativo del impulso generado (17.23% p=0.02), la potencia media (26.6% p=0.01), frecuencia de carrera (13.5% p=0.04) durante una prueba máxima en ergómetro de 4min.

Conclusión

Hubo una mejora en la capacidad para generar energía, que puede estar asociada con la administración de suplementos de β‐hidroxi‐β‐metilbutirato mediante la reducción de catabolismo durante el entrenamiento, sin embargo, el mecanismo por el que esto puede ocurrir es aún desconocido.

Palabras clave:
β‐hidroxi‐β‐metilbutirato
Kayakistas
Atletas de élite
Abstract
Objective

This prospective, randomized, double‐blind, placebo‐controlled, checked the effect of the intake of 3g/day‐1 of β‐Hidroxy‐β‐Methylbutyrato on the parameters of the force‐time curve in elite kayakers.

Method

24 paddlers, men, elite with 21.41±5.35 years, 173.36±8.27cm and 69.83±10.29kg. Formed two groups, one supplemented (HMB) and another placebo (CON), both followed for 14 days and subjected to maximum test 4min (pre and post) in a kayak ergometer.

Results

Point improvement in mechanical efficiency in line with the significant increase in the generated pulse (17.23% p=0.02), average power (26.6% p=0.01), stroke frequency (13.5% p=0.04) before maximum test 4min ergometer.

Conclusion

There was improvement in the ability to generate power, which may be associated with supplementation of β‐Hidroxy‐β‐Methylbutyrato by reducing catabolism during training, however the mechanism by which this may occur is still unknown.

Keywords:
β‐hidroxi‐β‐metilbutirato
Kayakers
Athletes Elite
Texto completo
Introdução

Nair et al.1 descrevem que o β‐hidroxy‐β‐metilbutirato de cálcio (Ca‐HMB) tem relação com a diminuição da degradação proteica em seres humanos, o que sugere que a leucina pode servir como um regulador do metabolismo de proteínas. Da mesma forma, Nissen et al.2 demonstraram evidências de que homens e mulheres destreinados, após iniciar um programa de treinamento sistematizado de resistência, apresentaram ganhos de força quando ingeriram doses de 1.5‐3g/dia−1 de Ca‐HMB durante 3‐4 semanas. Esses ganhos foram associados com a perda significativa pela excreção urinária da enzima muscular 3‐methylhistidine, sugerindo a diminuição do catabolismo durante o treinamento.

Vukovich et al.3 relataram que, durante 8 semanas de ingestão com 3g/dia−1 Ca‐HMB, houve aumento significativo massa magra; além disso, promoveu aumentos da força de 1RM em um grupo de homens e mulheres idosos iniciantes de um programa de treinamento.

No mesmo sentido, Panton et al.4 observaram que a suplementação de Ca‐HMB, durante 8 semanas de treinamento de resistência, aumentou a capacidade funcional em um grupo de idosos. Por sua vez, Gallagher et al.5 analisaram os efeitos da suplementação de Ca‐HMB (0.38 e 0.76mg/kg/dia−1) durante 8 semanas de treinamento de resistência em um grupo de homens destreinados, e notaram que houve diminuição significativa da excreção de creatina quinase (CK) e aumento de massa magra. Em geral, estes resultados preliminares sugerem que a suplementação com 1.5‐3g/dia−1 de Ca‐HMB pode aumentar a massa livre de gordura (MLG) e a força em indivíduos destreinados em um programa de treinamento de resistência6,7. Resultados similares foram encontrados por Ferreira et al.8 em canoístas de elite, quando suplementados com 3g/dia−1 de Ca‐HMB, que apresentaram um aumento significativo de massa magra e ganho de força associados com o treinamento de resistência.

O candidato a promotor do efeito inibitório é o Ca‐HMB, o produto do metabolismo do aminoácido leucina. A partir da transaminação deste aminoácido é formado o α‐cetoisocaproato, o qual é parcialmente oxidado em Ca‐HMB. O Ca‐HMB pode ser encontrado em muitos dos alimentos consumidos, tais como: toranja, peixe bagre e, ainda, no leite materno. Embora o Ca‐HMB possa ser encontrado na natureza, é muito difícil e impraticável conseguir uma base regular de alimentos que forneça, suficientemente, todos os benefícios do Ca‐HMB9. Portanto, a suplementação pode ser vantajosa para os praticantes de treinamento de força ou daqueles sob extremo estresse muscular, que desejam melhora na performance atlética e livre de agentes dopantes10.

Apesar da literatura propor que a suplementação de Ca‐HMB promove adaptações metabólicas perante o treinamento de resistência em atletas treinados e sedentários, há necessidade de investigações a respeito da suplementação de Ca‐HMB em atletas sob o efeito de curto prazo e relacionados com a eficiência mecânica no desporto. O objetivo deste estudo foi determinar se a suplementação de 3g/dia−1 de Ca‐HMB, em curto espaço de tempo, age positivamente sob os parâmetros da curva força‐tempo no teste máximo de 4min em ergômetro para canoagem.

MétodoSujeitos

A amostra foi composta de 24 canoístas masculinos de elite, todos voluntários e com mais de 3 anos nas equipes nacionais, com resultados internacionais expressivos e descritos da seguinte forma (média±desvio padrão): 21.41±5.35 anos, 173.36±8.27cm e 79.83±10.29kg. Os indivíduos foram analisados durante o período de treinamento de força do plano geral de treinamento estabelecido pela Confederação Brasileira de Canoagem. Todos os atletas treinaram sob o formato de concentração, a fim de ter um controle de todas as atividades esportivas e refeições. Foram informados sobre os objetivos, procedimentos. Após a concordância, assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido que foi aprovado pelo comitê de ética da Universidade Federal do Paraná (UFPR), sob o protocolo n.° 1179.104.11.08 do comitê de ética e pesquisa em seres humanos da UFPR.

Procedimentos

Todos os sujeitos mantiveram seus programas de treinamento durante o presente estudo. Foi realizada a aplicação do teste 4min, máximo um mês antes dos tratamentos para definir os padrões basais. Com base nesses dados, foi determinado o ponto 0 utilizado para a divisão de 2 grupos, a fim de garantir homogeneidade aproximada. Dessa forma, os sujeitos foram divididos randomicamente em 2 grupos, sendo: um grupo com 12 atletas suplementados com 3g/dia‐1 de Ca‐HMB, denominado HMB; e outro grupo com 12 atletas suplementados com 3g/dia−1 de amido de milho, grupo controle (CON).

A fim de manter o sigilo absoluto, o laboratório que realizou a separação e pesagem das doses criou uma chave de codificada dos grupos, a que nenhum avaliado ou avaliador teve acesso. Essa chave codificada só foi revelada aos pesquisadores após o término do tratamento.

Os participantes foram instruídos a manter um registro dietético de todos os alimentos e bebidas consumidos nos últimos 3 dias antes do teste. E foram convidados a repetir essa dieta inicial, tanto quanto possível, antes de cada sessão de teste de esforço (pré e pós). A ingestão alimentar foi acompanhada e analisada pela nutricionista da equipe, através do software Nutricionista IV (N‐Squared Computing, Salem, OR). Os sujeitos não consumiram qualquer outro suplemento dietético ou ergogênico durante o presente estudo.

Os suplementos foram preparados em forma de pó pelo laboratório Metabolic Technologies, Inc. (Iowa, EUA), de forma que todos os sujeitos ingeriram as porções diárias divididos em 3 partes, sendo junto às refeições (manhã, tarde e noite). Cada frasco continha suplemento suficiente para 14 dias. Durante todo o estudo, os atletas participaram normalmente de todas as sessões de treinamento. As sessões de treinamento tinham, em média, 6 horas por semana de treinamento de resistência de força (em média 1‐3 séries de 2‐8 repetições, em intensidades variando 80‐95% de 1RM) e, aproximadamente, 10h por semana de treinamento específico na água para a modalidade.

O ergômetro específico para canoagem utilizado foi o Speedstroke GYM da Kayakpro®, que tem sido utilizado nos últimos anos por inúmeros países para treinamento e em campeonatos indoor. Trata‐se de um equipamento que permite que o atleta adote a mesma postura do caiaque, configurado na realização do mesmo movimento realizado na água, possuindo um eixo de remo, o qual é fixado por cabos nas extremidades conectadas a transdutores de força, onde a resistência pode ser alterada, calibrada e controlada totalmente por computador, dessa forma fornecendo as variáveis da curva força‐tempo de interesse do estudo.

O objetivo do teste 4min em ergômetro de caiaque (KE) é de o atleta realizar o máximo de esforço físico específico da modalidade durante todo o tempo, sem a utilização de estratégias. Os atletas realizaram um aquecimento articular completo livre de 5min; em seguida, realizaram um aquecimento específico no ergômetro com uma carga de 40W durante 5min, seguidos por 2min de intervalo passivo; imediatamente após, ao comando do investigador, iniciou o teste KE, estando o ergômetro estacionário.

As variáveis analisadas foram determinadas pelos componentes da curva força‐tempo: a força média (FM), pico de força (PF), impulso (IMP), potência média (PM), frequência de remada (FR) e índice de fadiga (IF), determinadas com resolução de cada remada.

A figura 1 é uma representação esquemática das variáveis propulsivas. O PF foi considerado como sendo o maior valor da força propulsiva de uma remada. A FM foi estabelecida pela média das unidades de força, e o IMP é definido pela integral entre unidades de força e tempo. A PM foi determinada pelas cargas médias de IMP pela razão do tempo e a FR foi determinado pela quantidade de ciclos completos de remada (stroke) pelo tempo. O IF foi determinado pelo coeficiente de inclinação da reta entre os picos de força, e a variável distância percorrida (DP) foi mensurada em metros, sendo produto final do teste máximo de 4min.

Figura 1.

Representação esquemática das variáveis propulsivas analisadas na curva força‐tempo durante as remadas na canoagem. FM: força média; FR: frequência de remada; IF: índice de fadiga; IMP: impulso; PF: pico de força; PM: potência Média.

(0,14MB).
Análise estatística

Os resultados são apresentados em média±desvio padrão. A normalidade foi confirmada através do teste de Kolmogorov‐Smirnov. Foi utilizado o teste t pareado para possíveis associações entre os momentos (pré e pós‐tratamento) e teste de ANOVA com pós‐teste de Tukey dos parâmetros analisados, utilizando o pacote estatístico SPSS 17.0 (SPSS Inc., Chicago, IL, USA). O nível de significância utilizado foi p0.05.

Resultados

Na tabela 1 são apresentados os resultados dos parâmetros da curva força‐tempo, em relação ao pré e pós‐teste dos respectivos grupos HMB e CON. Não foi possível encontrar diferenças significativas para o PF entre os grupos. Contudo, para FM, que consiste na manutenção das cargas de força ao longo do teste, houve uma diferença significativa (p<0.01) entre o pré e pós para o grupo HMB e não significativo para CON. Tanto IMP quanto para PM mostrou‐se diferença significativa entre pré e pós para o grupo HMB (p=0.02 e p<0.01, respectivamente) e não significativo para CON. Com relação ao IF, houve diferenças significativas entre o pré e pós para ambos os grupos HMB e CON, sendo p=0.03 e p=0.04, respectivamente. Para a variável FR nota‐se uma diferença significativa para o grupo HMB (p=0.04) e, não obstante, diferença significativa para DP no grupo HMB (p=0.01).

Tabela 1.

Valores dos parâmetros da curva força‐tempo, pré e pós‐suplementação dos grupos HMB e CON, no período de 14 dias

  HMBCON
  Pré  Pós  Pré  Pós 
Peso corporal (kg)  78.50±3.04  76.30±2.82  79.38±3.56  78.70±3.46 
% gordura  9.50±3.01  8.10±3.45  10.20±2.98  9.00±2.76 
Pico de força (N)  98.26±27.62  105.57±21.03*  76.74±20.17  78.15±25.88 
Força média (N)  54.12±6.02  66.84±5.51*  50.71±11.33  51.47±15.79 
Impulso (N.m)  390.00±108.81  471.22±42.59*  333.22±95.12  367.33±113.99 
Índice de fadiga (%)  41.78±13.54  34.78±12.79*  38.0±11.00  35.67±8.90* 
Potência média (watts)  231.53±33.95  315.72±17.65*  218.12±92.63  201.67±67.54 
Freq. de remadas (r/min)  99.27±24.99  114.77±8.82*  91.22±20.42  92.32±24.31 
Velocidade (m/s)  4.37±0.21  4.76±0.19  4.32±0.59  4.34±0.51 
Distância percorrida (m)  1018.80±37.68  1163.85±40.14*  1007.05±79.41  1027.91±22.75 
1212

CON: grupo placebo; HMB: grupo suplementado.

Representado por média±SD; * p0.05.

Discussão

A DP no teste KE é uma variável muito interessante, pois quanto maior distância, mais eficiente será o atleta na execução no teste11; essa informação fundamenta a eficiência mecânica do grupo HMB, corroborando com os aumentos do PF e as supostas transferências dessas cargas para a navegação. Considerando os dados coletados e o tempo médio de uma prova oficial de K1 1000m (aproximadamente 210s), haveria perda média de 4.60s devido à IF, sabendo que, no alto rendimento, 4 segundos poderiam definir inúmeras colocações no quadro internacional. O monitoramento desta variável tem papel importante no planejamento do treinamento, uma vez que a redução do índice de fadiga, melhor será o desempenho atlético do atleta perante a prova submetida12.

Os valores encontrados para PF em ambos os grupos (HMB e CON) corroboram com a literatura científica, quando relacionados a um ciclo de remada de canoístas de elite olímpica11; contudo, quando observamos a distribuição das unidades de PF no domínio do tempo, estas não apresentam diferenças significativas em ambos os grupos (HMB e CON). O fato dos valores encontrados na literatura para um único ciclo de remada13 serem inferiores aos encontrados no presente estudo, pode estar ligado à melhoria da eficiência da aplicação da técnica. Observamos que as diferenças significativas encontradas de IMP (p=0.02) são superiores aos encontrados na literatura internacional13,14; pode estar ligado com a melhora da transferência de energia na remada, pois com o ataque eficiente possui aumento do IMP por completo ao longo do ciclo da remada15.

Nesse sentido, destacamos que o desempenho em competição de modalidades esportivas cíclicas máximas, tal como a canoagem, é dependente das transferências precisas das variáveis da curva força‐tempo, bem como dependente da capacidade do organismo de regenerar o ATP consumido na contração muscular e em quantidades suficientes para a realização do trabalho externo14,16,17. Desse modo, destacamos os valores encontrado para IF, que foi decrescente ao longo do teste, embora não haja na literatura valores de referência para esta variável; contudo, é fundamental que o atleta atinja menores valores de IF quanto possível durante o percurso.

Observa‐se que os valores encontrados de PM corroboram com os encontrados na literatura internacional11,13,18, quando comparado pré e pós, nota‐se uma alteração significativamente positiva para o grupo HMB (p=0.01) e negativamente para o grupo CON (p=0.04), confirmando com os achados na literatura no que diz respeito do aumento da força nos membros superiores e inferiores em 1RM, variável importante, pois está diretamente ligada com a força pico.

De acordo com a literatura11, nota‐se que esse efeito positivo da suplementação de HMB pode relacionar‐se com aumento da força máxima, confirmado por alguns autores2,19–21 que notaram aumento da excreção de CK, aumento da MLG e da força pura, em indivíduos treinados e canoístas de elite.

A análise da FR e a velocidade média (VM) da embarcação durante uma prova são variáveis essenciais para a eficiência atlética em canoagem velocidade. A FR está relacionada intimamente com o comprimento de remada (stroke), facto que, estrategicamente, deve‐se aumentar a FR sem comprometer a stroke. As análises trianguladas de FR, VM e stroke são essenciais para a investigação e melhora da performance do canoísta22,23. De acordo com o presente estudo, não houve diferenças significativas na stroke em ambos os grupos. Entretanto, encontrou diferenças significativas para FR no grupo HMB, que parecem estar relacionadas com a melhoria da eficiência mecânica; esses dados são apoiados pelo aumento da VM (p=0.01)23,24.

A utilização de apenas uma prova oficial olímpica, caiaque individual de 1000m (K1 1000m), é uma limitação do estudo, no tocante que restringe informações apenas a uma embarcação e a uma distância oficial das 12 olímpicas. As aplicações práticas estão ligadas diretamente na utilização das estratégias de prova descrita, bem como na melhor distribuição das cargas de IMP gerado ao longo do evento. O presente estudo indicou melhora na performance para o grupo com HMB sobre as variáveis da curva força‐tempo.

Os resultados do presente estudo apontam para a melhora significativa nos parâmetros biomecânicos da curva força‐tempo (PF, IMP, FR, DP e VM) em canoístas de elite, quando suplementados com 3g/dia−1 de Ca‐HMB durante 14 dias e quando submetidos a uma prova máxima em caiaque ergômetro. O mecanismo correto pelo qual isso pode ocorrer ainda é desconhecido, mas os resultados indicam aumento da força aplicada e na transferência das cargas para a navegação. Embora as pesquisas até agora sejam animadoras, existe a necessidade de que mais estudos sejam realizados, para verificar os efeitos da suplementação de Ca‐HMB sob a performance esportiva, e as componentes bioquímicas e histológicas envolvidas.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
K.S. Nair, R.G. Schwartz, S. Welle.
Leucine as a regulator of whole body and skeletal muscle protein metabolism in humans.
Am J Physiol., 263 (1992), pp. E928-E934
[2]
S. Nissen, R. Sharp, M. Ray, J.A. Rathmacher, D. Rice, J.C. Fuller Jr., et al.
Effect of leucine metabolite β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate on muscle metabolism during resistance‐exercise training.
J Appl Physiol., 81 (1996), pp. 2095-2104
[3]
M.D. Vukovich, G.D. Adams.
Effect of β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate (HMB) on VO2peak and maximal lactate in endurance trained cyclists.
Med Sci Sports Exerc., 29 (1997), pp. S252-S261
[4]
L. Panton, J. Rathmacher, J. Fuller, J. Gammon, L. Cannon, S. Stettler, et al.
Effect of β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate and resistance training on strength and functional ability in the elderly.
Med Sci Sports Exerc., 30 (1998), pp. 194-199
[5]
P.M. Gallagher, J.A. Carrithers, M.P. Godard, K.E. Schulze, S.W. Trappe.
β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate: Supplementation during resistance‐training.
Med Sci Sports Exerc., 31 (1999), pp. S402-S408
[6]
A.L. Peterson, M.A. Qureshi, P.R. Ferket, J.C. Fuller Jr..
Enhancement of cellular and humoral immunity in young broilers by dietary supplementation of β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate.
Immunopharmacol Immunotoxicol., 21 (1999), pp. 307-330
[7]
M. Vukovich.
The effect of dietary β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate (HMB) on strength gains and body composition changes in older adults.
FASEB Journal., 11 (1997), pp. 376-380
[8]
H.F. Ferreira, A.L.F. Rodacki, P. Gill, R. Tanhoffer, J. Fernandes Filho, L.C. Fernandes.
The effects of supplementation of β‐hydroxy‐β‐methylbutyrate on inflammatory markers in high performance athletes.
J Exerc Physiol Online, 16 (2013), pp. 53-63
[9]
D. Kuczera, H.H. Paro de Oliveira, S. Fonseca Guimarães Fde, C. de Lima, L. Alves, A.F. Machado, et al.
Bax/Bcl‐2 protein expression ratio and leukocyte function are related to reduction of Walker‐256 tumor growth after beta‐hydroxy‐beta‐methylbutyrate (HMB) administration in Wistar rats.
Nutr Cancer., 64 (2012), pp. 286-293
[10]
G.J. Slater, P.A. Logan, T. Boston, C.J. Gore, A. Stenhouse, A.G. Hahn.
Beta‐hydroxy beta‐methylbutyrate (HMB) supplementation does not influence the urinary testosterone: Epitestosterone ratio in healthy males.
J Sci Med Sport., 3 (2000), pp. 79-83
[11]
N. Petrone, M. Quaresimin, S. Spina.
A load acquisition device for the paddling action on Olympic kayak.
11th International Conference on Experimental Mechanics, pp. 817-822
[12]
J.P. Loures, H.R. Ferreira, R. Mendoça, R. Oliveira, P. Gill, L.C. Fernandes.
Correlations between performance and 4‐min maximum efforts in olympic kayaking athletes.
J Exerc Physiol Online, 17 (2014), pp. 34-41
[13]
D.A. Aitken, R.J. Neal.
An on‐water analysis system for quantifying stroke force characteristics during kayak events.
J Appl Biomech., 8 (1992), pp. 165-173
[14]
V. Billat, M. Faina, F. Sardella, C. Marini, F. Fanton, S. Lupo, et al.
A comparison of time to exhaustion at VO2 max in elite cyclists, kayak paddlers, swimmers and runners.
Ergonomics., 39 (1996), pp. 267-277
[15]
J. Sperlich.
Biomechanik.
Leistungs und trainingslehre kanusport., pp. 235-240
[16]
D. Bishop, D. Bonetti, B. Dawson.
The influence of pacing strategy on VO2 and supramaximal kayak performance.
Med Sci Sports Exerc., 34 (2002), pp. 1041-1047
[17]
K.A. Van Someren, G.R. Phillips, G.S. Palmer.
Comparison of physiological responses to open water kayaking and kayak ergometry.
Int J Sports Med., 21 (2000), pp. 200-204
[18]
R.V. Mann, J.T. Kearney.
A biomechanical analysis of the Olympic‐style flatwater kayak stroke.
Med Sci Sports Exerc., 12 (1980), pp. 183-188
[19]
P.J. Fitschen, G.J. Wilson, J.M. Wilson, K.R. Wilund.
Efficacy of β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate supplementation in elderly and clinical populations.
Nutrition., 29 (2013), pp. 29-36
[20]
A. Molfino, G. Gioia, F. Rossi Fanelli, M. Muscaritoli.
β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate supplementation in health and disease: A systematic review of randomized trials.
Amino Acids., 45 (2013), pp. 1273-1292
[21]
J.M. Wilson, R.P. Lowery, J.M. Joy, J.A. Walters, S.M. Baier, J.C. Fuller Jr., et al.
β‐Hydroxy‐β‐Methylbutyrate free acid reduces markers of exercise‐induced muscle damage and improves recovery in resistance‐trained men.
Br J Nutr., 110 (2013), pp. 538-544
[22]
M.J. Jones, P. Peeling.
A comparison of laboratory‐based kayak testing protocols.
Int J Sports Physiol Perform., 9 (2014), pp. 346-351
[23]
L.K. McDonnell, P.A. Hume, V. Nolte.
A deterministic model based on evidence for the associations between kinematic variables and sprint kayak performance.
Sports Biomech., 12 (2013), pp. 205-220
[24]
R. Vaquero-Cristóbal, F. Alacid, D. López-Plaza, J.M. Muyor, P.A. López-Miñarro.
Kinematic variables evolution during a 200‐m maximum test in young paddlers.
J Hum Kinet., 38 (2013), pp. 15-22
Copyright © 2016. Consejería de Turismo y Deporte de la Junta de Andalucía
Opciones de artículo
Herramientas
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.