Regístrese
Buscar en
Revista Andaluza de Medicina del Deporte
Toda la web
Inicio Revista Andaluza de Medicina del Deporte Patinação de velocidade in‐line: uma revisão sistemática
Información de la revista
Vol. 7. Núm. 4.
Páginas 162-169 (Diciembre 2014)
Compartir
Compartir
Descargar PDF
Más opciones de artículo
Visitas
2118
Vol. 7. Núm. 4.
Páginas 162-169 (Diciembre 2014)
Artigo de Revisão
DOI: 10.1016/j.ramd.2014.02.002
Open Access
Patinação de velocidade in‐line: uma revisão sistemática
Patinaje de velocidad en línea: una revisión sistemática
In‐line speed skating: A systematic review
Visitas
2118
T. Piucco, S.G. dos Santos, R.D. de Lucas
Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil
Este artículo ha recibido
2118
Visitas

Under a Creative Commons license
Información del artículo
Resumen
Texto completo
Bibliografía
Descargar PDF
Estadísticas
Tablas (3)
Tabela 1. Estratégia de busca utilizada nas bases de dados
Tabela 2. Modalidade e área investigada de cada estudo encontrado na busca #4
Tabela 3. Informações sobre os artigos com patinação in‐line incluídos na revisão
Mostrar másMostrar menos
Resumo

A patinação de velocidade in‐line é uma modalidade que está crescendo nos últimos anos, contudo, ainda é pouco estudada devido a dificuldade de ser reproduzida em laboratório. Neste artigo, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre o conhecimento, com base em investigações prévias desta modalidade esportiva. As consultas foram realizadas nas bases de dados LILACS, SCOPUS, PubMed, SciELO, Science Direct, Ovid e Google. Foram incluídos apenas estudos com humanos, publicados em inglês, português, italiano e francês sem restrição de ano de publicação. Do total de 143 artigos, 27 abordaram sobre patinação in-line, destes, 14 investigaram as variáveis fisiológicas, 8 as variáveis biomecânicas e 5 investigaram ambas. Seis estudos compararam as respostas fisiológicas durante a patinação com protocolos de corrida ou ciclismo; somente 2 verificaram a validade de um protocolo específico, para determinar indiretamente a capacidade aeróbica de patinadores de velocidade in-line. Os resultados dos estudos foram controversos e inconsistentes, revelando que existe a necessidade de investigar profundamente este esporte.

Palavras‐chave:
Patinação
Rendimento esportivo
Limiar anaeróbio
Resumen

El patinaje de velocidad sobre ruedas es una modalidad que ha crecido en los últimos años, pero que aún está poco estudiada debido a la dificultad de ser reproducida en laboratorio. En este artículo, fue realizada una revisión bibliográfica sobre el estado del conocimiento con base en las investigaciones ya realizadas acerca de esta modalidad deportiva. Fueron consultadas las bases de datos LILACS, SCOPUS, PubMed, SciELO, Science Direct, Ovid y Google. Se incluyeron estudios con humanos, publicados en inglés, portugués, italiano y francés, sin restricciones de año de publicación. De un total de 143 artículos, 27 tratan del patinaje sobre ruedas; de estos, 14 investigaron las variables fisiológicas, 8 las biomecánicas y 5 investigaron ambas variables. Seis estudios compararon la respuesta fisiológica durante el patinaje con protocolos de carrera o ciclismo; solamente 2 verificaron la validez de un protocolo específico para determinar indirectamente la capacidad aeróbica de los patinadores de velocidad sobre ruedas. Se pudo verificar que los resultados de los estudios fueron controvertidos e inconsistentes, lo cual revela que existe la necesidad de investigar más a fondo este deporte.

Palabras clave:
Patinaje
Rendimiento deportivo
Umbral anaeróbico
Abstract

The use of in‐line skates has become popular in recent years for recreational and conditioning purposes. Nevertheless, in‐line speed skating is not widely investigated yet, due to the difficulty to conduct specific tests under laboratory conditions. This study aimed to investigate the state of the art of in‐line speed skating researches. A systematic literature review on LILACS, Scopus, PubMed, SciELO, Science Direct, Ovid and Google was performed, including studies on human, which were published in English, Portuguese, Italian or French, with no restrictions related to the year of publication. From a total of 143 articles with skating, 27 investigated the in‐line skating, of which 14 investigated physiological variables, eight investigated biomechanical variables, and five investigated both variables. Six studies compared the physiological response during skating with running or cycling protocols and only two verified the validity of a specific protocol to indirectly determine the aerobic capacity of in‐line speed skaters. Finally, the results found were controversial and inconsistent, showing the need of more investigations about this sport.

Keywords:
Skating
Sport performance
Anaerobic threshold
Texto completo
Introdução

A patinação de velocidade in‐line tem se tornado cada vez mais popular no mundo todo, tanto a nível recreacional quanto competitivo, sendo disputada nos Jogos Pan Americanos, em competições mundiais e provas rústicas1–2. As provas de patinação acontecem tanto em pista quanto na rua, com distâncias de 200, 300, 500, 1.000, 1.500, 2.000, 3.000, 5.000, 10.000, 15.000, 20.000, 30.000, 42.000 e 50.000 metros, e são muito similares às competições de ciclismo, com efeitos de «vácuo», estratégias táticas individuais e por equipes, as quais são de extrema importância para o rendimento2.

Assim como nas demais modalidades de endurance, a performance na patinação de velocidade é influenciada pelas mudanças nos parâmetros fisiológicos ocasionadas pelo treinamento, como a potência aeróbia (VO2max), a capacidade aeróbia e anaeróbia (limiares de lactato), assim como parâmetros técnicos, tais como posição do tronco e ângulos dos membros inferiores3.

De acordo com Publow1, poucas investigações têm sido feitas com a patinação de velocidade, tanto no gelo quanto in‐line, provavelmente devido à dificuldade de reproduzir a prática em ambiente laboratorial, bem como as condições de variações ambientais necessárias para validar e reproduzir os dados deste esporte. A maioria das pesquisas tem investigado a patinação no gelo, enquanto outras fazem prescrição de treinos de patinação derivados de testes incrementais em ciclo ergômetro e esteira de corrida.

Para a determinação da resposta fisiológica durante testes laboratoriais é importante considerar o tipo do protocolo utilizado bem como a especificidade do ergômetro4–5. A cinética de produção e remoção de lactato sanguíneo, por exemplo, ocorre de maneira diferente de acordo com cada pessoa e em função do tipo de exercício, devido à quantidade de massa muscular envolvida5.

Por isso, a prescrição de treinos de patinação derivados de testes incrementais em ciclo ergômetro e esteira de corrida não parece apropriado6 e, muito provavelmente, não correspondem com a performance e não respeitam a especificidade da demanda fisiológica e biomecânica dessa modalidade. Além disso, a avaliação da qualidade metodológica dos estudos é fundamental para ponderar os resultados obtidos.

Dessa forma, considerando a crescente popularização e profissionalização da patinação in‐line, associada à importância de se entender as respostas fisiológicas e os padrões técnicos do gesto motor específico para a avaliação da performance, prescrição e controle do treinamento desta modalidade, formulou‐se a seguinte questão: quais são e de que forma estão sendo mensuradas e avaliadas as variáveis fisiológicas e biomecânicas relacionadas à performance de patinadores de velocidade in-line?

Para responder à referida questão, este estudo objetivou realizar uma revisão sistemática para explorar o estado da arte de estudos que investigaram as variáveis fisiológicas (índices relacionados ao desempenho aeróbio e anaeróbio) e biomecânicas (variáveis cinemáticas, cinéticas e eletromiografia) relacionadas à performance na patinação de velocidade in‐line em atletas competitivos.

Método

Foi realizada uma busca estratégica por meio do vocabulário estruturado Descritores em Ciência da Saúde (DeCS) para a busca na base de dados LILACS e o Medical Subject Headings (MeSH) para as bases de dados PubMed, Scopus, Science Direct, Ovid e Google, utilizando‐se uma combinação de descritores e excluindo da busca as áreas não pertinentes ao tema.

Critérios de inclusão

Foram considerados os estudos que investigassem os aspectos fisiológicos e biomecânicos da performance na patinação in‐line, publicado nas línguas inglesa, portuguesa, italiana e francesa, sem restrições quanto ao ano de publicação e faixa etária.

Critérios de exclusão

Foram excluídos os estudos clínicos e epidemiológicos; estudos que investigavam o acometimento de lesões; estudos que não objetivassem avaliar variáveis relacionada a performance na patinação (i. e. relacionados à qualidade de vida, nível de atividade física e saúde); estudos que investigassem a patinação artística ou skateboard.

Os termos da busca e a estratégia utilizada estão descritos passo a passo na tabela 1.

Tabela 1.

Estratégia de busca utilizada nas bases de dados

Busca  Estratégia 
#1  ((TITLE‐ABS‐KEY((skat*) AND (physiology OR lactate OR performance OR threshold OR vo2 OR incremental test OR anaerobic)) 
#2  (TITLE‐ABS‐KEY((skat*) AND (biomechanics OR emg OR kinematics OR kinetics OR dynamometry OR power OR technique)) 
#3  ((AND NOT (injury OR figure OR skateboard OR snowboard) AND (EXCLUDE(SUBJAREA (ceng OR soci OR psyc OR agri OR vete OR eart OR ener OR envi OR busi)) 
#4  (#1 OR #2) AND #3=Busca geral patinação 
#5  (TITLE‐ABS‐KEY(((“in‐line” OR inline OR roller) AND skat*) AND (biomechanics OR emg OR kinematics OR kinetics OR dynamometry OR power OR technique)) 
#6  (TITLE‐ABS‐KEY(((“in‐line” OR inline OR roller) AND skat*) AND (physiology OR lactate OR performance OR threshold OR vo2 OR incremental test OR anaerobic)) 
#7  (#5 OR #6) AND #3=Busca específica patinação in‐line 

As referências bibliográficas dos estudos incluídos na revisão foram revisadas para detectar estudos adicionais. Todos os estudos encontrados foram armazenados no programa gerenciador de referências bibliográficas End Note Web 3.5. Posteriormente, os títulos e os resumos foram analisados por 2 revisores que, de forma simultânea e independente, incluíram ou excluíram os estudos para a presente revisão, considerando os objetivos e os métodos dos estudos e os critérios de inclusão e exclusão; e extraíram as informações dos artigos incluídos. Para isso foi elaborada uma ficha de extração, incluindo as informações sobre o(s) autor(es), a disponibilidade de cada artigo (full, abstract, resumo expandido ou dissertação), o delineamento/tipo, país onde o estudo foi realizado, o número, o sexo, a faixa etária e o nível dos patinadores avaliados, a área de investigação (fisiologia ou biomecânica), as modalidades e as variáveis investigadas, o protocolo e o tratamento estatístico utilizado, assim como os resultados obtidos. Todas as divergências entre os avaliadores no processo de inclusão dos artigos e extração dos dados foram decididas posteriormente em uma reunião de consenso.

Devido à diversidade entre o delineamento, os métodos e as variáveis mensuradas nos estudos, não foi possível utilizar escalas pré‐definidas e validadas para a avaliação da qualidade metodológica dos artigos. Por isso, os protocolos de análise utilizados e os resultados de alguns dos trabalhos mais interessantes foram avaliados e discutidos de forma qualitativa.

Resultados

Foram encontrados mais de 300 artigos na busca #4. Destes foram definidos 143 artigos que investigavam aspectos da performance na patinação. Estes estão apresentados na tabela 2, de acordo com a modalidade de patinação e com a área de investigação de cada estudo (fisiologia, biomecânica ou ambos).

Tabela 2.

Modalidade e área investigada de cada estudo encontrado na busca #4

Modalidade  Número  Fisiologia  Biomecânica  Ambos 
In‐line  19 
Vel. In‐line x Vel. gelo   
Vel. In‐line x Corrida/ciclismo   
Vel. In‐line x Roller esqui   
Vel. gelo  42  12  20  10 
Vel. gelo x Corrida/Ciclismo  10 
Esqui cross‐country  17 
Hóquei em gelo  24  14 
Roller esqui 
Patinação (geral)   
Esqui (geral) 

Observa‐se na tabela 2 que a maioria das investigações foi realizada com patinação de velocidade no gelo, comparando ou não com demais modalidades (54 no total), seguida das investigações com hóquei no gelo (24) e esqui cross‐country (17). O domínio fisiológico da performance na patinação foi em geral mais investigado nos trabalhos, exceto para a modalidade de velocidade no gelo, onde o número de pesquisas relacionadas à biomecânica da performance é consideravelmente maior (20 versus 12).

Para a busca específica sobre patinação in‐line (busca #7), foram encontrados e incluídos 27 estudos no total. Na tabela 3 estão descritas as informações extraídas de cada estudo.

Tabela 3.

Informações sobre os artigos com patinação in‐line incluídos na revisão

Autor  Disp  País  N/sex/
nível 
Idade  Modalidade  Protocolo  Variáveis  Resultados 
Allinger et al.10  Full  CAN  n.a  n.a  Patinação
geral 
Otimização de modelo simulado  Duração, Vel, P e direção da passada  P méd Vel méd
n.o técnicas 
Baum et al.11  Full  ALE  8 M
Comp 
20,4±3,9  In‐line, roller esqui  Pista. Sub à 2mmol, 4mmol e máx.  VO2, FC, RER e [Lac]  Não houve dif. entre as modalidades 
Carroll et al.12  Abs  EUA  12 M
Comp 
n.i  In‐line, gelo  Pista. 3min sub à 12,5, 16,5, e 20km.h–1VO2, FC  VO2, FC na pat in‐line em todas as vel 
Cartwright13  Diss  CAN  10 M
Comp 
18‐23  In‐line, gelo 
Pista. Sub. à 20, 21,4 e 22,8km.h–1. Dif. rodas e rolamento 
VO2, FC  VO2 com rolamentos de semi‐precisão. VO2 e FC na pat in‐line 
De Boer et al.14  Full  HOL  8 M
Comp 
32,8±12,2  In‐line, gelo  Pista. Sup de 2.800VO2, VE, RER, FC, Vel, P, W, θ  RER, θ joelho e t de deslize e trajetória, t da passada, e vel ang do joelho na pat in‐line 
Droghetti et al.15  Full  ITA  2 n.i
Trein 
n.i  In‐line  Pista. Teste de Conconi adaptado  [Lac], PDFC  A vel PDFC coincidiu com o LAn 
Eils e Kupelwieser16  Exp  ALE  30 M
n.i 
30,3±In‐line  Pista. Sub à 18 e 24km.h–1  Pressão plantar, impulso  No segundo pico de pressão e no impulso na a 24km.h–1 
Foster17  Full  EUA  3 F; 7 M
Comp 
25,4±2,6  In‐line, ciclismo  Esteira e gelo. 4min sub à 19,8, 23,4 e 27km.h–1, e máx. Dif posições  VO2, FC, [Lac] e desaturação de O2Desaturação O2 posição abaixada; [Lac], FC eVO2 na pat in‐line 
Giorgi7  Exp  ITA  3 F; 3 M
Não trein 
14‐16  In‐line (programa de trein)  Step test, 3min  FC, P, W  Correl positiva entre FC de treino e P estimada 
Hoffman et al.18  Abs  EUA  10 M
n.i 
n.i  In‐line, roller esqui  Pista. 4min sub 14,6, 16,4, e 18,0km.h–1  VO2, FC  VO2 na técnica double pole. Sem dif entre V1 e in‐line 
Jerosch et al.19  Abs  ALE  8 M
n.i 
n.i  In‐line  Pista. Vel continua 15, 20 e 25km.h–1  Vibrações  Vibrações na vel 25km.h–1 
Krieg6  Full  ALE  8 M
Comp 
25±In‐line, cilismo  Pista. Incr. de 3km.h–1 a cada 3min c/inter de 1min  FC, VO2, [Lac], F arrasto  No VO2 e FC na pat in‐line a [4 mmol.l–1]. VO2 devido ao «vácuo» 
Mahar20  Full  EUA  7 F; 4 M
Trein 
21±In‐line, corrida  Esteira, vel preferida  Vibrações  Vibrações na pat in‐line 
Martinez et al.21  Abs  ESP  n.i
Comp 
n.i  In‐line, corrida, ciclismo  Pista. 3 testes incr. desc.
 
VO2, FC, [Lac], TE  VO2, FC, TE e [Lac] na corrida 
Melanson et al.9  Full  EUA  11 F; 8M
Não trein 
33,3±7,6
 
In‐line, corrida (progr de trein)  Esteira, incr. de 2% inc cada 2min  VO2  Similar no VO2 entre as modalidades 
Millet et al.22  Full  FRA  8 M
Não trein 
21,5±3,2  In‐line  Pista, 6min à 19,8 e 25,2km.h–1  VO2, FC  VO2 no vácuo a 19,8km.h–1 
Petrone23  Exp  ITA  1 M
Comp 
n.i  In‐line  Pista, n.i  F vertical e lateral nas rodas dos patins  F nas 2 primeiras rodas (reta) e no patim externo durante curvas 
Platen e Schaar8  Full  ALE  n.i
Não trein 
38,3±10,2  In‐line (progr de trein)  Pista. Incr de 3km.h–1 a cada 5‐6min  [Lac], FC, glicemia, HDL, LDL  HDL e capacidade de endurance. Glicemia 
Rundell24  Full  EUA  7 M
Comp 
18±2,6  In‐line, corrida  Esteira. Incr. de 4min e máx à 14,5km.h–1 com incl 1%/min, dif posições  VO2, [Lac],  VO2 e [Lac] na posição baixa durante patinação in‐line, quando comparada com posição alta, média e corrida 
Schindelwig et al.25  Exp  ÁUS  8 M
Não exper e exper 
n.i  In‐line  60min e 3min à 12km.h–1  Pressão plantar, atrito, duração da passada, VO2  Correl entre pressão plantar, VO2 e atrito do rolamento 
Shiratori e Latash26  Full  EUA  3 F; 5 M
Não exper 
20‐52  In‐line  Parado, mov de ombro bilateral e unilateral  AM e ajuste postural  AM do TA e SOL durante mov bilaterais sobre os patins 
Snyder et al.27  Abs  EUA  2 F; 7 M
Treinados 
n.i  In‐line, corrida, ciclismo  3‐6 testes sub a 30 e 90% do VO2maxVO2, FC, [Lac]  FC e VO2, na pat in‐line a [4mmol.l–1
Stoggl et al.28  Abs  ÁUS  13 (n.i)
Comp 
n.i  In‐line, esqui cross country  Pista. Tiros máximos de 100m.  θ, pressão plantar, AM  Vel, comp passada, AM e pico de força na bota utilizando a técnica double push no esqui cross country 
Thompson e Bélanger29  Abs  CAN  n.i  n.i  In‐line  30min
de patinação 
Vibração, reflexo H, força, AM  30% reflexo H, 10% CVM e propriocepção do tornozelo 
Wallick et al.30  Full  EUA  16 M
Não
trein 
24,8±5,7  In‐line, corrida  Pista. 3 testes c/incr. 1,6km.h–1 a cada 3min.  Gasto calórico, FC, VO2  FC, VO2 na patinação in‐line, gasto calórico semelhante 
Zapata31  Full  COL  30 M
Comp 
n.i  In‐line  Pista, incr. 0,8km.h–1 a cada 3.200m, int de 45s.  LV, FC, Vel, PDFC  Houve correlação entre os métodos LV e o PDFC para determinação da FC e da Vel 
Zeglinksi32  Full  EUA  5 M
Comp 
38±In‐line, esqui  Pista, slalom in‐line (5.° incl) e esqui (24.° incl)  AM de 7 músculos  AM do músculo eretor espinhal no esqui 

ALE: Alemanha; AM: ativação muscular; ÁUS: Áustria; CAN: Canadá; COL: Colômbia; ESP: Espanha; EUA: Estados Unidos da América; F: feminino; FC: frequência cardíaca; FRA: França; HOL: Holanda; incl: inclinação; incr: incremental; ITA: Itália; [Lac]: concentração de lactato sanguíneo; LV: limiar ventilatório; M: masculino; máx: máximo; n.a: não se aplica; n.i: não informado; P: potência; PDFC: ponto de deflexão da FC; RER: razão de trocas gasosas; sub: submáximo; VE: ventilação pulmonar; Vel: velocidade; VO2: consumo de oxigênio; θ: variáveis angulares.

Observa‐se na tabela 3 que grande parte dos estudos (14/27) investigaram variáveis relacionadas apenas as respostas fisiológicas da patinação in‐line, enquanto que 8/27 investigaram variáveis biomecânicas, e apenas 5 estudos investigaram ambas as variáveis.

Nenhum estudo de revisão foi encontrado sobre essa temática. A maioria dos estudos encontrados foram artigos originais do tipo transversal descritivo do tipo diagnóstico, sem intervenção ou grupo controle. Apenas os estudos de Giorgi7 e Platen e Schaar8 tiveram algum tipo de intervenção (treinamento), e somente o estudo de Melanson et al.9 teve intervenção e grupo controle.

Discussão

A partir dos resultados da busca #4, observou‐se um número expressivo de publicação com a modalidade de patinação de velocidade no gelo, o que pode estar relacionado ao fato desta modalidade ser uma das principais modalidades dos Jogos Olímpicos de Inverno, com um número expressivo de praticantes e equipes competitivas, especialmente no hemisfério norte.

Especificamente na patinação in‐line, alguns estudos foram realizados com patinadores de outras modalidades como atletas de hóquei12–13, esqui11,18,28,32 e de patinação no gelo14,17,24, que realizaram testes utilizando patins in‐line. Outros estudos compararam as respostas biomecânicas e fisiológicas máximas e submáximas na corrida9,20,24,27,30 ou ciclismo6,17,21,27,30 com a patinação in‐line, e 2 estudos investigaram a validade de testes específicos para avaliação da performance de patinadores in‐line15,31. Os restantes estudos encontrados investigaram a força e a pressão plantar gerada nos patins em diferentes situações16,19,23,25 e as adaptações neuromusculares em patinadores iniciantes22,29. Os estudos serão agrupados em tópicos específicos para a discussão, como segue.

Patinação in‐line versus esqui

Com intuito de comprar as demandas fisiológicas entre a patinação in‐line e roller esqui, Baum et al.11 compararam o consumo de oxigênio (VO2), a frequência cardíaca (FC), a razão de trocas gasosas (RER) e a concentração de lactato sanguíneo [Lac] de bi atletas nas intensidades submáximas de 2 e 4mmol.l e na velocidade máxima (VM), não encontrando diferenças entre a velocidade média atingida e entre as variáveis investigadas. Já Hoffman et al.18 não encontraram diferenças entre o VO2, FC durante a patinação in‐line convencional e a patinação cross‐country ‘V1’, enquanto que a técnica de roller esqui ‘double pole’ obteve VO2 menores nas 3 velocidades submáximas investigadas.

Com relação à investigação e comparação entre as variáveis biomecânicas, a técnica double‐push de patinação in‐line adaptada para o esqui cross‐country foi 2,9±2,2% mais rápida em relação a técnica convencional ‘V2’, mostrando ainda um aumento no comprimento e uma diminuição na frequência do ciclo da passada, seguido de uma maior ativação muscular, maiores amplitudes e velocidades de extensão do joelho, e maiores picos de forças e cargas laterais na bota, especialmente na fase inicial da propulsão28. Nas provas de slalom, a duração da fase de giro foi significativamente menor com patins in‐line do que com esquis e, de 7 músculos investigados, somente o eretor da espinha obteve maior ativação durante o esqui, provavelmente devido a menor velocidade atingida com patins in‐line32.

Os resultados deste estudo sugerem que a patinação in‐line pode ser uma alternativa válida para atletas de diferentes modalidades de esqui no gelo em períodos fora de estação, visto que possuem algumas semelhanças tanto técnicas quanto metabólicas, e que a técnica double‐push de patinação in‐line mostrou‐se mais eficiente e rápida do que a técnica convencional, e pode ser positivamente transferida para o esqui cross‐country.

Patinação in‐line versus patinação no gelo

Com relação às respostas fisiológicas durante testes de esforço submáximos em pista, os estudos mostram que a FC e o VO2 durante a patinação in‐line foram significantemente maiores do que na patinação no gelo, indicando um maior gasto metabólico na patinação in‐line12, tanto em pista de asfalto quanto concreto13. Entretanto, durante a avaliação em teste de esforço supra máximo, não foram encontradas diferenças significativas entre os valores pico de VO2, VE ou FC entre as modalidades, apenas a RER foi maior na patinação in‐line14.

A comparação entre as variáveis relacionadas à técnica mostrou que a potência produzida, o trabalho por passada, frequência de passada, efetividade da propulsão e os parâmetros angulares do quadril foram iguais entre a patinação de velocidade in‐line e no gelo; a VM atingida, a trajetória, o tempo da passada e a velocidade angular do joelho foram menores na patinação in‐line; o tempo de deslize e o ângulo do joelho na fase de deslize (7,5%) foram maiores na patinação in‐line14.

Os resultados dos estudos levam a crer que, apesar de possuírem características semelhantes, a transferência completa entre a patinação in‐line e no gelo é limitada, pois as diferenças em aspectos biomecânicos como a intensidade e tempo de aplicação de forças, manutenção de posturas e características cinemáticas lineares e angulares do movimento, levam a uma diferença na demanda fisiológica de cada modalidade. As diferenças foram mais evidenciadas nas intensidades submáximas, onde ocorre uma maior especificidade da participação dos sistemas energéticos e alterações nos principais índices fisiológicos, devido às alterações neuromusculares causadas por fatores como maiores forças de atrito, diferenças na ativação muscular devido à diferença na posição angular dos segmentos e alterações no fluxo sanguíneo dos membros inferiores, devido às altas forças intramusculares17.

Patinação in‐line versus ciclismo

Alguns dos estudos incluídos na revisão compararam as respostas fisiológicas máximas e submáximas em protocolos de patinação e em cicloergômetro. Os resultados de alguns estudos mostraram semelhanças entre os índices VO2max, FCmax, [Lac]6,21 e tempo de exaustão (TE)21 durante testes máximos, e no VO2 em testes submáximos27, enquanto outros mostraram diferenças tanto nas respostas máximas quanto submáximas nestes 2 modos de exercício6,17.

Foster et al.17 encontraram uma diminuição no VO2max, no VO2 a 4mmol.l–1, no débito cardíaco (DC) e no volume de ejeção, e um aumento na resistência vascular sistêmica na diferença arteriovenosa de O2 e no % de desaturação de O2 no músculo vasto lateral, durante testes máximos e submáximos de patinação in‐line na esteira em comparação com testes nas mesmas intensidades em cicloergômetro. Já no estudo de Krieg et al.6, durante um teste com cargas submáximas correspondentes a concentração de 4mmol.l–1, tanto o VO2 quanto a FC foram significativamente maiores durante a patinação in‐line, com uma alta variabilidade nos valores de FC.

A diferença nos protocolos adotados em cada estudo pode ter sido responsável pela diferença nos resultados. Foster et al.17 adotaram uma posição fixa de angulação de joelho durante os testes, com um protocolo com cargas submáximas e máximas com velocidades fixas e duração de 4 minutos; Snyder et al.27 adotaram cargas relativas ao VO2max; Martinez et al.21 adotaram cargas incrementais descontínuas até a exaustão, e Krieg et al.6 adotaram um protocolo incremental de esforço contínuo com duração de 3 minutos em cada carga. A falta de protocolos válidos para se avaliar as respostas máximas e submáximas na patinação pode ter causado a divergência entre os resultados.

As possíveis respostas às diferenças encontradas no teste em ciclo ergômetro são a redução da quantidade de ativação muscular durante o ciclismo comparado a patinação17. Por isso, os resultados encontrados nos estudos de Foster et al.17e Krieg et al.6 nos levam a crer que a utilização de testes em ciclo ergômetro para caracterizar a aptidão aeróbia de patinadores in‐line de alto nível ou para a prescrição de treinos não parece apropriado. Todavia, o ciclismo pode ser praticado pelos patinadores como um ótimo treino complementar, por provocar adaptações fisiológicas semelhantes às que ocorrem durante a patinação.

Patinação in‐line versus corrida

Semelhante ao ciclismo foram encontrados resultados divergentes entre os estudos que compararam a patinação in‐line e a corrida. Durante a patinação in‐line observou‐se uma diminuição no VO221,24,27, aumento na [Lac]21,24, diminuição na FC21,30 e no TE21, aumento na FC27 e gasto calórico semelhante30. A divergência entre os valores de FC entre os estudos de Martinez et al.21 e Snyder et al.27 pode estar atribuída ao protocolo adotado em cada estudo (3 testes descontínuos até a exaustão e de 3‐6 testes submáximos com cargas entre 30‐60% do VO2max, respectivamente). Não foi possível obter maiores detalhes sobre os protocolos, pois ambos os artigos ficaram restritos apenas a leitura dos resumos.

Um aumento similar do VO2max e TE entre corredores (9,3±1,3% e 14,9±2,5%, respectivamente, no teste de corrida em esteira) e patinadores in‐line ativos (6,6±1,0% e 9,1±3,4% no teste de corrida em esteira e 8,6±1,8% e 7,9±2,9% no teste de patinação em esteira) foi encontrado por Melanson, Freedson e Jungbluth9, após 9 semanas de treino para diferentes grupos em cada modalidade, com volume de 3 dias por semana, 20‐40min por sessão, 80‐90% FCmax, incluindo treino contínuo e intervalado. Os autores concluem que, para indivíduos ativos, melhoras similares no VO2max são alcançadas com programas tanto de corrida quanto de patinação que tenham volume e intensidade de treino equivalentes. Com objetivos similares, porém sem intervenção de treinamento, Wallick et al.30, apesar das diferenças entre FC e VO2, encontraram cargas metabólicas similares (inclinação da curva e intercepção no eixo y entre a relação FC/VO2) para a mesma FC em ambas as modalidades em sujeitos ativos.

Com relação às vibrações transmitidas para diferentes regiões corporais, os estudos mostram que tanto a frequência quanto a amplitude das vibrações, medidas por meio de acelerômetros, são cerca de 50% menores durante a patinação in‐line em comparação à corrida20. Ocorre um aumento da aceleração de acordo com o aumento da velocidade de patinação19 e o índice de atenuação da aceleração da tíbia até a cabeça ocorre nas mesmas proporções entre as modalidades (entre 73‐75%).

Por outro lado, outros estudos elucidam efeitos adversos advindos das forças e vibrações geradas durante a patinação in‐line. Após uma sessão de patinação de 30 minutos, Thompson e Bélanger29 encontraram uma inibição de 30% do reflexo de Hoffman, representado pela resposta elétrica do músculo sóleo ao estimulo elétrico na fossa poplítea, além de uma queda de 10% na CVM dos músculos flexores plantares uma redução de 50% da propriocepção do tornozelo dos sujeitos após a patinação. Outros autores encontraram valores de força de 2 vezes o peso corporal nas 2 primeiras rodas dos patins durante curvas23, e que as forças de pressão plantar aumentam e as forças de impulso diminuem com o aumento da velocidade16.

A partir dos resultados dos estudos, pode‐se concluir que, mesmo sendo a patinação in‐line um modo efetivo de exercício aeróbio, as adaptações ao treinamento para a patinação in‐line na concentração de 4mmol.l–1 de lactato pode não ser tão pronunciada quanto na corrida. Por isso, a fim de se obter medidas fidedignas que correspondam com a performance de patinadores in‐line, deve‐se realizar avaliações em testes específicos que reproduzam a demanda fisiológica dessa modalidade e não utilizar testes de corrida ou ciclismo para tal.

Como mostram os estudos, devido às menores cargas de impacto geradas durante o contato de cada pé no solo, a patinação in‐line é uma modalidade de exercício que pode ser utilizada para aqueles que desejam reduzir os impactos durante os treinos aeróbicos. Optar pela prática da patinação in‐line evita o acometimento de diversas lesões e degeneração articular causadas pelas cargas de impacto. Contudo, sabe‐se que determinada intensidade de carga de impacto é necessária para o remodelamento ósseo33.

Por isso, a prática da patinação in‐line deve ser complementada por atividades complementares que envolvam algum tipo de impacto ou cargas nas inserções ósseas, como por exemplo, corrida ou musculação. Além disso, deve ser enfatizada a execução correta da técnica e a utilização de rodas adequadas para cada condição de pista, a fim de absorver corretamente as vibrações geradas durante a patinação.

Posicionamento corporal na patinação in‐line

Na patinação de velocidade in‐line, os estudos mostram que a postura corporal grupada e a posição de flexão constante do joelho interferem no fluxo de sangue para os músculos da perna e do quadril17,24, diminuindo o VO2max24, o VO2, a FC, o volume sistólico (VS), e o DC17 e aumentando a [Lac]17,24 e a desaturação de O2 do músculo vasto lateral17. De acordo com Foster et al.17 e Rundell24, estas alterações ocorrem devido a uma restrição do fluxo sanguíneo sobre os membros inferiores, atribuída as altas forças intramusculares e ao longo ciclo da passada.

A partir desses resultados, pode‐se inferir que somente uma alta VO2max não garante sucesso na patinação de velocidade in‐line, visto que a postura adotada e a flexão constante do joelho interferem no fluxo de sangue para os músculos dos membros inferiores, e aumenta a importância do sistema enérgico da glicólise anaeróbia. O trabalho de força específica à composição das fibras musculares e a habilidade de tolerar e remover o lactato produzido são citadas como as variáveis mais importantes durante a patinação14.

Aparentemente, os estudos mostram que ocorre uma desvantagem fisiológica ao se adotar uma posição muito baixa de patinação. Porém, outros estudos com simulações e modelagem computacional sugerem que uma diminuição de 9° no ângulo do joelho resulta em uma melhora de 1s.volta–1 na velocidade34, ou seja, contrabalanceando a redução no VO2max. Por isso, com o auxílio das adaptações específicas adquiridas ao longo dos anos de treinamento, cada atleta deve encontrar sua posição ideal e otimizar os fatores biomecânicos e fisiológicos de maneira individualizada, a fim de atingir uma maior vantagem técnica sem, contudo, exaurir sua capacidade fisiológica.

Efeito do vácuo na patinação in‐line

Dois estudos procuraram investigar a eficiência do «vácuo» na patinação in‐line. O primeiro comparou as respostas fisiológicas durante um incremental de patinação em pista, no qual 2 atletas patinaram juntos durante 6 minutos, em 2 velocidades diferentes (30 e 33km.h–1)6. O efeito do «vácuo»apresentou uma redução de 15% sobre VO2 a 30km.h–1 e 14% a 33km.h–1. Estes resultados concordam com os encontrados no segundo estudo, por Millet et al.22 que, além da investigação em diferentes velocidades (19,8 e 25,2km.h–1), investigaram o efeito do «vácuo» em 2 distâncias de separação entre os patinadores (0,7 e 1,36 metros). O gasto energético dos patinadores foi reduzido em todas as condições de vácuo, porém, foi significativamente maior na menor velocidade, e não houve diferenças entre as condições de distância.

Os resultados de ambos os estudos mostram que o efeito do «vácuo» em reduzir o gasto metabólico é diminuído, provavelmente devido à dificuldade técnica em manter o sincronismo e uma posição aerodinâmica em altas velocidades. Estes efeitos são mais pronunciados durante as curvas6,22. Por isso, a técnica de «vácuo» deve ser enfatizada durante os treinos, principalmente para patinadores iniciantes, em altas velocidades e em curvas.

Efeito e controle do treinamento

Dois estudos incluídos na revisão investigaram os efeitos8‐9 e um estudo investigou mecanismos de controle do treinamento na patinação in‐line7. Giorgi7 utilizou somente o monitoramento da FC para estimar as cargas de treino em patinadores de alto nível, durante um programa de treinamento de 4 anos, com 6 patinadores com idade entre 14‐16 anos, no inicio do período de treinamento. O programa consistiu em 4‐7 sessões de treino de 90‐150min por semana. Durante o período competitivo os principais objetivos do treino foram VO2max e força, e nos demais períodos um programa padrão de treinamento foi realizado. Em todas as sessões de treinamento a FC foi registrada e a potência muscular foi calculada a cada mês por meio do step test (sobe e desce) com cadência constante. A relação entre FC e potência (W) foi utilizada para estimar o trabalho total realizado em cada sessão de treino. Foi encontrada uma correlação significante (>0,9) entre a FC e a W estimada durante os treinos, o que sugere que a FC pode ser utilizada para ter uma estimativa geral das cargas de treino e auxiliar os treinadores a investigar os efeitos reais do treinamento na patinação in‐line.

Para investigar os efeitos do treinamento, Platen e Schaar8 desenvolveram um modelo de programa de orientação individualizada de treinamento para patinadores in‐line, com duração de 111 dias e sem maiores informações sobre o volume e intensidades do treinamento, objetivando melhorar suas condições físicas, capacidade de endurance e prevenir a ocorrência de lesões. Foi realizada uma avaliação pré e pós‐intervenção, por meio de um teste incremental que iniciou a 10km.h–1, com incrementos de 3km.h–1 a cada 5‐6 minutos, com coletas de lactato sanguíneo em cada estágio. Os resultados mostraram uma melhoria da capacidade de endurance (aumento da velocidade correspondente à [Lac] de 4mmol.l–1 de 19,3 para 20,5km.h–1) e melhora do perfil lipídico dos participantes. Além disso, a técnica de patinação e de frenagem foi otimizada, reduzindo o acometimento de lesões.

Melanson, Freedson e Jungbluth9 também identificaram melhorias no condicionamento cardiorrespiratório, causadas por treinos de patinação in‐line, com volume de 3 dias por semana, 20‐40 minutos por sessão, a 80‐90% da FCmax, incluindo treinos contínuos e intervalados. Após 9 semanas, por meio de um protocolo incremental em esteira com estágios de 2 minutos, que iniciava em 2% de inclinação com incrementos de 2%, os autores observaram aumentos significativos no VO2max e no tempo de exercício nos patinadores (8,6±1,8% e 7,9±2,9% respectivamente), na mesma proporção da melhora ocorrida com um grupo de corredores que seguiram um volume e intensidade de treino equivalente.

Ambos os modelos de treinamento utilizados nos estudos de Platen e Schaar8 e Melanson, Freedson e Jungbluth9 demostraram melhorias significativas da performance em patinadores não treinados, e sugerem que estes programas em grande escala auxiliam na prevenção de lesões e doenças e providenciam a saúde e o bem estar, além de serem bem aceitos pela população. Confirmando estes pressupostos, de acordo com Wallick et al.30, a intensidade de treino na patinação in‐line entre 17,2‐30km.h–1 corresponde a 60‐70% do VO2max ou 75‐90% da FCmax e gasto calórico de 9,5‐19kcal.min–130, e estão dentro das recomendações da ACSM.

Porém, a comparação entre os resultados dos estudos fica comprometida devido à divergência entre os protocolos de avaliação utilizados, bem como a falta da utilização de um protocolo específico, validado para tal. No estudo de Giorgi7, a utilização do step‐test para as estimativas de potência muscular, baseada na FC, torna‐se um método muito subjetivo e duvidoso, pois não corresponde com a especificidade do movimento de patinação e não estima diretamente os índices desejados. Por isso, este método deve ser utilizado com cautela quando o objetivo é estimar as cargas de treinos e não deve ser utilizado para a prescrição, controle ou investigação das adaptações específicas causadas pelo treinamento em patinadores in‐line.

Avaliação da performance na patinação in‐line

Dos estudos encontrados na literatura, os únicos que objetivaram investigar a validade de testes para avaliação da performance de patinadores in‐line foram os de Droguetti et al.15 e Zapata31.

Droguetti et al.15 aplicaram o protocolo de Conconi et al.35 adaptado, determinaram a relação entre a velocidade e a FC em diferentes modalidades, incluindo patinação in‐line. Foi observada uma relação linear no aumento da velocidade e da FC até uma determinada velocidade submáxima, correspondente ao ponto de deflexão da FC (PDFC), a partir da qual o aumento na intensidade excedeu o aumento na FC. Os autores investigaram ainda a [Lac] em 2 patinadores, durante patinação em velocidades constantes (3 velocidades abaixo e 3 acima da velocidade correspondente ao PDFC), sustentadas por uma distância de 2.000m, com coleta de sangue venoso ao final do teste e 5 minutos após. Os resultaram mostraram que o limiar anaeróbio (LAn) coincidiu com a velocidade correspondente ao PDFC.

Zapata31 objetivou verificar a validade de um protocolo incremental máximo e intervalado, em pista, para avaliar a capacidade aeróbia de patinadores in‐line. O LAn foi determinado de forma indireta, por meio do limiar ventilatório (LV), do PDFC e da VM atingida, utilizando o método contínuo de Conconi et al.35 e o método intervalado de Probst36. O protocolo foi aplicado em 30 patinadores e teve inicio a uma velocidade de 24km.h–1, com incrementos de 0,8km/h–1 a cada 4 voltas completas na pista (800m), e uma pausa de 45s entre cada incremento. O tempo médio de duração do teste foi de 44,18 minutos, percorrendo uma distância de aproximadamente 14km. O VO2max médio do grupo foi 55,52±1,2ml.kg–1.min–1, a FCmax 194,86±0,99bpm e a VM de 34,31±0,31km.h–1. Pelo método LV e PDFC, a FC no limiar foi de 178,77±1,12 e 177,54±1,08bpm, respectivamente, e a velocidade no limiar (Vel) foi de 30,43±0,27 e 29,91±0,3km.h–1. Houve uma correlação entre os valores de LAn determinados pelo LV e PDFC, tanto pela FC (r=0,91) quanto pela Vel (r=89). A FC e a Vel no LV corresponderam a 91,91±0,46 e 88,76±0,4%, enquanto no PDFC corresponderam a 91,12±0,43 e 87,18±0,42%, respectivamente.

Apesar das evidências dos protocolos propostos serem válidos para determinar indiretamente o LAn dos patinadores in‐line, o estudo de por Droguetti et al.15 não teve um número representativo de sujeitos e ambos não seguiram os procedimentos necessários para análise de reprodutibilidade e posterior validação concorrente, com a determinação direta do LAn. Os testes realizados em pista podem ser considerados mais fidedignos à situação real, já que respeitam ao máximo o princípio da especificidade. Porém, em laboratório é possível ter o controle necessário para se obter medidas diretas das respostas fisiológicas durante a patinação e avaliar a influência de variáveis isoladas sobre a performance2.

Considerações finais

Mesmo com a crescente popularidade e do grande número de competições existentes, poucas investigações têm sido conduzidas com patinação de velocidade in‐line. A maioria dos estudos procurou relacionar a patinação in‐line com a patinação e esqui no gelo, por se tratar de uma modalidade alternativa de treino para os atletas fora da estação, ou comparou as respostas fisiológicas obtidas em protocolos de corrida ou cicloergômetro.

Os estudos encontrados mostram resultados divergentes, o que aponta para a necessidade de maiores investigações controlada e com testes que sejam específicos para avaliação de patinadores, visto que a utilização de outros modos de exercício não traz resultados confiáveis. Apenas 2 estudos buscaram validar um protocolo específico para determinar a aptidão aeróbia de patinadores de velocidade in‐line. No entanto, estes estudos mostram uma metodologia inconsistente e não condizente com o processo de validação de testes.

Poucos estudos investigaram simultaneamente os aspectos fisiológicos e biomecânicos da performance na patinação de velocidade in‐line, talvez devido à complexidade em realizar as coletas de dados em campo. Este tipo de investigação é fundamental para avalição da performance e deve ser melhor explorada em estudos futuros. A pouca quantidade de estudos encontrados, bem como a diversidade das variáveis mensuradas e do tipo amostral limitou a utilização de escalas pré‐definidas e validadas para a avaliação da qualidade metodológica dos artigos, bem como a realização da meta análise dos resultados, para estabelecer evidências mais consistentes.

No geral os resultados apontam a patinação in‐line como sendo de alta intensidade em termos de demanda energética e de alto nível de complexidade em termos de movimento. Por isso, a patinação pode ser utilizada tanto para âmbitos recreacionais, para promoção da saúde, lazer e desenvolvimento de habilidades motoras, quanto para o treinamento esportivo, como opção alternativa para atletas de modalidades de endurance como triathlon. Necessita‐se também a elaboração de testes específicos para avaliação da performance, prescrição e controle do treinamento na patinação de velocidade, a fim de contribuir para o crescimento e profissionalização dessa modalidade.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Referências
[1]
Speed on Skates: a complete technique, training, and racing guide for in‐line and ice skaters,
[2]
C. Foster, J.J. DeKoning, K.W. Rundell, A.C. Snyder.
Physiology of Speed Skating.
Exercise and Sport Science, 1st ed., pp. 885-895
[3]
J.J.D.E. Koning, G.J.V.I. Schenau.
Biomechanics in sport performance enhancement and injury prevention.
Performance‐Determining Factors in Speed Skating, pp. 232-245
[4]
D.J. Bentley, J. Newell, D. Bishop.
Incremental exercise test design and analysis.
Sports Med., 37 (2007), pp. 575-586
[5]
R. Beneke.
Dependence of the maximal lactate steady state on the motor pattern of exercise.
Br J Sports Med., 35 (2001), pp. 192-196
[6]
A. Krieg, T. Meyer, S. Clas, W. Kindermann.
Characteristics of inline speedskating ‐ Incremental tests and effect of drafting.
Int J Sports Med., 27 (2006), pp. 818-823
[7]
Giorgi C. Evaluation of roller skating training loads using heart rate. In: Sanders RH, Gibson BJ, editors. ISBS 1999. 17 Proceedings of the 17th International Symposium on Biomechanics in Sports; 1999 Jun 30‐Jul 6; Perth, Australia. 1999.
[8]
P. Platen, B. Schaar.
How to carry out a health‐orientated marathon training programme for running and inline skating.
Eur J Cardiovasc Prev Rehabil., 10 (2003), pp. 304-312
[9]
E.L. Melanson, P.S. Freedson, S. Jungbluth.
Changes in VO2max and maximal treadmill time after 9 wk of running or in‐line skate training.
Med Sci Sports Exerc., 28 (1996), pp. 1422-1426
[10]
T.L. Allinger, A.J. van den Bogert.
Skating technique for the straights, based on the optimization of a simulation model.
Med Sci Sports Exerc., 29 (1997), pp. 279-286
[11]
K. Baum, S. Hoy, F. Fischer, D. Leyk, O. Schmidt, D. Eßfeld.
Comparison between the physiological response to roller skiing and in‐line skating in biathletes.
Med Sci Sports Exerc., 31 (1999), pp. 595-598
[12]
T.R. Carroll, D. Bacharach, J. Kelly, E. Rudrud, P. Karns.
Metabolic cost of ice and in‐line skating in Division I collegiate ice hockey players.
Can J Appl Physiol., 18 (1993), pp. 255-262
[13]
S.A. Cartwright.
The effect of surface, wheel, and bearing type on the physiological response of in‐li ne skating [dissertation].
Faculty of Education McGill University, (1994),
[14]
R.W. De Boer, E. Vos, W. Hutter, G. de Groot, G.J. van Ingen Schenau.
Physiological and biomechanical comparison of roller skating and speed skating on ice.
Eur J Appl Physiol Occup Physiol., 56 (1987), pp. 562-569
[15]
P. Droghetti, C. Borsetto, I. Casoni, M. Cellini, M. Ferrari, A.R. Paolini, et al.
Noninvasive determination of the anaerobic threshold in canoeing, cross‐country skiing, cycling, roller and iceskating, rowing, and walking.
Eur J Appl Physiol., 53 (1985), pp. 299-303
[16]
Eils E, Kupelwieser C. Pressure distribution in inline skating straights with different speeds. In: Riehle HJ, Vieten MM, editors. ISBS 1998. Proceedings of the 16th International Symposium on Biomechanics in Sports; 1998 Jul 21‐25 Konstanz, Germany. 1998.
[17]
C. Foster, K.W. Rundell, A.C. Snyder, J. Stray-Gundersen, G. Kemkers, N. Thometz, et al.
Evidence for restricted muscle blood flow during speed skating.
Med Sci Sports Exerc., 31 (1999), pp. 1433-1440
[18]
M.D. Hoffman, G.M. Jones, B. Bota, M. Mandli, P.S. Clifford.
In‐line skating: Physiological responses and comparison with roller skiing.
Int J Sports Med., 13 (1992), pp. 137-144
[19]
J. Jerosch, J. Heidjahn, L. Thorwesten.
Joint‐load in inline‐skating ‐ A biomechanical study.
Sportverletzung Sportschaden., 12 (1998), pp. 47-53
[20]
A.T. Mahar, T.R. Derrick, J. Hamill, G.E. Caldwell.
Impact shock and attenuation during in‐line skating.
Med Sci Sports Exerc., 29 (1997), pp. 1069-1075
[21]
M.L. Martinez, A. Modrego, J. Ibanez Santos, A. Grijalba, M.D. Santesteban, E.M. Gorostiaga.
Physiological comparison of roller skating, treadmill running and ergometer cycling.
Int J Sports Med., 14 (1993), pp. 72-77
[22]
G.P. Millet, R. Geslan, R. Ferrier, R. Candau, A. Varray.
Effects of drafting on energy expenditure in in‐line skating.
J Sports Med Phys Fitness., 43 (2003), pp. 285-290
[23]
N. Petroni.
Acquisition and analysis of ground reaction forces and foot orientation on in‐line skates during track speed skating.
J Biomec., 40 (2007), pp. S2
[24]
K.W. Rundell.
Compromised oxygen uptake in speed skaters during treadmill in‐line skating.
Med Sci Sports Exerc., 28 (1996), pp. 120-127
[25]
K. Schindelwig, F. Bichteler, M. Faulhaber, W. Nachbauer.
Comparison of inline skates regarding plantar pressure and oxygen uptake. ICMSH.
Proceedings of the 3rd International Congress of Mountain, Sport & Health,
[26]
T. Shiratori, M. Latash.
The roles of proximal and distal muscles in anticipatory postural adjustments under asymmetrical perturbations and during standing on rollerskates.
Clin Neurophysiol., 111 (2000), pp. 613-623
[27]
A.C. Snyder, K.P. O’Hagan, P.S. Clifford, M.D. Hoffman, C. Foster.
Exercise responses to in‐line skating: Comparisons to running and cycling.
Int J Sports Med., 14 (1993), pp. 38-42
[28]
T. Stoggl, E. Muller, S. Lindinger.
Biomechanical comparison of the double‐push technique and the conventional skate skiing technique in cross‐country sprint skiing.
J Sports Sci., 26 (2008), pp. 1225-1233
[29]
C. Thompson, M. Bélanger.
Effects of vibration in inline skating on the Hoffmann reflex, force, and proprioception.
Med Sci Sports Exerc., 34 (2002), pp. 2037-2044
[30]
M.E. Wallick, J.P. Porcari, S.B. Wallick, K.M. Berg, G.A. Brice, G.R. Arimond.
Physiological responses to in‐line skating compared to treadmill running.
Med Sci Sports Exerc., 27 (1995), pp. 242-248
[31]
Zapata MREL. Evaluación de la cualidad aeróbica del patinador de velocidad sobre ruedas, por medio un test específico de campo. Spagatta Magazine. 2009. [consultado 31 Jul 2007]. Disponível em: http://www.spagatta.com/pdf/articulos/med/evaluacion_calidad_aerobica.pdf
[32]
C.M. Zeglinksi, S.C. Swanson, B.P. Self, R.M. Greenwald.
Muscle activity in the slalom turn of alpine skiing and in‐line skating.
Int J Sports Med., 19 (1998), pp. 447-454
[33]
B.M. Nigg, G.K. Cole, G.P. Bruggerman.
Impact forces during heel‐toe running.
J Appl Biomech., 11 (1995), pp. 407-432
[34]
J.J. DeKoning, R.W. DeBoer, G. DeGroot, G.J. van Ingen Schenau.
Push off force in speed skating.
Int J Sport Biomech., 3 (1987), pp. 103-109
[35]
F. Conconi, M. Ferrrari, P.G. Ziglio, P. Droghetti, L. Codeca.
Determination of the Anaerobic threshold by a noninvasive field test in runners.
J Appl Physiol., 152 (1982), pp. 869-873
[36]
H. Probst.
Test par intervalles pour foorballeurs.
Rev Macolin., 5 (1989), pp. 7-9
Copyright © 2013. Consejería de Educación, Cultura y Deporte de la Junta de Andalucía
Opciones de artículo
Herramientas
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.