Regístrese
Buscar en
Revista Portuguesa de Saúde Pública
Toda la web
Inicio Revista Portuguesa de Saúde Pública Os muito idosos do concelho de Coimbra: avaliação da funcionalidade na área d...
Journal Information
Vol. 34. Issue 2.
Pages 163-172 (May - August 2016)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
2851
Vol. 34. Issue 2.
Pages 163-172 (May - August 2016)
Artigo original
DOI: 10.1016/j.rpsp.2016.05.002
Open Access
Os muito idosos do concelho de Coimbra: avaliação da funcionalidade na área de saúde física
The oldest old from Coimbra: Assessment of functionality in the physical health area
Visits
2851
Rogério Manuel Clemente Rodriguesa,
Corresponding author
rogerio@esenfc.pt

Autor para correspondência.
, Zaida de Aguiar Sá Azeredob, Isabel Margarida Marques Monteiro Dias Mendesa, Sandrina Sofia da Silva Crespoa, Cristiana Filipa Ribeiro da Silvaa
a Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem, Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra, Portugal
b Escola Superior de Saúde Jean Piaget, Instituto Piaget, Viseu, Portugal
This item has received
2851
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Tables (7)
Tabela 1. Distribuição segundo referência a consulta médica, período de doença, internamento (nos últimos 6 meses) e necessidade de mais cuidados médicos
Tabela 2. Distribuição segundo as doenças referidas por sexo, grau de limitação, que provocam interferência nas atividades e receita de medicamentos
Tabela 3. Distribuição segundo a perceção do estado de visão
Tabela 4. Distribuição segundo a perceção do estado de audição
Tabela 5. Distribuição segundo a prática de atividade física
Tabela 6. Distribuição segundo a autoavaliação de saúde física
Tabela 7. Distribuição segundo a pontuação do modelo OARS na área de saúde física
Show moreShow less
Resumo
Contexto

Concomitante com o processo de envelhecimento existe um declínio da saúde física dos indivíduos, por interação de inúmeros fatores, interferindo com as suas atividades de vida diária e qualidade de vida. Desta forma, é essencial promover uma avaliação multidimensional que permita identificar esses fatores e intervir precocemente.

Objetivo

Avaliar a capacidade funcional na área de saúde física da população com idade75 anos do concelho de Coimbra.

Método

Estudo quantitativo, descritivo e correlacional, com amostra probabilística (estratificada por sexo, idade e área de residência), constituída por 1.153 indivíduos. Foi utilizado o Questionário de Avaliação Funcional Multidimensional para Idosos. A avaliação da área de saúde física comporta o número de consultas médicas, a prescrição de medicamentos, as patologias referidas e sua interferência nas atividades, a autoperceção da visão e audição, o consumo de álcool, a prática de atividade física e a autoavaliação da saúde física.

Resultados

Relativamente às consultas médicas, 89,5% dos participantes (90,0% dos homens e 89,2% das mulheres) referiram ter tido pelo menos uma consulta, num período de 6 meses. A hipertensão arterial foi a patologia mais referida (51,6%), seguida da artrite ou reumatismo (49,5%).

Quanto à visão e audição, 24,8 e 26,8%, respetivamente, responderam que estava mal. As mulheres e os participantes85 anos são os que avaliam a sua saúde física mais negativamente.

Conclusão

O conhecimento da capacidade funcional produzido nesta área de estudo, conjugado com a rede de cuidados de saúde primários, pode ser útil no rastreio, no encaminhamento e na resolução de situações de incapacidade.

Palavras‐chave:
Envelhecimento da população
Avaliação geriátrica
Saúde do idoso
Abstract
Context

Concurrent with the aging process there is a decline of the individuals’ physical health, by the interaction of numerous factors, which interferes with their activities of daily living and quality of life. Thus, it is essential to promote a multidimensional assessment to identify those factors and intervene early.

Objective

To assess the functional status in physical health area of individuals aged 75 years old or more from Coimbra.

Method

Quantitative, descriptive and correlational study with a random sample (stratified by gender, age and area of residence), composed by 1153 individuals. The questionnaire used was the Questionário de Avaliação Funcional Multidimensional para Idosos. The evaluation of physical health area involves number of physician visits, prescribed drugs, pathologies mentioned and their interference with activities, self‐evaluation vision and hearing, consumption of alcohol, and self‐rated physical health.

Results

In a period of six months, 89.5% of participants (90.0% men and 89.2% women) reported having had at least one physician visit. Hypertension was the most referred pathology (51.6%), followed by arthritis or rheumatism (49.5%).

As for vision and hearing, 24.8% and 26.8%, respectively, answered that was poor. The women and individuals ≥85 years evaluated more negatively their physical health.

Conclusion

The knowledge of the functional capacity produced in this study area, conjugated with primary health care network, may be useful for screening, routing and addressing situations of disability.

Keywords:
Demographic aging
Geriatric assessment
Elderly health
Full Text
Introdução

Nas sociedades contemporâneas, a um nível global, observa‐se uma diminuição das taxas de mortalidade com aumento da esperança média de vida e uma diminuição nas taxas de fecundidade, repercutindo‐se numa transição demográfica marcada, com envelhecimento populacional1.

Em Portugal, o índice de envelhecimento é, de acordo com os dados publicados no ano de 2013 pelo Instituto Nacional de Estatística2, de 131 pessoas idosas (65 anos) por cada 100 jovens (0‐14 anos), sendo a esperança média de vida de 79,8 anos2. Este fenómeno é mais acentuado nas mulheres, refletindo a sua maior longevidade2, e no grupo dos muito idosos (idade85 anos), constituindo estes 12,0% da população em países desenvolvidos1.

O envelhecimento demográfico está associado a um aumento da incapacidade, amplificando os custos em saúde. Como tal, é fundamental criar condições de saúde, sociais e económicas, para que a pessoa possa permanecer autónoma e independente o maior número de anos possível1.

Neste contexto, desenvolvemos em Coimbra, o projeto Os muito idosos: estudo do envelhecimento em Coimbra, PTDC/CS‐SOC/114895/2009, com o intuito de avaliar a capacidade funcional e a utilização, e necessidade sentida de serviços de saúde e de apoio social pelos indivíduos com idade75 anos.

O conceito de capacidade funcional reporta‐se à capacidade da pessoa para desenvolver as atividades essenciais ao seu bem‐estar, integrando os domínios biológico, psicológico e social3. Desta forma, é fundamental que a sua avaliação seja multidimensional e orientada para os 3 domínios. Contrariamente, a incapacidade funcional pode ser definida como a incapacidade ou dificuldade em realizar as atividades diárias, podendo estar relacionada com a saúde física, psicológica, social, económica ou de recursos, impossibilitando uma vida independente.

É neste pressuposto que assenta a avaliação multidimensional da pessoa idosa e, por sua vez, o presente estudo. Foi utilizado o Questionário de Avaliação Funcional Multidimensional para Idosos (QAFMI)4,5, que abrange as áreas determinantes para a saúde e, por conseguinte, para a capacidade funcional do idoso, nomeadamente recursos sociais, recursos económicos, saúde física, saúde mental e atividades de vida diária.

No presente artigo pretendemos descrever a avaliação da capacidade funcional na área de saúde física, colocando em evidência as diferenças entre sexos e grupos etários, por ser uma das áreas em que a intervenção dos técnicos de saúde é mais notória e em que o seu papel é determinante no rastreio, cuidado e encaminhamento das situações em que necessitam de serviços de saúde.

Enquadramento

A avaliação da saúde física da pessoa idosa implica o reconhecimento da coexistência de uma multiplicidade de fatores que acompanham o processo de envelhecimento e da possibilidade de interações entre estes6.

As pessoas idosas são mais suscetíveis à incapacidade, refletindo a acumulação de fatores de risco durante o seu percurso de vida. Estima‐se que 46,0% das pessoas com mais de 60 anos apresentem incapacidade, sendo as principais causas a diminuição da acuidade visual e auditiva, a demência e a osteoartrite7. Muitas destas condições são altamente incapacitantes e poderiam ser prevenidas, ou pelo menos retardado o seu aparecimento, de forma a manter a capacidade funcional e qualidade de vida o maior número de anos possível.

Um dos aspetos característicos da incapacidade na população idosa é a existência de «multimorbilidade», ou seja, de coexistirem múltiplas doenças no mesmo indivíduo8. Este facto aumenta de forma significativa o risco do idoso vir a necessitar de cuidados de longa duração num período de 5 anos, sendo a demência e o acidente vascular cerebral (AVC) aqueles que são mais fortemente correlacionados com este risco9.

A apresentação da multimorbilidade, e do padrão de doenças associadas, difere de forma significativa entre sexo e idade. As mulheres apresentam uma maior prevalência de patologias do foro musculoesquelético, nomeadamente osteoartrose e osteoporose, do foro psiquiátrico (depressão e ansiedade), apresentam mais frequentemente diminuição da acuidade visual e incontinência. Os homens são mais frequentemente acometidos por doença cardiovascular e metabólica (diabetes, obesidade, hipertensão, insuficiência cardíaca congestiva, entre outras)10,11. Nos indivíduos mais idosos (85 anos) ocorre mais frequentemente doença cerebrovascular, insuficiência cardíaca, demência e osteoporose10,11.

Também a utilização dos cuidados de saúde, nomeadamente de consultas médicas, difere entre homens e mulheres, observando‐se que a probabilidade de não consultar o médico num período de 3 meses é superior para os homens e que a proporção de mulheres que procuram o médico entre 1‐6 vezes é superior, denotando‐se uma tendência para atrasar a procura de ajuda médica por parte dos homens12.

Apesar das diferenças individuais e da multiplicidade de diagnósticos, o paradigma dominante dos cuidados de saúde contemporâneos permanece focado na abordagem de cada doença em separado, resultando em problemas de articulação entre os profissionais dos cuidados de saúde primários e especializados, com prejuízo para a pessoa13.

É no sentido de mudar o paradigma atual que surgem as medidas de avaliação multidimensionais, tal como a metodologia e instrumento utilizado no presente estudo, pois estas têm em consideração a multiplicidade de diagnósticos de saúde a que os idosos estão sujeitos6,14.

MetodologiaTipo de estudo

Trata‐se de um estudo quantitativo de tipo descritivo e correlacional, realizado no concelho de Coimbra.

População e amostra

Definimos como população‐alvo os utentes com idade75 anos (a 31 de dezembro de 2011) inscritos e residentes na área geográfica de abrangência dos 6 centros de saúde do concelho de Coimbra, pertencentes ao Agrupamento de Centros de Saúde Baixo Mondego.

A constituição da amostra baseou‐se nos dados disponibilizados pela Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) relativamente à população alvo. Segundo os dados, a população total era constituída por 16.474 indivíduos. Tendo em conta o tempo e os recursos disponíveis para a recolha de dados, definimos como tamanho da amostra 7,0% da população, representando 1.153 participantes.

De forma a estratificar a amostra, subdividimos o ficheiro de acordo com: sexo, grupos etários (74‐84 e ≥85) e área de residência (centro de saúde). A seleção da amostra foi efetuada, em cada estrato, mediante seleção aleatória simples, segundo a ordem aleatória das bases de dados fornecidas pelos centros de saúde.

Para alcançar o nosso objetivo foram realizados 2.175 contactos. Destes, 1.022 (47,0%) não participaram no estudo maioritariamente devido a contactos erróneos (41,4%), recusas (21,4%) ou óbito (12,7%). Quando ocorria uma destas situações o potencial entrevistado era substituído por outro com as mesmas características, respeitando a aleatoriedade da amostra definida.

Procedimentos para a recolha de dados

Antes do início da recolha de dados foi realizada uma sessão de esclarecimento em cada centro de saúde abrangido pelo estudo com os profissionais de saúde, de forma a informar acerca dos objetivos e procedimentos de recolha de dados.

O primeiro contacto foi realizado pelo enfermeiro do centro de saúde, tal como solicitado pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD). Este informava o utente sobre o estudo e questionava sobre o seu interesse em participar. Assim sendo, a recolha de dados foi realizada através de entrevista estruturada, maioritariamente no domicílio, mas também nos centros de saúde, pelas bolseiras de investigação, com uma duração média de 47,38 minutos (σ=15,661). Esta fase decorreu de junho de 2012 a outubro de 2013.

Instrumento de recolha de dados

O instrumento de recolha de dados utilizado foi a versão validada em português europeu do Older Americans Resources and Services (OARS), o QAFMI4,5. Este é um instrumento multidimensional com qualidades reconhecidas na área da saúde, desenvolvido especificamente para idosos, cujas características lhe permitem desempenhar um papel no estudo desta população, auxiliando na identificação de problemas e orientando intervenções15. O QAFMI/OARS é constituído apenas por perguntas fechadas e, atendendo às características da população alvo, o limite máximo de apelo à memória é de 6 meses e o mínimo de um mês.

O questionário inicia‐se pela caracterização sociodemográfica e pelo Short Portable Mental Status Questionnaire (SPMSQ)16. Este último é composto por 10 questões e pretende avaliar a função cognitiva, determinando se o idoso é idóneo para responder ao questionário ou se é necessário recorrer a um informante. A determinação da idoneidade é realizada através do somatório das respostas incorretas. No presente estudo, tendo em conta a idade dos entrevistados, ficou definido que o participante estaria idóneo a responder ao questionário se o número de respostas incorretas fosse até 5 e não as 4 habitualmente definidas como critério de exclusão, decisão esta decorrente dos trabalhos originais de Pfeiffer16 e de Fillenbaum17, bem como na utilização dos estudos de validação e aplicação para a população portuguesa4–6,18.

Em termos de estrutura, o QAFMI/OARS é composto fundamentalmente por 2 partes. A parte A (70 questões) corresponde à avaliação funcional das áreas de recursos sociais, recursos económicos, saúde mental, saúde física e AVD. A parte B recolhe informação sobre a utilização, nos últimos 6 meses, de 6 conjuntos de serviços, nomeadamente, serviços de saúde, de avaliação e coordenação, não classificados, de apoio geral, de apoio económico, e sociais e recreativos, num total de 23 serviços.

A avaliação da área de saúde física, apresentada no presente artigo, engloba 20 questões, correspondendo ao grupo entre a 37.a e a 55.a questão.

O primeiro grupo de questões (37‐40) corresponde à análise da frequência das consultas médicas e dos dias em que esteve doente e/ou internado, sendo solicitado à pessoa para referir o número de vezes ou número de dias no período de 6 meses. A questão 41 questiona a necessidade de cuidados médicos adicionais.

Na questão 42 e 43 é apresentada uma lista de medicamentos, solicitando‐se ao doente que indique quais os que tomou no último mês. Enquanto na questão 44 é apresentada uma lista de 25 doenças e é solicitado aos participantes que indiquem aquelas que padecem atualmente, referindo de que modo estas interferem nas suas atividades («nada», «pouco» ou «muito»).

Na pergunta 45 é questionado acerca da presença de incapacidade física como «paralisia total», «paralisia parcial», «falta de membro/função» ou «fratura óssea», e a questão 48 inquere sobre a presença de outro problema de saúde que afete seriamente a sua saúde (resposta dicotómica «sim/não»).

As questões 46 e 47 são relativas à acuidade visual e auditiva, respetivamente, variando as respostas desde «muito boa» a «cego/surdo».

As questões 49 e 50 são relativas aos dispositivos de apoio e próteses, em que as pessoas são questionadas acerca de quais utilizam e de quais necessitariam, mediante listagem.

A questão 51 é relativa ao consumo de bebidas alcoólicas) e a 52 à prática de atividade física (ambas respostas dicotómicas «sim/não»).

Por fim, as questões 53 a 55 reportam‐se à autoavaliação da pessoa relativamente à sua saúde física. A primeira questiona acerca da opinião da sua saúde em geral, desde «muito boa» a «má», a segunda solicita uma comparação com há 5 anos («melhor», «igual» ou «pior») e, por último a 55.ª inquere de que forma os problemas de saúde interferem com a sua vida («nada», «um pouco», «muito»).

As 3 dimensões (doença crónica, incapacidade funcional e autoavaliação de saúde) e a relação que estabelecem entre si são o ponto central de qualquer modelo de avaliação de saúde física em idosos19.

Além destes dados, é também possível atribuir uma classificação a cada área funcional em estudo. Tendo por base o QAFMI/OARS, foi construído um programa informático que classifica a capacidade funcional dos respondentes, em cada área, de 1‐6, correspondendo, respetivamente, a excelente, boa, limitação pequena, limitação moderada, limitação grave e limitação total18. Na área de saúde física, o programa tem em conta as respostas dadas nos itens anteriormente descritos. O ponto de corte definido como «incapacidade» foi estabelecido ao nível da pontuação 5 e 6.

Tratamento estatístico dos dados

Os dados obtidos foram processados no programa informático Statistical Package for the Social Sciences (SPSS® versão 22.0) do Windows, tendo‐se recorrido a métodos inerentes à estatística descritiva (apresentando cálculos referentes a frequências absolutas e relativas) e inferencial, tendo‐se recorrido às estatísticas resumo adequadas e ao teste de comparação de proporções do qui‐quadrado e respetiva medida de associação (V de Cramer). Para melhor compreensão da leitura das tabelas, gostaríamos de referir que nas tabelas 6 e 7 serão apresentados os dados relativos à comparação entre sexos para cada um dos grupos etários (75‐84 anos[A] e85 anos[B]) e para o total da amostra[C] e, ainda, à comparação entre os 2 grupos etários[D].

Considerações ético‐legais

O estudo foi autorizado pela ARS Centro, pela CNPD (autorização n.°1713/2012) e pela Comissão de Ética da Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (parecer n.° 90‐05/2012). No momento da entrevista, o indivíduo era informado dos objetivos do estudo e da garantia de confidencialidade dos dados recolhidos, assinando o consentimento informado.

Resultados

Os resultados referentes à área funcional de saúde física serão apresentados de acordo com parâmetros de avaliação enunciados na metodologia.

Características da amostra

A amostra é constituída, quanto ao sexo, por 422 participantes do sexo masculino e 731 do sexo feminino. Quanto ao grupo etário é constituída por 814 participantes entre 75‐84 anos e por 339 participantes com idade85 anos.

Em relação ao estado civil dos participantes, o estado de solteiro foi referido maioritariamente por mulheres (10,1% do sexo feminino e 1,4% do sexo masculino), enquanto a percentagem de homens casados é superior (76,1 e 33,9%, respetivamente). A situação de viúvo é mais frequente nas mulheres (52,5 e 20,6%, respetivamente).

Quanto às habilitações literárias, não sabiam ler nem escrever, 8,8% dos homens e 26,0% das mulheres. Detinham o ensino básico primário, 51,4% dos homens e 45,6% das mulheres, e o ensino superior 9,5% dos homens e 6,0% das mulheres.

Consultas médicas

Quanto à frequência de consultas médicas (tabela 1), observamos que 89,5% dos participantes referiram ter tido uma consulta médica nos últimos 6 meses, sendo a percentagem mais alta para as mulheres e para os participantes do grupo etário 75‐84 anos (89,2 e 91,3%, respetivamente). Mas apenas 32,3% referiram ter estado doentes, sendo este facto mais referido pelas mulheres e pelos participantes com idade85 anos (35,6 e 41,6%, respetivamente) e 15,1% referiram ter estado internados num hospital, também maioritariamente mulheres (15,0%) e participantes85 anos (17,4%).

Tabela 1.

Distribuição segundo referência a consulta médica, período de doença, internamento (nos últimos 6 meses) e necessidade de mais cuidados médicos

  Grupo etário 75‐84 anosGrupo etário85 anosTotal
  M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
 
Visto pelo médico  90,0  92,1  91,3  90,2  83,1  85,3  90,0  89,2  89,5 
Esteve doente  23,4  31,6  28,4  36,3  43,9  41,6  26,5  35,6  32,3 
Esteve internado  11,9  15,6  14,1  16,7  17,7  17,4  13,0  15,0  15,1 
Necessita de mais cuidados/tratamentos médicos
Sim  15,3  18,8  17,4  16,6  13,5  14,5  15,6  17,1  16,6 
Não  84,4  79,8  81,6  77,5  77,6  77,6  82,7  79,1  80,4 
NS/NR  0,3  1,4  1,0  5,9  8,9  7,9  1,7  3,8  3,0 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 

Cerca de 16,6% dos participantes referiu necessitar de cuidados médicos, além daqueles que recebem.

Patologias

Na tabela 2 é conjugada a informação das questões relativas às patologias mais referidas e à medicação com receita médica no último mês, indicando‐se para cada patologia o grau com que interfere nas atividades (valores percentuais para o total de vezes referida).

Tabela 2.

Distribuição segundo as doenças referidas por sexo, grau de limitação, que provocam interferência nas atividades e receita de medicamentos

Doenças referidas  Distribuição das doenças referidas por sexoInterferência nas atividadesaReceita de
medicamentosb
  M (n=422)  F (n=731)  Nada  Pouco  Muito 
 
Hipertensão  50,2  52,4  38,7  56,6  4,7  67,4 
Artrite ou reumatismo  32,7  59,2  1,6  39,6  58,8  10,1 
Problemas cardíacos  38,2  39,8  11,1  67,0  21,9  68,8 
Diabetes  20,1  17,9  16,2  59,3  24,5  23,0 
Problemas circulatórios dos membros  8,1  14,1  5,8  59,1  35,0  15,4 
Doença da tiroide ou outras glândulas  16,1  5,6  30,3  47,7  22,0  4,8 
Úlceras (sistema digestivo)  5,5  5,6  6,3  70,3  23,4  19,2 
Epilepsia  0,5  0,1  33,3  33,3  33,3  0,2 
a

Para os que referem a patologia.

b

Referência à receita de medicamentos, no último mês, para o total da amostra.

A hipertensão arterial foi a patologia mais referida pelos participantes (51,6%), especialmente no grupo etário 75‐84 (55,3%) e pelas mulheres (52,4%).

A artrite ou reumatismo foi referida por 49,5% dos participantes, sendo neste caso mais evidente no grupo etário85 anos com 57,8%. Apresenta, também, valores percentuais mais elevados para as mulheres (59,2%).

Os problemas cardíacos foram mencionados por 39,2% dos participantes (39,8% das mulheres e 38,2% dos homens).

A diabetes foi referida por 18,7% dos participantes, sendo maior a percentagem dos homens (20,1%).

Quanto aos problemas circulatórios dos membros e à doença da tiroide estes foram referidos por 11,9 e 9,5% dos participantes, respetivamente, e, para ambos, a percentagem foi mais elevada para as mulheres (14,1 e 16,1%, respetivamente).

Contudo, as patologias mais referidas não são necessariamente aquelas que mais interferem nas atividades.

As patologias referidas com maior interferência nas atividades são a artrite ou reumatismo (58,8%), problemas circulatórios dos membros com 35,0%, epilepsia (33,3%), diabetes com 24,5%, úlceras (sistema digestivo) com 23,4%, doenças da tiroide ou outras glândulas (22,0%), problemas cardíacos (21,9%) e hipertensão com 4,7%.

Duas das 3 patologias mais citadas, a hipertensão (51,6%) e os problemas cardíacos (39,2%), são referidas como interferindo pouco nas atividades, respetivamente em 56,6 e 67,0% dos casos, sendo ao mesmo tempo aquelas para as quais há maior percentagem de inquiridos (67,4 e 68,8%) a indicar a existência de receita de medicamento com elas relacionadas.

Visão

Relativamente à perceção do estado da sua visão (tabela 3), a maioria dos participantes classificou‐a como regular (37,4%). Apenas 4,3% do total dos participantes referiram que está muito boa (6,6% dos homens e 2,9% das mulheres), 30,2% classificou‐a como boa, 24,8% como mal. Referindo estar cego está 1,0% da amostra total (0,7% dos homens e 1,2% das mulheres), é o grupo etário85 anos que apresenta percentagem mais alta (1,8%).

Tabela 3.

Distribuição segundo a perceção do estado de visão

VisãoGrupo etário 75‐84 anosGrupo etário85 anosTotal
M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
Muito boa  7,5  3,6  5,2  3,9  1,3  2,1  6,6  2,9  4,3 
Boa  38,7  30,0  33,4  24,5  21,5  22,4  35,3  27,2  30,2 
Regular  36,6  37,7  37,2  39,2  37,1  37,8  37,2  37,5  37,4 
Mal  16,3  25,9  22,1  25,6  33,7  31,2  18,5  28,5  24,8 
Está cego  0,0  1,2  0,7  2,9  1,3  1,8  0,7  1,2  1,0 
NS/NR  0,9  1,6  1,4  3,9  5,1  4,7  1,7  2,7  2,3 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 
Audição

Quanto à perceção do estado da sua audição (tabela 4), também a maioria dos participantes a classificou como regular (31,0%). Com muito boa classificou‐se 12,0% da amostra total (10,7% dos homens e 12,9% das mulheres), tendo o grupo etário 75‐84 anos uma percentagem mais alta (15,0%); com boa classificou‐se 27,3% da amostra total; com mal classificou‐se 26,8%. Classificando‐se como estando surdo foi 0,6% da amostra total (1,0% das mulheres), sendo o grupo etário85 anos a apresentar uma percentagem mais elevada (1,5%).

Tabela 4.

Distribuição segundo a perceção do estado de audição

AudiçãoGrupo etário 75‐84 anosGrupo etário85 anosTotal
M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
Muito boa  12,2  16,8  15,0  5,9  4,6  5,0  10,7  12,9  12,0 
Boa  32,2  30,0  30,8  17,7  19,4  18,9  28,7  26,5  27,3 
Regular  30,6  31,6  31,2  35,3  28,3  30,4  31,7  30,5  31,0 
Mal  24,1  19,6  21,4  38,2  40,5  39,8  27,5  26,4  26,8 
Está surdo  0,0  0,4  0,2  0,0  2,1  1,5  0,0  1,0  0,6 
NS/NR  0,9  1,6  1,4  2,9  5,1  4,4  1,4  2,7  2,3 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 
Consumo de álcool

A referência de indicação médica de redução do consumo de bebidas alcoólicas, apenas surgiu por parte dos homens (7,3% no total da amostra), representando 8,1% dos homens do grupo etário 75‐84 anos e 4,9% do grupo etário85 anos.

Atividade física

Quando questionados se praticavam algum tipo de atividade física (tabela 5), 33,7% da amostra total (50,0% dos homens e 24,2% das mulheres) referiu que sim, tendo sido no grupo etário 75‐84 anos que esta percentagem foi mais alta (41,0%).

Tabela 5.

Distribuição segundo a prática de atividade física

Pratica atividade físicaGrupo etário 75‐84 anosGrupo etário85 anosTotal
M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
Sim  56,9  30,8  41,0  28,4  10,6  15,9  50,0  24,2  33,7 
Não  42,8  68,6  58,5  70,6  88,6  83,2  49,5  75,1  65,7 
NS/NR  0,3  0,6  0,5  1,0  0,8  0,9  0,5  0,7  0,6 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 
Autoavaliação de saúde física

A maioria dos participantes autoavaliou a sua saúde física como regular (49,8% dos homens e 55,7% das mulheres) (tabela 6). Como muito boa classificaram‐na 5,0% dos homens e 1,2% das mulheres, e como foram 19,4% das mulheres e 12,3% dos homens. Foram observadas diferenças significativas entre sexos (χ2=36,013; p=0,000), apresentando as mulheres pior perceção da sua saúde física. As diferenças entre grupos etários foram também significativas (χ2=27,913; p=0,000), tendo os participantes com idade85 anos pior perceção do seu estado de saúde.

Tabela 6.

Distribuição segundo a autoavaliação de saúde física

Autoavaliação de saúde físicaGrupo etário 75‐84 anos[A]Grupo etário85 anos[B]Total[C],[D]
M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
Atual
Muito Boa  5,6*  1,6  3,2*  2,9*  0,5  1,2  5,0*  1,2  2,6 
Boa  30,3*  20,0  24,1*  22,5  15,6  17,7  28,4*  18,6  22,2 
Regular  49,7  56,5  53,8  50,0  54,0  52,8  49,8  55,7  53,5 
Má  12,2  18,2*  15,8  12,8  21,9*  19,2  12,3  19,4*  16,8 
NS/NR  2,2  3,7  3,1  11,8  8,0  9,1*  4,5  5,1  4,9 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 
Comparado com há 5 anos
Melhor  1,2  0,6  0,9  1,0  0,0  0,3  1,2  0,4  0,7 
Igual  44,1*  21,3  30,2*  27,4*  15,2  18,9  40,0*  19,3  26,9 
Pior  52,2  74,5*  65,7  61,8  75,9*  71,7*  54,5  75,0*  67,5 
NS/NR  2,5  3,6  3,2  9,8  8,9  9,1*  4,3  5,3  4,9 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 

Atual

*Resíduos ajustados estandardizados>1,96

[A] χ2=25,728; p=0,000; VC=0,18; [B] χ2=10,232; p=0,037; VC=0,17; [C] χ2=36,013; p=0,000; VC=0,18; [D] χ2=27,913; p=0,000; VC=0,16.

Comparado com há 5 anos

*Resíduos ajustados estandardizados>1,96

[A] χ2=49,857; p=0,000; VC=0,25; [B] χ2=10,073; p=0,018; VC=0,172; [C] χ2=62,417; p=0,000; VC=0,23; [D] χ2=30,952; p=0,000; VC=0,16.

Quando questionados sobre a comparação que fazem entre a situação atual e a que tinham há 5 anos (tabela 6), a maioria dos participantes referiu que se sente pior (75,0% das mulheres e 54,5% dos homens, no total da amostra). Apenas 0,7% referiu que se sentia melhor e 40,0% dos homens e 19,3% das mulheres referiram sentir‐se igual. Observam‐se diferenças significativas entre sexos (χ2=62,417; p=0,000) e entre grupo etário (χ2=30,952; p=0,000), tendo as mulheres e os participantes85 anos uma maior perceção de declínio.

Capacidade funcional na área de saúde física

A classificação segundo o modelo QAFMI/OARS permite classificar a capacidade funcional do indivíduo na área de saúde física (tabela 7).

Tabela 7.

Distribuição segundo a pontuação do modelo OARS na área de saúde física

Pontuação em saúde físicaGrupo etário 75‐84 anos[A]Grupo etário85 anos[B]Total[C],[D]
M (n=320)  F (n=494)  Total (n=814)  M (n=102)  F (n=237)  Total (n=339)  M (n=422)  F (n=731)  Total (n=1.153) 
Excelente  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐ 
Boa  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐  ‐ 
Limitação pequena  0,3  0,4  0,4  ‐  ‐  ‐  0,2  0,3  0,3 
Limitação moderada  61,9  57,1  59,0*  51,0  39,2  42,8  59,3*  51,3  54,2 
Limitação grave  29,7  29,5  29,6*  23,5  22,8  23,0  28,2  27,3  27,6 
Limitação total  8,1  13,0  11,0  25,5  38,0  34,2*  12,3  21,1*  17,9 
Total  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0  100,0 

*Resíduos ajustados estandardizados>1,96

[A] χ2=4,900; p=0,179; [B] χ2=5,563; p=0,062; [C] χ2=14,647; p=0,002; VC=0,11; [D] χ2=88,458; p=0,000; VC=0,28.

Com uma classificação de excelente ou boa não foi pontuado nenhum indivíduo da amostra. Com limitação pequena são classificados 0,3% das mulheres e 0,2% dos homens. A classificação de limitação moderada é atribuída a 54,2% da amostra total (59,3% homens e 51,3% mulheres). Com limitação grave são classificados 27,6 participantes (28,2% homens e 27,3% mulheres). A limitação total surge com 21,1 e 12,3%, respetivamente para mulheres e homens.

A diferença entre grupos etários (χ2=88,458; p=0,000) é significativa, sendo pior classificados os mais idosos (85 anos). Quanto ao sexo a diferença, no total da amostra, é significativa (χ2=14,647; p=0,002), sendo as mulheres pior classificadas.

Discussão

A amostra em estudo tem uma composição semelhante à verificada na população nacional, onde prevalece uma diminuição da população ao longo dos grupos etários, com mais acentuado decréscimo dos homens20–22. Quanto ao estado civil, temos maior percentagem de solteiros entre as mulheres e, com o envelhecimento, observamos a diminuição do número de indivíduos casados e um aumento do número de viúvos23. Por último, a população idosa continua a deter, de modo geral, baixos níveis de escolaridade, registando as mulheres níveis mais baixos que os homens21.

No que concerne às consultas médicas, verificamos que a maioria dos participantes mencionaram ter consultado o médico nos últimos 6 meses, sendo a percentagem de homens e mulheres muito similar, ao contrário do verificado em outros. A grande percentagem de utilizadores observada está muito relacionada com a faixa etária em estudo (>75 anos), de acordo com o Ministério da Saúde, é o grupo com mais de 65 anos que detém a taxa de utilização de cuidados de saúde primários mais elevada (60,0%), além disso, outros estudos indicam que ser reformado e viver numa zona urbana implica também uma maior utilização de cuidados12.

Quanto às patologias referidas, observamos que as doenças crónicas são o fator major que influencia a capacidade das pessoas idosas em viverem o seu dia‐a‐dia de forma independente e segura no seio da comunidade onde residem6,18,20.

Pela análise dos resultados verificou‐se que a maioria dos participantes estavam polimedicados (utilização concomitante de vários medicamentos e que poderão interagir entre si), uma vez que a indicação de utentes com receita de medicamentos apresentava valores superiores aos da presença de patologia. Estão nesta situação a hipertensão, problemas cardíacos, diabetes mellitus, problemas circulatórios dos membros e úlcera (sistema digestivo)24–27.

Relativamente às patologias acima elencadas, os participantes no estudo referiram «não interferirem muito» nas atividades de vida diária, o que pode justificar o seu «esquecimento» aquando da solicitação para indicar as doenças de que padece no momento, apesar da questão sobre a toma de medicação ser prévia. A explicação para o facto poderá residir na elevada frequência com que estas patologias são mencionadas, a forma insidiosa e progressiva como se vão instalando, e a aceitação de um progressivo deterioro físico que acompanha o envelhecimento, que poderão levar os idosos a considerar esta situação como sendo resultado de um processo normal e não como algo passível de intervenção, cuidado ou tratamento. Este facto poderá estar também presente quando observamos que algumas das patologias que mais interferem nas atividades têm menor percentagem de receita de medicamentos. É exemplo a artrite ou reumatismo, referida por 49,5%, mas em que apenas 10,1% referem medicação associada. Na revisão da literatura constatamos que há um aumento da prescrição de medicamentos relacionada com a existência de maior número de múltiplas doenças crónicas24–27.

Quanto ao estado da visão, as mulheres estão pior classificadas, assim com o grupo etário com idade de85 anos, sendo que ambos os grupos etários, maioritariamente, consideram a sua visão como estando regular. Em termos das funções auditivas, também se verificou agravamento da perceção auditiva com o avanço da idade, tal como noutros estudos21,28, e por parte das mulheres.

Sobre a indicação de redução do consumo de bebidas alcoólicas, o consumo de álcool está ligado ao sexo masculino, uma tendência que se confirma a nível nacional, por questões culturais, de socialização e económicas, sendo prova disso as doenças e a mortalidade que lhes está associada20.

Quanto à prática regular de atividade física, denota‐se um decréscimo da prática com o avanço da idade, bem como, uma menor adesão pelas mulheres, sendo a percentagem de praticantes inferior ao apresentado noutro estudo20.

De um modo geral, para os valores do total da amostra, a classificação segundo o modelo QAFMI/OARS afasta‐se da autoavaliação efetuada pelos inquiridos, em que estes classificam melhor a sua saúde física. A presença de patologias crónico‐degenerativas e/ou incapacitantes, e as capacidades adaptativas não só a doenças, mas também a situações que vão surgindo ao longo da vida, podem, entre outros fatores não citados, influenciar a autoperceção do estado de saúde de um indivíduo, bem como a sua tomada de decisão em saúde29.

De facto, conforme já mencionado acima, a aceitação do processo de declínio na capacidade funcional que acompanha o envelhecimento poderá levar os idosos a conformar‐se com esta situação, considerando‐a como um processo normal e não necessariamente alvo de intervenção de cuidados de saúde.

Na revisão da literatura damos conta da análise referente a este fator de subjetividade do estado de saúde percecionado pelo sujeito e da sua relação com as condições objetivas de vida, onde pode existir a possibilidade de diversidade de respostas para o mesmo contexto, e da aceitação das condições impostas pelo declínio funcional6,30–34.

Na área de saúde física, se considerarmos o total da amostra, as mulheres apresentaram pior capacidade funcional, podendo ser explicado por uma autoavaliação mais negativa do seu estado de saúde e maior número de comorbilidades associadas6,30,31,33,34.

Os participantes com idade85 anos apresentaram as piores classificações. O facto de nenhum ser classificado com excelente ou boa saúde física pode ser resultado da morbilidade, do consumo elevado de medicação e de uma autoavaliação negativa da sua saúde física atual6,29,33,34.

No decorrer da aplicação desta metodologia, a dimensão do questionário e o tempo despendido para a recolha de dados podem surgir como uma limitação. Contudo, a quantidade e qualidade da informação justificam a sua utilização.

Conclusões

Foi possível a caracterização da população75 anos do concelho de Coimbra (com características urbanas e rurais), na área de saúde física, permitindo observar as diferenças intrínsecas entre homens e mulheres, e entre grupos etários.

Na área de saúde física, atendendo aos resultados obtidos, retemos a noção de que as patologias mais referidas não são necessariamente as que mais interferem na capacidade funcional do idoso. Por outro lado, a classificação segundo o modelo QAFMI/OARS revela que com uma classificação de excelente ou boa não foi pontuado nenhum indivíduo da amostra, sendo, das 5 áreas em estudo, aquela em que os participantes apresentaram maior incapacidade (45,6% com limitação grave ou total). Este facto revela a importância da promoção da saúde e prevenção de incapacidades que se manifestam nesta faixa etária, aconselhando a promoção de programas dirigidos à saúde física (como programas de atividade física) nos cuidados de saúde primários.

Assim, com o avanço da idade, verifica‐se que as pessoas apresentam uma maior complexidade na avaliação clínica, requerendo tratamento para muitas condições do foro físico e mental, refletindo‐se num aumento das despesas sociais relacionadas com a saúde e com a velhice, e numa necessidade crescente de cuidados de saúde e assistência.

Em termos de implicações para a prática clínica e de investigação, podemos concluir que o conhecimento da capacidade funcional nesta área de estudo, podendo ser utilizada a metodologia QAFMI/OARS, conjugado com a rede de cuidados de saúde primários, pode ser útil no rastreio, no encaminhamento e na resolução de situações de incapacidade, assim como os dados obtidos poderão ser utilizados para o planeamento e desenvolvimento das intervenções de saúde.

Nesta perspetiva, a coordenação dos serviços de saúde, tendo por base a avaliação multidimensional de idosos, promove um envelhecimento saudável e a resposta às necessidades sentidas, combinando as atividades de promoção de saúde com estratégias de prevenção de doenças, atendendo ao percurso de vida de cada individuo e às distintas formas de envelhecimento de homens e mulheres.

Financiamento

Projeto financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do Programa Operacional Factores de Competitividade (COMPETE) e por fundos nacionais através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) no âmbito do projeto PTDC/CS‐SOC/114895/2009.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Referências bibliográficas
[1]
World Health Organization.
US National Institute of Aging. Global health and aging.
National Institutes of Health, (2011),
[2]
Instituto Nacional de Estatística.
Estatísticas demográficas 2012.
Instituto Nacional de Estatística, (2013),
[3]
World Health Organization.
Active ageing: a policy framework.
World Health Organization, (2002),
[4]
P. Ferreira, R. Rodrigues.
Portuguese version of the OARS multidimensional functional assessment of older adults questionnaire.
Qual Life Res., 8 (1999), pp. 597
[5]
R. Rodrigues.
Validação da versão em português europeu de questionário de avaliação multidimensional de idosos.
Rev Panam Salud Publica., 23 (2008), pp. 109-115
[6]
R. Rodrigues.
Avaliação comunitária de uma população de idosos.
Mar da Palavra, (2009),
[7]
World Health Organization. Good health adds life to years: Global brief for World Health Day. Geneva: World Health Organization; 2012.
[8]
A. Marengoni, S. Angleman, R. Melis, F. Mangialasche, A. Karp, A. Garmen, et al.
Aging with multimorbidity: A systematic review of the literature.
Ageing Res Rev., 10 (2011), pp. 430-439
[9]
D. Koller, G. Schön, I. Schäfer, G. Glaeske, H. van den Bussche, H. Hansen.
Multimorbidity and long‐term care dependency: A five year follow‐up.
BMC Geriatr., 14 (2014), pp. 70
[10]
J. Abad-Diez, A. Caldéron-Larrañaga, A. Poncel-Falcó, B. Poblador-Plou, J. Calderón-Meza, A. Sicras-Mainar, et al.
Age and gender differences in the prevalence and patterns of multimorbidity in the older population.
BMC Geriatr., 14 (2014), pp. 75
[11]
World Health Organization.
Diet, nutrition, and the prevention of chronic diseases: Report of a WHO Study Group.
World Health Organization, (2003),
[12]
C. Quintal, O. Lourenço, P. Ferreira.
Utilização de cuidados de saúde pela população idosa portuguesa: uma avaliação por género e classes latentes.
Rev Port Saúde Pública., 30 (2012), pp. 35-46
[13]
C.M. Boyde, M. Fortin.
Future of multimorbidity research: How should understanding of multimorbidity inform health system design.
Public Health Rev., 32 (2010), pp. 451-474
[14]
P. Eiroa Patiño, F.L. Vásquez-Vizoso, R. Veras Castro.
The handicaps and the need for services among the aged detected in the health survey OARS‐Vigo.
Med Clin (Barc.)., 106 (1996), pp. 641-648
[15]
M.P. Van Hook, B. Berkman, R. Dunkle.
Assessment tools for general health care settings: Prime‐MD, OARS, and SF‐36.
Health Soc Work., 21 (1996), pp. 230-234
[16]
E. Pfeiffer.
A short portable mental status questionnaire for the assessment of organic brain deficit in elderly patients.
J Am Geriatr Soc., 23 (1975), pp. 433-441
[17]
G.G. Fillenbaum.
Multidimensional functional assessment of older adults: The Duke Older Americans Resources and Services Procedures.
Lawrence Erlbaum Associates, (1988),
[18]
P. Ferreira, R. Rodrigues, D. Nogueira.
Avaliação multidimensional em idosos.
Mar da Palavra, (2006),
[19]
N.A. Whitlaw, J. Liang.
The structure of the OARS physical health measures.
Med Care., 29 (1991), pp. 332-347
[20]
A.P. Fontes, M.A. Botelho, A.A. Fernandes.
A funcionalidade dos mais idosos (75 anos): conceitos, perfis e oportunidades de um grupo heterogêneo.
Rev Bras Geriatr Gerontol., 16 (2013), pp. 91-107
[21]
M.J. Lopes, A. Escoval, D.G. Pereira, C.S. Pereira, C. Carvalho, C. Fonseca.
Evaluation of elderly persons’ functionality and care needs.
Rev Lat Am Enfermagem., 21 (2013), pp. 52-60
[22]
M. Aires, L. Paskulin, E.P. Morais.
Functional capacity of elder elderly: Comparative study in three regions of Rio Grande do Sul.
Rev Lat Am Enfermagem., 18 (2010), pp. 11-17
[23]
K. Inouye, E.S. Pedrazzani.
Instruction, social economic status and evaluation of some dimensions of octagenarians’ quality of life.
Rev Lat Am Enfermagem., 15 (2007), pp. 742-747
[24]
H.O. Gomes, C.P. Caldas.
Uso inapropriado de medicamentos pelo idoso: polifarmácia e seus efeitos.
Rev HUPE, 7 (2008), pp. 88-99
[25]
V.D. Fleith, M.A. Figueiredo, K.F. Figueiredo, E.C. Moura.
Perfil de utilização de medicamentos em usuários da rede básica de saúde de Lorena.
Cien Saude Colet., 13 (2008), pp. 755-762
[26]
M. Santos, A. Almeida.
Polimedicação no idoso.
Rev Enf Refer., 3 (2010), pp. 149-162
[27]
T. Linjakumpu, S. Hartikainen, T. Klaukka, J. Veijola, S.L. Kivelä, R. Isoaho.
Use of medication and polypharmacy are increasing among the elderly.
J Clin Epidemiol., 55 (2002), pp. 809-817
[28]
F.N. Machado, A.N. Machado, S.M. Soares.
Comparação entre a capacidade e desempenho: um estudo sobre a funcionalidade de idosos dependentes.
Rev Lat Am Enfermagem., 21 (2013), pp. 1321-1329
[29]
Z. Azeredo.
O idoso como um todo.
PsicoSoma, (2011),
[30]
Rodrigues T. O modelo OARS na enfermagem comunitária: avaliação da funcionalidade e utilização de serviços de uma população idosa rural. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra; 2012. Dissertação de Mestrado em Enfermagem Comunitária.
[31]
Silva, S. Estado funcional e utilização de serviços em idosos no habitat urbano: estudo em São João da Madeira. Santiago de Compostela: Departamento de Psiquiatria, Radiologia e Saúde Pública. Faculdade de Medicina da Universidade de Santiago de Compostela; 2014. Tese de Doutorado em Epidemiologia y Salud Pública.
[32]
The Berlin aging study: Aging from 70 to 100.,
[33]
World Health Organization.
Gender, health and ageing.
World Health Organization, (2003),
[34]
O.D. Lourenço, C. Quintal, P.L. Ferreira, P.P.A. Barros.
Equidade na utilização de cuidados de saúde em Portugal: uma avaliação em modelos de contagem.
Notas Económicas., 25 (2007), pp. 6-26
Copyright © 2016. The Author(s)
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.