Regístrese
Buscar en
Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial
Toda la web
Inicio Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial Fatores preditores da inclusão do canino maxilar permanente
Journal Information
Vol. 56. Issue 4.
Pages 233-238 (October - December 2015)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
2422
Vol. 56. Issue 4.
Pages 233-238 (October - December 2015)
Investigação original
DOI: 10.1016/j.rpemd.2015.11.008
Open Access
Fatores preditores da inclusão do canino maxilar permanente
Prediction factors of permanent maxillary canine impaction
Visits
2422
Telmo Joel Neves Moreiraa,
Corresponding author
telmomoreira@mail.telepac.pt

Autor para correspondência.
, Ana Cristina Silva Bragab, Afonso Manuel Pinhão Ferreiraa
a Serviço de Ortodontia, Faculdade de Medicina Dentária, Universidade do Porto, Porto, Portugal
b Departamento de Produção e Sistemas, Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Braga, Portugal
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Tables (5)
Tabela 1. Estatísticas sumárias para as medidas transversais, sobremordidas e discrepância dento‐maxilar superior
Tabela 2. Erupção do canino maxilar permanente vs. sexo
Tabela 3. Erupção do canino maxilar permanente vs. biotipo facial
Tabela 4. Erupção do canino maxilar permanente vs. má oclusão segundo a classificação de Angle
Tabela 5. Erupção do canino maxilar permanente vs. incisivo lateral maxilar permanente
Show moreShow less
Resumo
Objetivo

O objetivo principal deste trabalho foi procurar relacionar o sexo, o tipo de má oclusão, o biotipo facial, a agenesia e a alteração de tamanho do incisivo lateral permanente adjacente com a inclusão do canino maxilar permanente.

Métodos

O grupo inicial de estudo foi constituído pelo total de crianças que, à data da sua primeira observação na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto, tinham 9 anos de idade. A seleção desta amostra foi realizada no período compreendido entre 2008‐2010 e resultou num total de 95 indivíduos, os quais foram contactados em abril de 2014 para observação clínica. Aceitaram participar no estudo 51 crianças, que, nessa data, apresentavam a idade cronológica de 13‐14 anos. Na visita em 2014 pesquisou‐se a erupção dos dentes 13 e 23 na cavidade oral. A análise estatística dos dados foi realizada com recurso ao programa IBM® SPSS® Statistics versão 22.0, tendo‐se optado pelos métodos estatísticos mais adequados para a sua comparação, baseados nos testes de independência do qui‐quadrado. A regra de decisão utilizada consiste em detetar evidência estatística significativa para valores de probabilidade (valor prova do teste) inferiores a 0,05.

Resultados

Não foi detetada evidência estatística significativa (p<0,05) que suporte associação entre a erupção do canino maxilar permanente e os fatores preditores estudados. Sugere‐se a realização de trabalhos, com amostras maiores, para clarificar e aprofundar o conhecimento nesta área.

Conclusões

Não se detetaram associações estatisticamente significativas entre os diferentes fatores analisados e a inclusão do canino maxilar permanente.

Palavras‐chave:
Diagnóstico
Prognóstico
Caninos
Maxilar
Criança
Abstract
Objective

The main objective of this study was to evaluate whether impaction of the maxillary permanent canine (IMPC) can be predicted by factors such as sex, class of malocclusion, facial biotype, microdontia/peg‐shaped maxillary permanent lateral incisor or congenital missing maxillary permanent lateral incisor.

Methods

The initial study sample consisted of 95 children with 9 years old, which were selected from the clinic of the Faculty of Dental Medicine, University of Porto in the period between 2008 and 2010. In April 2014, all participants were asked to return for clinical examination. Agreed to participate in the study 51 children, now with the chronological age of 13‐14 years. In the intraoral exam at 2014, the eruption of 13 and 23 was checked. Statistical analyses were performed with the IBM SPSS Statistics 22.0 statistical package. The statistical methods for the associations between each variable and IMPC included chi‐square tests.

P values less than 0.05 were considered significant.

Results

There was no statistically significant differences (p<0.05) between the studied predictive factors and the eruption of the maxillary permanent canine. Further investigations with large samples should be performed in order to increase our knowledge in this field.

Conclusion

No statistically significant differences were found between the predictive variables analyzed and the impaction of the maxillary permanent canine.

Keywords:
Diagnosis
Prognosis
Cuspids
Maxillary
Child
Full Text
Introdução

Há vários anos que os ortodontistas procuram identificar fatores indicativos da inclusão dentária, particularmente do canino maxilar permanente, com vista à sua prevenção.

A literatura científica não é esclarecedora quando aborda os fatores locais e sistémicos que contribuem para a inclusão do canino maxilar permanente (ICMP).

As complicações da ICMP justificam, claramente, todas as formas possíveis de tratamento precoce no sentido de a evitar.

A exodontia do canino maxilar temporário é sugerida como modo de prevenir a inclusão do dente sucedâneo1, contudo, não há consenso nesta recomendação2.

A correção ortodôntica do diastema mediano maxilar com dimensão superior a 4mm constitui‐se como outra medida preventiva da ICMP encontrada na literatura3,4. No entanto, este procedimento poderá ser desaconselhado devido ao risco de favorecer iatrogenicamente a ICMP5. Outras medidas profiláticas poderão estar indicadas, designadamente o tratamento da desarmonia dento‐maxilar e a intervenção terapêutica no auxílio da sequência normal de erupção dentária na maxila.

O objetivo deste trabalho foi procurar avaliar os fatores que podem estar relacionados com a ICMP, nomeadamente verificar se há associação entre esta anomalia do desenvolvimento e o sexo, o tipo de má oclusão, o biotipo facial, a agenesia e a alteração de tamanho/forma do incisivo lateral permanente adjacente.

Materiais e métodos

A amostra inicial foi constituída pelo conjunto de crianças observadas pela primeira vez, no período compreendido entre 1 de janeiro de 2008 e 31 de dezembro 2010, na Clínica Professor Fernando Peres da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto (FMDUP), e que, à data dessa observação, apresentavam a idade cronológica de 9 anos. Foi tido como critério de inclusão a existência de uma radiografia panorâmica nos registos clínicos de cada paciente, realizada no âmbito da assistência médico‐dentária dessa consulta, com evidência imagiológica da presença dos dentes 13 e 23, ainda não erupcionados. Foram excluídos todos os casos que apresentavam malformações craniofaciais congénitas, síndromes com expressão orocraniofacial, deformidades faciais traumáticas ou história de tratamentos ortodônticos. Assim, foram selecionadas 95 crianças.

Foram contactados todos os pacientes em abril de 2014 para observação clínica, tendo 51 crianças aceitado participar no estudo. Este grupo veio a constituir a amostra final.

O delineamento experimental desta investigação é classificado dentro dos estudos observacionais, descritivos, retrospetivos e de natureza transversal.

Os elementos utilizados neste trabalho foram dados clínicos provenientes da anamnese, da radiografia panorâmica, de outros exames complementares de diagnóstico (quando existentes) realizados no âmbito da primeira consulta na FMDUP e da observação clínica dos participantes efetuada pelo investigador principal.

As imagens digitais das radiografias panorâmicas foram processadas pelo primeiro autor no programa informático Dolphin Imaging® v. 11.0 Copyright © 2010 (Patterson Dental Supply, Inc., Chatsworth, CA, EUA), no sentido de se proceder à sua observação sistemática.

Para a classificação da má oclusão foi utilizado o método de Edward Angle.

Através da observação clínica das crianças, em norma frontalis, foi determinado o biotipo facial de cada participante, tendo sido utilizada a seguinte classificação: dolicofacial quando apresentavam uma face longa e estreita, braquifacial quando evidenciavam uma face curta e larga e mesofacial quando apresentavam um tipo intermédio.

Foram calculadas as seguintes medidas lineares (medições intraorais):

  • distância intermolar superior (DIMsup): distância linear entre a ponta da cúspide palatina do primeiro molar superior permanente direito e a ponta da cúspide palatina do primeiro molar superior permanente esquerdo;

  • distância intercanina superior (DICsup): distância linear entre a ponta da cúspide do canino superior direito (ou o centro do rebordo alveolar na área do canino direito) e a ponta da cúspide do canino superior esquerdo (ou o centro do rebordo alveolar na área do canino esquerdo);

  • sobremordida horizontal incisiva (overjet): distância linear entre o bordo incisivo do incisivo central superior (mais avançado) e a face vestibular do incisivo central inferior oponente, no plano sagital;

  • sobremordida vertical incisiva (overbite): distância linear entre o bordo incisivo do incisivo central superior (mais extruído) e o bordo incisivo do incisivo central inferior oponente, no plano vertical.

O cálculo da discrepância dento‐maxilar superior (DDMsup) foi realizado subtraindo ao valor do perímetro ideal da arcada dentária o somatório das maiores dimensões mesiodistais dos dentes maxilares de 5 a 56.

As alterações de tamanho e a forma dos incisivos laterais maxilares permanentes (ILMP) foram identificadas a partir das radiografias panorâmicas e dos registos fotográficos e validadas durante a observação clínica dos indivíduos em estudo. Os ILMP foram classificados como alterados quando apresentavam uma forma cónica da coroa, observando‐se maior dimensão mesiodistal ao nível cervical, e quando se apresentavam pequenos, ou seja, quando a sua maior dimensão mesiodistal era menor do que a maior dimensão mesiodistal do incisivo lateral mandibular permanente do lado contralateral7.

Este estudo está de acordo com as recomendações da Declaração de Helsínquia e foi aprovado pela Comissão de Ética da FMDUP.

Os dados recolhidos foram analisados no programa de análise estatística da IBM® SPSS® Statistics versão 22.0.

Considerando a natureza das variáveis envolvidas optou‐se pelos procedimentos estatísticos mais adequados para a sua comparação, baseados nos testes de independência do qui‐quadrado.

A regra de decisão utilizada consiste em detetar evidência estatística significativa para valores de probabilidade (valor prova do teste) inferiores a 0,05.

Resultados

A amostra em estudo foi constituída por 51 crianças, as quais apresentavam os dentes 13 e 23 presentes (total de caninos=102). Dos participantes, 21 (41,2%) são do sexo masculino e 30 (58,8%) são do sexo feminino, tendo‐se verificado a inexistência de diferenças estatisticamente significativas na distribuição das crianças quanto ao sexo (χ2=1,588, gl=1, valor p=0,208). Do total da amostra final, 27 (53%) evidenciavam caraterísticas faciais compatíveis com o biotipo mesofacial, 12 (23,5%) com o biotipo braquifacial e as restantes 12 (23,5%) com o biotipo dolicofacial. Relativamente à classificação de má oclusão de Angle, 27 (52,9%) participantes apresentavam má oclusão de Classe I, 13 (25,5%) apresentavam má oclusão de Classe II, 8 (15,7%) apresentavam má oclusão de Classe III e 3 (5,9%) crianças foram classificadas de «Classe indeterminada», devido à impossibilidade de se definir a relação oclusal dos primeiros molares permanentes.

Na tabela 1 são apresentados os resultados sumários da estatística descritiva para a DIMsup, para a DICsup, para o overjet e overbite, e para a DDMsup.

Tabela 1.

Estatísticas sumárias para as medidas transversais, sobremordidas e discrepância dento‐maxilar superior

Distância intermolar
Média  40,5 
Mediana  40,0 
Desvio padrão  3,0 
Máximo  48,0 
Mínimo  33,0 
Distância intercanina
Média  34,7 
Mediana  35,0 
Desvio padrão  2,7 
Máximo  42,0 
Mínimo  30,0 
Overjet
Média  3,6 
Mediana  3,0 
Desvio padrão  1,8 
Máximo  8,0 
Mínimo  −2,0 
Overbite
Média  3,7 
Mediana  4,0 
Desvio padrão  1,7 
Máximo  7,0 
Mínimo  −1,0 
Discrepância dento‐maxilar superior
Média  0,6 
Mediana  0,0 
Desvio padrão  4,2 
Máximo  11,0 
Mínimo  −16,0 

Para determinar se há associação entre a erupção do canino maxilar permanente e o sexo foi realizado o teste exato de Fisher (ver tabela 2). Como se trata de uma tabela 2x2, o teste exato de Fisher indica que não existe associação estatisticamente significativa entre a erupção do canino maxilar permanente e o sexo (valor p=0,611 >0,05). Este resultado pode ser ilustrado pelo gráfico da figura 1.

Tabela 2.

Erupção do canino maxilar permanente vs. sexo

  Sexo 
  Masculino  Feminino  Total 
Erupcionado
Sim
39  56  95 
% segundo a erupção  41,1  58,9  100 
% segundo o sexo  92,9  93,3  93,1 
% do total  38,2  54,9  93,1 
Não
% segundo a erupção  42,9  57,1  100 
% segundo o sexo  7,1  6,7  6,9 
% do total  2,9  3,9  6,9 
Total
n  42  60  102 
% segundo a erupção  41,2  58,8  100 
% segundo o sexo  100  100  100 
% do total  41,2  58,8  100 
Figura 1.

Distribuição da erupção do canino maxilar permanente segundo o sexo.

(0.04MB).

Com vista a determinar se há associação entre a erupção do canino maxilar permanente e o biotipo facial foi realizado o teste de independência do qui‐quadrado (ver tabela 3), que revela a inexistência de associação estatisticamente significativa (χ2=5,522, gl=2, valor p=0,063 >0,05).

Tabela 3.

Erupção do canino maxilar permanente vs. biotipo facial

  Tipo facial 
  Mesofacial  Braquifacial  Dolicofacial  Total 
Erupcionado
Sim
51  20  24  95 
% segundo a erupção  53,7  21,1  25,3  100 
% segundo o biotipo  94,4  83,3  100  93,1 
% do total  50,0  19,6  23,5  93,1 
Não
% segundo a erupção  42,9  57,1  0,0  100 
% segundo o biotipo  5,6  16,7  0,0  6,9 
% do total  2,9  3,9  0,0  6,9 
Total
n  54  24  24  102 
% segundo a erupção  52,9  23,5  23,5  100 
% segundo o biotipo  100  100  100  100 
% do total  52,9  23,5  23,5  100 

Para se determinar se há associação entre a erupção do canino maxilar permanente e o tipo de má oclusão foi realizado o teste de independência do qui‐quadrado (ver tabela 4) que revela não existir associação estatisticamente significativa (χ2=2,970, gl=3, valor p=0,396 >0,05).

Tabela 4.

Erupção do canino maxilar permanente vs. má oclusão segundo a classificação de Angle

  Classificação de Angle 
  Classe I  Classe II  Classe III  Indeterm.  Total 
Erupcionado
Sim
52  23  14  95 
% segundo a erupção  54,7  24,2  14,7  6,3  100 
% segundo Cl. Angle  96,3  88,5  88  100  93,1 
% do total  51,0  22,5  13,7  5,9  93,1 
Não
% segundo a erupção  28,6  42,9  28,6  0,0  100 
% segundo Cl. Angle  3,7  11,5  12,5  0,0  6,9 
% do total  2,0  2,9  2,0  0,0  6,9 
Total
n  54  26  16  102 
% segundo a erupção  52,9  25,5  15,7  5,9  100 
% segundo Cl. Angle  100  100  100  100  100 
% do total  52,9  25,5  15,7  5,9  100 

Indeterm.: indeterminada.

Com vista a determinar se há associação entre a erupção do canino maxilar permanente e a existência de alteração do incisivo lateral maxilar permanente foi realizado o teste exato de Fisher (ver tabela 5), que indica não existir associação estatisticamente significativa (valor p=0,867 >0,05). Este resultado pode ser ilustrado pelo gráfico da figura 2.

Tabela 5.

Erupção do canino maxilar permanente vs. incisivo lateral maxilar permanente

  ILS permanente 
  Normal  Alterado  Total 
Erupcionado
Sim
93  95 
% segundo a erupção  97,9  2,1  100 
% segundo o ILS perm.  93,0  100,0  93,1 
% do total  91,2  2,0  93,1 
Não
% segundo a erupção  100,0  0,0  100 
% segundo o ILS perm.  7,0  0,0  6,9 
% do total  6,9  0,0  6,9 
Total
n  100  102 
% segundo a erupção  98,0  2,0  100 
% segundo o ILS perm.  100  100  100 
% do total  98,0  2,0  100 

ILS perm.: incisivo lateral superior permanente.

Figura 2.

Distribuição da erupção do canino maxilar permanente segundo o incisivo lateral maxilar permanente.

(0.04MB).
Discussão

A etiologia da inclusão do canino maxilar definitivo permanece desconhecida8. Contudo, em muitos casos, verifica‐se que este fenómeno acontece simultaneamente com a ocorrência de outras anomalias dentárias7,9,10. Alguns destes problemas, nomeadamente a agenesia ou a alteração de forma e tamanho de incisivos laterais maxilares7,11–14, a agenesia de outros dentes10, a presença de espaços na dentição (discrepância dento‐maxilar positiva)12,15 e o desenvolvimento tardio das dentições12,16 verificam‐se entre famílias, o que sugere uma componente hereditária. Para além destes aspetos dependentes de fatores genéticos, há evidência científica que sugere que a ocorrência da inclusão dos caninos maxilares no lado palatino (ICMPLP) também pode ser atribuída a fatores locais (componente ambiental). Nestes fatores incluem‐se as agenesias dentárias, as deformidades anatómicas e o desenvolvimento tardio do incisivo lateral permanente adjacente7,12,13,17,18.

Na literatura há autores13 que sugerem a existência de associação entre a ICMPLP e a presença de um incisivo lateral permanente adjacente pequeno. No entanto, outros investigadores19 não detetaram evidência estatística significativa que suporte esta associação, tal como no presente estudo. Segundo outros autores12,15,20, os casos de ICMPLP são habitualmente casos ortodônticos de não extração. Contudo, não é claro se tal se deve ao facto de nesses casos a dentição ser morfologicamente pequena ou à circunstância das bases maxilares serem grandes8. Os estudos disponíveis que procuram relacionar as dimensões transversais da maxila e a ICMP não são concordantes10,21,22.

Alguns trabalhos23,24 sugerem que a ICMPLP pode estar associada a excesso de espaço maxilar. Pelo contrário, a discrepância dento‐maxilar com consequente apinhamento dentário, parece relacionar‐se principalmente com a ICMP no lado vestibular15,25. A inclusão palatina do canino maxilar permanente é indubitavelmente mais comum do que a inclusão no lado vestibular3,26, mas os rácios apresentados na literatura variam consideravelmente, entre 2:1 a 9:127,28.

Neste trabalho, não se identificou qualquer associação significativa entre os fatores estudados e a falha de erupção do canino maxilar permanente. Sugere‐se que sejam efetuadas investigações, com amostras maiores, para aprofundar o conhecimento neste domínio.

Conclusões

Neste estudo não foram detetadas associações estatisticamente significativas entre os diferentes fatores analisados e a ICMP.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que os procedimentos seguidos estavam de acordo com os regulamentos estabelecidos pelos responsáveis da Comissão de Investigação Clínica e Ética e de acordo com os da Associação Médica Mundial e da Declaração de Helsinki.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram ter seguido os protocolos do seu centro de trabalho acerca da publicação dos dados de pacientes.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram ter recebido consentimento escrito dos pacientes e/ou sujeitos mencionados no artigo. O autor para correspondência deve estar na posse deste documento.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
S. Ericson, J. Kurol.
Early treatment of palatally erupting maxillary canines by extraction of the primary canines.
Eur J Orthod., 10 (1988), pp. 283-295
[2]
N. Parkin, P.E. Benson, A. Shah, B. Thind, Z. Marshman, G. Glenroy, et al.
Extraction of primary (baby) teeth for unerupted palatally displaced permanent canine teeth in children.
Cochrane Database Syst Rev., (2009), pp. CD004621
[3]
A.P. Ferreira.
Canino maxilar incluso ‐ problema ortodôntico‐cirúrgico.
Rev Saúde Oral., (1996), pp. 56-77
[4]
C. Chambas.
Canine maxillaire incluse et thérapeutique orthodontique.
Rev Orthop Dento Faciale, 27 (1993), pp. 9-28
[5]
B.H. Broadbent.
Ontogenic development of occlusion.
Angle Orthod., (1941), pp. 9-28
[6]
R.E. Moyers.
Handbook of Orthodontics.
4th ed, Year Book Medical Pub, (1988),
[7]
A. Becker, P. Smith, R. Behar.
The incidence of anomalous maxillary lateral incisors in relation to palatally‐displaced cuspids.
[8]
S. Anic-Milosevic, S. Varga, S. Mestrovic, M. Lapter-Varga, M. Slaj.
Dental and occlusal features in patients with palatally displaced maxillary canines.
Eur J Orthod., 31 (2009), pp. 367-373
[9]
K. Bjerklin, J. Kurol, J. Valentin.
Ectopic eruption of maxillary first permanent molars and association with other tooth and developmental disturbances.
Eur J Orthod., 14 (1992), pp. 369-375
[10]
S. Peck, L. Peck, M. Kataja.
Prevalence of tooth agenesis and peg‐shaped maxillary lateral incisor associated with palatally displaced canine (PDC) anomaly.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 110 (1996), pp. 441-443
[11]
A. Becker, I. Gillis, N. Shpack.
The etiology of palatal displacement of maxillary canines.
Clin Orthod Res., 2 (1999), pp. 62-66
[12]
Y. Zilberman, B. Cohen, A. Becker.
Familial trends in palatal canines, anomalous lateral incisors, and related phenomena.
Eur J Orthod., 12 (1990), pp. 135-139
[13]
P.A. Mossey, H.M. Campbell, J.K. Luffingham.
The palatal canine and the adjacent lateral incisor: A study of a west of Scotland population.
Br J Orthod., 21 (1994), pp. 169-174
[14]
T. Baccetti.
A controlled study of associated dental anomalies.
[15]
H. Jacoby.
The etiology of maxillary canine impactions.
Am J Orthod., 84 (1983), pp. 125-132
[16]
A. Becker, S. Chaushu.
Dental age in maxillary canine ectopia.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 117 (2000), pp. 657-662
[17]
I. Brin, A. Becker, M. Shalhav.
Position of the maxillary permanent canine in relation to anomalous or missing lateral incisors: A population study.
Eur J Orthod., 8 (1986), pp. 12-16
[18]
R.G. Oliver, J.E. Mannion, J.M. Robinson.
Morphology of the maxillary lateral incisor in cases of unilateral impaction of the maxillary canine.
Br J Orthod., 16 (1989), pp. 9-16
[19]
Z. Brenchley, R.G. Oliver.
Morphology of anterior teeth associated with displaced canines.
Br J Orthod., 24 (1997), pp. 41-45
[20]
S. Peck, L. Peck, M. Kataja.
The palatally displaced canine as a dental anomaly of genetic origin.
[21]
T.L. McConnell, D.L. Hoffman, D.P. Forbes, E.K. Janzen, N.H. Weintraub.
Maxillary canine impaction in patients with transverse maxillary deficiency.
ASDC J Dent Child., 63 (1996), pp. 190-195
[22]
B.J. Langberg, S. Peck.
Adequacy of maxillary dental arch width in patients with palatally displaced canines.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 118 (2000), pp. 220-223
[23]
M.M. Kuftinec, Y. Shapira.
The impacted maxillary canine: I. Review of concepts.
ASDC J Dent Child., 62 (1995), pp. 317-324
[24]
A. Stellzig, E.K. Basdra, G. Komposch.
The etiology of canine tooth impaction–a space analysis.
Fortschr Kieferorthop., 55 (1994), pp. 97-103
[25]
S. Leifert, I.E. Jonas.
Dental anomalies as a microsymptom of palatal canine displacement.
J Orofac Orthop., 64 (2003), pp. 108-120
[26]
G. Zuccati, J. Ghobadlu, M. Nieri, C. Clauser.
Factors associated with the duration of forced eruption of impacted maxillary canines: A retrospective study.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 130 (2006), pp. 349-356
[27]
S. Ericson, J. Kurol.
Resorption of maxillary lateral incisors caused by ectopic eruption of the canines. A clinical and radiographic analysis of predisposing factors.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 94 (1988), pp. 503-513
[28]
J.A. Stewart, G. Heo, K.E. Glover, P.C. Williamson, E.W. Lam, P.W. Major.
Factors that relate to treatment duration for patients with palatally impacted maxillary canines.
Am J Orthod Dentofacial Orthop., 119 (2001), pp. 216-225
Copyright © 2015. Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.