Regístrese
Buscar en
Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo
Toda la web
Inicio Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Hiperandrogenismo por tumor de Leydig do ovário produtor de testosterona
Journal Information
Vol. 10. Issue 1.
Pages 18-20 (January - June 2015)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
4189
Vol. 10. Issue 1.
Pages 18-20 (January - June 2015)
Caso clínico
DOI: 10.1016/j.rpedm.2014.07.004
Open Access
Hiperandrogenismo por tumor de Leydig do ovário produtor de testosterona
Hyperandrogenism due to a testosterone‐secreting Ovarian Leydig cell tumor
Visits
4189
Carla Nunes
Corresponding author
carlasfnunes@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Joana Barros, Alexandra Henriques, Ana Luísa Ribeirinho, Alexandre V. Lourenço
Departamento/Clínica Universitária de Obstetrícia e Ginecologia, Hospital Universitário de Santa Maria, Lisboa, Portugal
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Resumo

Os tumores de células de Leydig do ovário são tumores benignos raros, frequentemente associados a quadros de virilização nas mulheres pós‐menopausa. Pertencem ao grupo dos tumores secretores de androgénios, que representam menos de 0,5% de todos os tumores do ovário.

Apresentamos o caso de uma mulher de 75 anos, com um quadro de alopécia e voz grave, com cerca de 2 anos de evolução e agravamento progressivo. Os níveis de testosterona livre estavam elevados e a ecografia endovaginal revelou um tumor sólido do ovário esquerdo. Colocou‐se a hipótese diagnóstica de tumor do ovário produtor de androgénios, pelo que se realizou uma anexectomia laparoscópica. Os resultados histológicos revelaram um tumor de Leydig do ovário esquerdo. Após a cirurgia a doente apresentou uma melhoria significativa dos sinais e sintomas de virilização, bem como uma normalização dos valores de testosterona livre.

Os tumores do ovário produtores de androgénios representam um desafio diagnóstico e terapêutico. Apesar de raros, é importante relembrar que devem ser considerados no diagnóstico diferencial do hiperandrogenismo severo.

Palavras‐chave:
Hiperandrogenismo
Menopausa
Tumor do ovário
Abstract

Leydig cell tumors of the ovary are rare benign neoplasms, frequently associated with symptoms of virilization, in postmenopausal patients. They belong to the group of androgen‐secreting tumors, which account for less than 0.5% of all ovarian tumors.

We present the case of a 75‐year‐old woman with a two years history of gradual alopecia and deepening of voice. Laboratory tests showed elevated levels of free testosterone and a transvaginal ultrasonography disclosed a solid left ovarian tumor. An ovarian source of androgens was suspected and a bilateral laparoscopic adnexectomy was performed. Histological results revealed a left ovarian Leydig cell tumor. After surgery, the patient showed significant regression of clinical signs and symptoms.

Androgen‐secreting ovarian tumors represent a diagnostic and therapeutic challenge. Although rare, it is important to remember that they have to be considered in the differential diagnosis of severe hyperandrogenism.

Keywords:
Hyperandrogenism
Menopause
Ovarian tumor
Full Text
Introdução

Os tumores de células de Leydig do ovário são tumores benignos raros1,2. Pertencem ao grupo dos tumores secretores de androgénios, que representam menos de 0,5% de todos os tumores do ovário3,4.

Estes tumores, embora possam surgir em qualquer idade, ocorrem na maioria dos casos após a menopausa e são habitualmente benignos, unilaterais e de pequenas dimensões5,6.

São tumores funcionantes que produzem testosterona, provocando hiperandrogenismo e consequente virilização. O quadro clínico traduz‐se por aparecimento de alopécia do tipo masculino, hirsutismo, clitoromegália e voz grave, em consequência do aumento dos níveis de testosterona livre5.

Perante a suspeita clínica de tumor produtor de androgénios deve ser solicitada uma ecografia pélvica para despiste de tumor do ovário5. Se a ecografia não for completamente esclarecedora deverá proceder‐se à realização de ressonância magnética pélvica e das glândulas suprarrenais, dado que podem também desenvolver‐se tumores produtores de androgénios a nível das glândulas suprarrenais5,6.

Os autores descrevem o caso de uma doente com um tumor de células de Leydig do ovário produtor de testosterona, com o intuito de enfatizar a importância de suspeitar desta entidade nosológica perante um caso de hiperandrogenismo grave.

Descrição de caso

Mulher de 75 anos, multípara, com menopausa espontânea aos 50 anos e com antecedentes pessoais de mastectomia esquerda por carcinoma ductal invasivo, hipertensão arterial, dislipidémia e varizes dos membros inferiores; sem outros antecedentes pessoais ou familiares relevantes. Apresentou‐se com um quadro de alopécia e voz grave, com cerca de 2 anos de evolução e agravamento progressivo.

A anamnese e o exame físico não revelaram qualquer achado significativo, para além de alopécia e da alteração na voz.

Analiticamente, os níveis de testosterona livre estavam elevados (16,3ng/mL). Os doseamentos de sulfato de dehidroepiandrosterona, androstenediona, 17-hidroxiprogesterona e hormonas tiroideias mostraram resultados dentro da normalidade.

A ecografia endovaginal revelou um tumor sólido do ovário esquerdo, muito vascularizado, com 16x15mm e contornos regulares (fig. 1). A ressonância magnética abdomino‐pélvica, da qual a doente era portadora e que foi realizada 6 meses antes, não revelou qualquer alteração, nomeadamente massas abdominais ou pélvicas.

Figura 1.

Tumor do ovário esquerdo diagnosticado por ecografia endovaginal.

(0.13MB).

Colocou‐se a hipótese diagnóstica de tumor do ovário produtor de androgénios, pelo que se realizou uma anexectomia laparoscópica. Macroscopicamente o ovário esquerdo era globoso, com volume aumentado para o grupo etário e de superfície regular; não se identificaram outros achados cirúrgicos relevantes (fig. 2).

Figura 2.

Imagem intra‐operatória do ovário esquerdo com tumor de Leydig.

(0.08MB).

Os resultados histológicos revelaram um tumor de Leydig do ovário esquerdo, com cristais de Reinke, sem sinais de malignidade. O estudo imuno‐histoquímico mostrou positividade para inibina, calretinina e vimentina.

Após a cirurgia verificou‐se uma melhoria significativa dos sinais e sintomas de virilização, bem como uma normalização dos níveis de testosterona livre.

Comentário

Os tumores do ovário associados a hiperandrogenismo incluem os tumores de células de Leydig, luteomas do estroma e tumores de células produtoras de esteroides não específicos3,7. Como já referido, os tumores produtores de androgénios podem ter também origem nas glândulas suprarrenais, embora estes sejam ainda mais raros5,6.

Perante uma doente que apresente um quadro de virilização (alopécia, hirsutismo, acne, alteração da voz, atrofia mamária, clitoromegália) com aparecimento recente e agravamento progressivo, é importante ter um elevado índice de suspeição, procedendo a uma avaliação clínica, laboratorial e imagiológica sistematizada, de forma a excluir a existência de tumores produtores de androgénios.

Nos tumores do ovário produtores de androgénios os níveis séricos de testosterona estão aumentados, com níveis séricos de sulfato de dehidroepiandrosterona, androstenediona e 17-hidroxiprogesterona dentro da normalidade ou apenas ligeiramente aumentados. Os níveis de sulfato de dehidroepiandrosterona permitem distinguir tumores produtores de androgénios com origem no ovário dos que têm origem na glândula suprarrenal, uma vez que estes valores se encontram aumentados quando a origem é suprarrenal8.

O diagnóstico imagiológico de tumores produtores de androgénios pode ser difícil por apresentarem pequenas dimensões5,6.

A ecografia endovaginal é o exame de eleição para a deteção e caracterização de tumores do ovário, com eventual complemento por tomografia axial computorizada ou ressonância magnética abdomino‐pélvica8. É importante ter a noção de que um resultado imagiológico negativo não exclui a presença de uma massa tumoral produtora de androgénios5, pois o exame imagiológico pode ter sido realizado numa fase em que o tumor era de reduzidas dimensões e com uma limitada expressão imagiológica, como se acredita que aconteceu no presente caso, em relação à ressonância magnética realizada 6 meses antes.

A avaliação analítica e a ressonância magnética realizadas no presente caso também não demonstraram evidências de que a produção de androgénios pudesse provir da suprarrenal.

Os tumores de Leydig do ovário são tumores raros e habitualmente benignos1,2. Histologicamente caracterizam‐se pela presença de células com citoplasma abundante, eosinofílico ou vacuolizado, com cristais de Reinke5. Os tumores com cristais de Reinke são quase invariavelmente benignos5. A positividade para inibina, calretinina e vimentina são características deste tipo de tumores, apoiando o diagnóstico diferencial.

O tratamento é cirúrgico. A cirurgia conservadora, com anexectomia unilateral, é o tratamento de escolha quando a doente pretende preservar a fertilidade5,9. No caso de tumores bilaterais ou em mulheres na pós‐menopausa deverá optar‐se por anexectomia bilateral, que constitui a abordagem de primeira linha10. No presente caso, após o tratamento cirúrgico houve regressão completa dos sintomas, evidenciando‐se uma clara relação entre a massa e a produção de androgénios pela mesma.

Nalguns casos os tumores do ovário produtores de androgénios respondem à administração de hormona agonista libertadora de gonadotrofinas, o que se pode revelar importante em doentes com elevado risco cirúrgico11,12.

Concluindo, os tumores do ovário produtores de androgénios representam um desafio diagnóstico e terapêutico. Apesar de raros, é importante relembrar que devem ser considerados no diagnóstico diferencial do hiperandrogenismo severo.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram ter seguido os protocolos do seu centro de trabalho acerca da publicação dos dados de pacientes.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram ter recebido consentimento escrito dos pacientes e/ ou sujeitos mencionados no artigo. O autor para correspondência deve estar na posse deste documento.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Agradecimentos

Prof. Dr. Carlos Calhaz Jorge pela colaboração na revisão final deste artigo.

Referências
[1]
M. Hofland, S. Cosyns, P. de Sutter, C. Bourgain, B. Velkeniers.
Leydig cell hyperplasia and Leydig cell tumour in postmenopausal women: Report of two cases.
Gynecol Endocrinol., 29 (2013), pp. 213-215
[2]
O.A. Sanz, P.R. Martinez, R.T. Guarch, M.J. Goñi, J.L. Alcazar.
Bilateral Leydig cell tumour of the ovary: A rare cause of virilization in postmenopausal patient.
Maturitas., 57 (2007), pp. 214-216
[3]
D.O. Yetkin, E.T. Demirsoy, P. Kadioglu.
Pure leydig cell tumour of the ovary in a post‐menopausal patient with severe hyperandrogenism and erythrocytosis.
Gynecol Endocrinol., 27 (2011), pp. 237-240
[4]
T. Lantzsch, S. Stoerer, K. Lawrenz, J. Buchmann, H.G. Strauss, H. Koelbl.
Sertoli–Leydig cell tumor.
Arch Gynecol Obstet., 264 (2001), pp. 206-208
[5]
M. Marcelino, M. Nobre, J. Conceição, L. Lopes, H. Vilar, M.F. Martins, et al.
Um caso raro de hiperandrogenismo – tumor ovárico bilateral de células de Leydig.
Acta Med Port., 23 (2010), pp. 113-118
[6]
G. Saraceno, V. Barresi, F. Trimarchi, S. Cannavo.
Occult Leydig cell tumour and androgen‐receptor positive breast cancer in a woman with severe hyperandrogenism.
J Ovarian Res., 6 (2013), pp. 43-46
[7]
J.W. Stephens, J.R. Katz, N. McDermott, A.B. MacLean, P.M. Bouloux.
An unusual steroid‐producing ovarian tumour: Case report.
Hum Reprod., 17 (2002), pp. 1468-1471
[8]
L.G. Nardo, D.W. Ray, I. Laing, C. Williams, R.J. McVey, M.W. Seif.
Ovarian Leydig cell tumor in a peri‐menopausal woman with severe hyperandrogenism and virilization.
Gynecol Endocrinol., 21 (2005), pp. 238-241
[9]
S. Aminimoghaddam, A.S. Ebrahimi, F. Hashemi.
A rare ovarian tumor, leydig stromal cell tumor, presenting with virilization: A case report.
Med J Islam Repub Iran., 26 (2012), pp. 185-188
[10]
M. Zafrakas, I.D. Venizelos, T.D. Theodoridis, L. Zepiridis, T. Agorastos, J.N. Bontis.
Virilizing ovarian hilus (Leydig) cell tumor with concurrent contralateral hilus cell hyperplasia: A rare diagnosis.
Eur J Gynaecol Oncol., 30 (2009), pp. 338-340
[11]
A.M. Faria, R.V. Perez, J.A. Marcondes, D.S. Freire, R. Blasbalg, J. Soares, et al.
A premenopausal woman with virilization secondary to an ovarian Leydig cell tumor.
Nat Rev Endocrinol., 7 (2011), pp. 240-245
[12]
I. Bancos, H. Prawius.
Leydig cell tumor of the ovary in a postmenopausal woman presenting with virilization.
The Endocrinologist, 18 (2008), pp. 146-149
Copyright © 2014. Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.