Regístrese
Buscar en
GE - Portuguese Journal of Gastroenterology
Toda la web
Inicio GE - Portuguese Journal of Gastroenterology Tratamento farmacológico das angiodisplasias gastrointestinais
Journal Information
Vol. 21. Issue 5.
Pages 173-175 (September - October 2014)
Vol. 21. Issue 5.
Pages 173-175 (September - October 2014)
Editorial
DOI: 10.1016/j.jpge.2014.07.001
Open Access
Tratamento farmacológico das angiodisplasias gastrointestinais
Pharmacological treatment of gastrointestinal angiodysplasia
Visits
15898
Cristina Chagas
CHLO, Gastroenterology, Lisboa, Portugal
This item has received
15898
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Full Text

As angiodisplasias são as malformações vasculares adquiridas mais comuns do tubo digestivo e constituem a principal causa de hemorragia do intestino delgado em indivíduos com mais de 50 anos1,2. Numa proporção importante de casos são múltiplas (40‐60%) e/ou têm localização múltipla no tubo digestivo (20%), o que realça a importância de uma avaliação completa nestes doentes1,5. A hemorragia apresenta‐se na maioria das vezes de forma intermitente, com anemia ferropénica e/ou sangue oculto positivo nas fezes, e menos frequentemente sob a forma de hemorragia manifesta. No intestino delgado as angiodisplasias são a causa mais comum de hemorragia digestiva obscura – manifesta grave. O risco de recidiva hemorrágica em indivíduos não tratados é de cerca de 50%5.

A presença de estenose aórtica, insuficiência renal crónica ou doença de Von Willebrand são fatores de risco para hemorragia por angiodisplasias1,2.

O mecanismo de formação das angiodisplasias do tubo digestivo não é completamente conhecido. O fator implicado parece ser a obstrução crónica, intermitente e de baixa intensidade das veias da submucosa, resultante de um aumento de contractilidade da muscular própria, conduzindo a congestão capilar e hipoxia local, induzindo a formação de fatores de crescimento vasculares endoteliais locais (VEGF), com neovascularização e aparecimento de malformações vasculares1,5. Os doentes com estenose aórtica parecem possuir uma forma adquirida de deficit de fator de Von Willebrand tornando‐os mais predispostos à ocorrência de hemorragia. Estes mecanismos patogénicos constituem potenciais alvos terapêuticos1,3.

As angiodisplasias do trato digestivo superior estão na origem de hemorragia digestiva em cerca de 4‐7% dos doentes que se apresentam com quadro de hemorragia digestiva alta não varicosa1. No intestino delgado as angiodisplasias são a causa mais comum de hemorragia digestiva média, cerca de 50% dos casos, sobretudo em indivíduos mais idosos1. O cólon é a localização mais frequente das angiodisplasias. Nos indivíduos ocidentais, o cólon ascendente e o cego são as localizações mais comuns, enquanto nos indivíduos asiáticos é o colon descendente. As angiodisplasias do cólon podem ser a causa da hemorragia digestiva baixa em cerca de 3‐40% dos casos. O diagnóstico de angiodisplasias do cólon em indivíduos assintomáticos, sem anemia e sem história de hemorragia, durante a realização de colonoscopia, tem uma prevalência estimada de 0,83% e não implica necessariamente qualquer atitude terapêutica, uma vez que no decurso da sua história natural o risco hemorrágico parece ser baixo1.

O tratamento eficaz das angiodisplasias ainda constitui muitas vezes um desafio clínico. Estão disponíveis várias modalidades terapêuticas no tratamento das angiodisplasias, dependendo a sua escolha da forma de apresentação da hemorragia, do número e localização das lesões, condição clínica, patologias associadas e medicação do doente, e da resposta a tratamentos prévios. A endoscopia com uso de coagulação com argon‐plasma é atualmente a modalidade de escolha e com melhor relação custo/eficácia1,3, a angiografia com embolização superseletiva e a cirurgia estão habitualmente reservadas para a falência do tratamento endoscópico e/ou para o tratamento das hemorragias graves e potencialmente fatais. O tratamento farmacológico é utilizado nos doentes com lesões múltiplas e numerosas, inacessíveis a tratamento endoscópico, na falha de outras modalidades terapêuticas, ou quando outras terapêuticas mais invasivas estão contraindicadas pelos riscos ou efeitos colaterais associados, ou pelas comorbilidades do doente. O tratamento farmacológico pode ainda ser utilizado como adjuvante de outras modalidades terapêuticas. Os tratamentos farmacológicos utilizados têm sido a terapêutica hormonal, a talidomida e os análogos da somatostatina. Existem 5 estudos publicados que avaliam o tratamento hormonal combinado (estrogénio e progesterona), muitos deles com limitações na sua metodologia e desenho. O efeito benéfico encontrado nos estudos mais pequenos, retrospetivos ou não controlados não foi reproduzido nos 2 estudos com maior número de doentes e metodologias mais adequadas1,3. Se bem que existam alguns dados da literatura que apontem para um potencial benefício da hormonoterapia nalguns subgrupos de doentes, nomeadamente nos doentes com insuficiência renal crónica e na doença de Rendu‐Osler‐Weber1,3, a evidência atual é de que não existe lugar para este tipo de terapêutica, como primeira linha, na grande maioria dos doentes com angiodisplasias não hereditárias. O modo de atuação da talidomida é explicado pela sua ação antiangiogénica, através da supressão do VEGF1,3,5. A sua eficácia foi inicialmente reportada em vários casos clínicos e pequenas séries. Posteriormente, um estudo mais recente, prospetivo, randomizado e controlado, utilizando 100mg diários de talidomida per os durante 4 meses, demonstrou eficácia, com paragem da hemorragia em 46%, e diminuição de mais de metade dos episódios de hemorragia em 71% dos doentes, comparados com 0% no grupo controlo1. Esta terapêutica parece ainda possuir eficácia na prevenção da recidiva hemorrágica a médio prazo mesmo após a sua suspensão1,3. A evidência atual suporta o uso de talidomida em doentes sem indicação para outras terapêuticas ou na sua falência. A dose recomendada parece ser a de 100mg/dia, uma vez que doses mais elevadas podem associar‐se a maior número e gravidade de efeitos adversos, nomeadamente neuropatia periférica, hepatotoxicidade e falência hepática aguda, estando contraindicado nas mulheres em idade fértil1,3. A lenalidomida é um novo fármaco inibidor da angiogénese, potencialmente menos tóxico, cujo papel neste tipo de patologia carece de melhor avaliação1.

Vários mecanismos de ação como a inibição da angiogénese, aumento da resistência vascular, diminuição do fluxo sanguíneo no território esplâncnico e estimulação da agregação plaquetária podem explicar o papel do octreótido no tratamento da hemorragia por angiodisplasias1,3–5. O seu elevado custo e a necessidade de administração subcutânea diária durante períodos prolongados de tempo são potenciais desvantagens desta terapêutica. O long‐acting release octreótido (LAR), uma formulação de libertação prolongada de administração intramuscular mensal, tem sido mais recentemente utilizada. A sua eficácia não foi ainda avaliada em ensaios prospetivos randomizados e controlados. A maior evidência para a utilização do octreótido é suportada por uma meta‐análise de Brown et al. de 2010, onde foram estudados 62 doentes, de coortes prospetivas, com uma taxa de resposta global de 0,76 para o octreótido vs. taxas de recidiva de 44‐54%, reportadas em estudos que avaliaram a história natural de doentes sem tratamento1,4. A prevalência de cirrose hepática, insuficiência renal crónica, doença cardíaca valvular, nomeadamente estenose aórtica, e anticoagulação oral variou nos vários estudos, assim como o tipo de análogo, octreótido ou LAR, as dosagens utilizadas e o tempo de administração da terapêutica4. Está de facto por esclarecer qual a dosagem mais eficaz de LAR octreótido, se 10 ou 20mg, o tempo de utilização recomendado e se existe algum efeito do fármaco no desaparecimento das angiodisplasias.

Neste número do GE, Salgueiro et al. apresentam os resultados de um estudo retrospetivo em que se procura determinar a eficácia e segurança do LAR octreótido na prevenção da recidiva hemorrágica, em doentes com angiodisplasias, comparando os níveis médios de hemoglobina, necessidades transfusionais e número de hospitalizações, antes e durante o tratamento com este fármaco. Foram estudados 16 doentes, com uma idade média de 68,5 anos, a maioria com lesões no intestino delgado, e a quem foram administradas 2 doses de 10 e 20mg, i.m. mensais do fármaco, em 9 e 7 doentes, respetivamente, durante um período médio de 12 meses. Dois doentes em quem foram utilizadas doses mais elevadas experimentaram efeitos adversos5.

Apesar de retrospetiva, do número limitado de indivíduos e da ausência de um grupo controlo, trata‐se da série publicada com maior número de doentes e em que apenas 2 deles não responderam à terapêutica com LAR octreótido, um alegadamente por não adesão. Neste estudo não ficou demonstrado maior benefício com utilização de doses mais altas do fármaco, mas a presença de estenose aórtica (6 de 16 doentes) influenciou positivamente a resposta ao tratamento. De acordo com os autores, o aumento da agregação plaquetária condicionado pelo LAR octreótido poderá compensar em parte o deficit adquirido de fator de Von Willebrand descrito nestes doentes. Não é claro se algum destes doentes modificou ou suspendeu a terapêutica anticoagulante ou antiagregante durante o período do estudo, qual a percentagem de doentes submetidos a cirurgia com colocação de prótese valvular aórtica, o timing da cirurgia e se algum desses fatores influenciou a resposta ao tratamento. De facto, é controverso o papel da cirurgia valvular aórtica no curso clínico das angiodisplasias do tubo digestivo. Alguns estudos apontam para a reversão das alterações dos multímetros do fator de Von Willebrand, da função plaquetária e até mesmo cessação dos episódios de hemorragia, após cirurgia valvular aórtica1. Por outro lado, a obrigatoriedade de anticoagulação oral após cirurgia pode ser um fator que contribui para a manutenção ou agravamento da hemorragia, se bem que tal não tenha ocorrido pelo menos num estudo1.

O LAR octreótido parece ter um papel promissor no manejo destes doentes, mas serão necessários estudos prospetivos, randomizados e controlados que utilizem várias doses do fármaco, num número suficiente de doentes, de modo a poder‐se esclarecer a sua eficácia em diferentes subgrupos clínicos.

Bibliografia
[1]
S.S. Sami, S.A. Al-Araji, K. Ragunath.
Review article: Gastrointestinal angyodisplasia – pathogenesis, diagnosis and management.
Aliment Pharmacol Ther, 39 (2014), pp. 15-34
[2]
Rita Herculano, et al.
Insuficiência renal crónica em hemodiálise: um factor independente de risco independente para angiodisplasias na enteroscopia por videocápsula na hemorragia digestiva obscura.
GE J Port Gastrenterol., 20 (2013), pp. 97-102
[3]
Tiago Bana e Costa, et al.
Tratamento farmacológico das angiectasias gastrintestinais.
GE J Port Gastrenterol, 16 (2009), pp. 149-153
[4]
C. Brown, V. Subramanian, C.M. Wilcox, et al.
Somatostatin analogues in the treatment of recurrent bleeding from gastrointestinal vascular malformations: An overview and systematic review of prospective observational studies.
Dig Dis Sci., 55 (2010), pp. 2129-2134
[5]
Salgueiro, et al.
Octreotide Long‐Acting Release is effective in Preventing Gastrointestinal Bleeding Due To Angiodysplasias.
GE J Port Gastrenterol., 21 (2014), pp. 176-183
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.