Regístrese
Buscar en
Angiologia e Cirurgia Vascular
Toda la web
Inicio Angiologia e Cirurgia Vascular Lesão iatrogénica do ureter na cirurgia aorto‐ilíaca: o que fazer?
Journal Information
Vol. 10. Issue 4.
Pages 192-195 (December 2014)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
3072
Vol. 10. Issue 4.
Pages 192-195 (December 2014)
Caso Clínico
DOI: 10.1016/j.ancv.2014.10.005
Open Access
Lesão iatrogénica do ureter na cirurgia aorto‐ilíaca: o que fazer?
Ureteral injury during aorto‐iliac bypass surgery: What to do?
Visits
3072
Miguel Lemos Gomesa,
Corresponding author
gomes.l.miguel@gmail.com

Autor para correspondência.
, Lourenço Castro e Sousaa, João Vieiraa, Gonçalo Sobrinhoa, Karla Ribeiroa, Álvaro Nunesb, José Palma dos Reisb, Luís Mendes Pedroa, José Fernandes e Fernandesa
a Serviço de Cirurgia Vascular, Hospital de Santa Maria – CHLN, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Centro Académico de Medicina de Lisboa, Lisboa, Portugal
b Serviço de Urologia, Hospital de Santa Maria – CHLN, Lisboa, Portugal
This item has received
3072
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (4)
Show moreShow less
Resumo

A lesão uretérica é uma possível complicação de qualquer procedimento abdomino‐pélvico, sendo raramente descrita na cirurgia aorto‐ilíaca. Os autores apresentam um caso onde se pretende discutir o possível benefício do adiamento da cirurgia quando tal lesão ocorre. Expõe‐se um caso de um doente do sexo masculino, 76 anos, com aneurismas bilaterais das artérias ilíacas comuns, proposto para interposição aorto‐bi‐ilíaca, durante o qual ocorreu uma lesão do ureter direito. Foi inserido um stent uretérico temporário, seguido de ureterorrafia; o procedimento foi então interrompido. A segunda cirurgia foi efetuada após introdução de stent duplo J no ureter contralateral e foi concluída sem intercorrências. O stent do ureter direito foi finalmente removido após 2 meses, sem consequências para o doente. Protelar a cirurgia dependerá de múltiplos fatores, sendo uma decisão correta em casos selecionados.

Palavras‐chave:
Lesão do ureter
Cirurgia aorto‐ilíaca
Aneurismas das artérias ilíacas comuns
Abstract

Ureteral injury is a possible complication of any abdominal‐pelvic procedure; however, it has been rarely described in the aorto‐iliac surgery. The authors report a case where they discuss the possible benefits of delaying the procedure when such injury occurs. A 76 years old male with bilateral common iliac aneurysms was submitted to aorto‐biiliac bypass surgery, during which a ureteral lesion was inadvertently made. A temporary ureteral stent was inserted, and ureterorraphy was performed; the procedure was interrupted. The second procedure was performed after introduction of a double J stent in the contralateral ureter, and it was completed uneventfully. The primary stent was finally removed after two months without any consequences to the patient. Delaying the surgery will depend on many factors and may be the correct decision in selected cases.

Keywords:
Ureteral injury
Aorta‐iliac surgery
Common iliac aneurysms
Full Text
Introdução

A lesão do ureter é uma possível complicação de qualquer procedimento abdomino‐pélvico, com uma incidência que varia entre 0,5‐10%1. Considerando o elevado número de procedimentos realizados, o dano desta estrutura na cirurgia de bypass aorto‐bifemoral ou aorto‐bi‐ilíaco tem sido raramente descrito2,3. Quando detetado de imediato pode originar a tomada de determinadas medidas com impacto no prognóstico do doente. Com a descrição deste caso pretende‐se discutir o possível benefício de um adiamento da cirurgia quando tal lesão ocorre.

Caso clínico

Os autores apresentam um caso de um doente do sexo masculino, de 76 anos, com aneurismas bilaterais isolados das artérias ilíacas comuns, com diâmetro transversal de 31mm à direita e 33mm à esquerda, proposto para interposição aorto‐bi‐ilíaca (figs. 1–3).

Figura 1.

Reconstrução 3D angio‐TC da aorta (sem envolvimento aneurismático desta) e seus ramos.

(0.1MB).
Figura 2.

Angio‐TC da aorta e eixo ilíaco esquerdo.

(0.23MB).
Figura 3.

Angio‐TC da aorta e eixo ilíaco direito.

(0.22MB).

Durante a realização do procedimento, ocorreu uma lesão do ureter direito inferior a 180° do seu perímetro, aquando da dissecção da artéria ilíaca comum direita. Foi inserido um stent uretérico temporário através do orifício iatrogénico, sendo posteriormente realizada uma ureterorrafia transversal, com pontos separados. O retroperitoneu foi suturado e a região cirúrgica drenada com um dreno aspirativo ativo que se manteve pouco funcionante e que foi removido ao fim de 3 dias. Devido ao risco de infeção protésica (possibilidade de leak urinário), o procedimento foi então interrompido (fig. 4).

Figura 4.

Reconstrução 3D angio‐TC e seus ramos com stent uretérico temporário colocado no ureter direito. Este exame confirmou a ausência de coleções em torno do ureter.

(0.17MB).

O doente teve alta médica 4 dias após a cirurgia, sendo seguido em consulta semanalmente. A cirurgia foi adiada 3 semanas; o segundo procedimento foi efetuado após a introdução de um stent duplo J profilático no ureter contralateral e foi concluído sem intercorrências, tendo o doente alta médica passados 6 dias. O stent do ureter direito foi finalmente removido após 2 meses, sem consequências para o doente, nomeadamente estenose do ureter ou alterações da sua função renal.

Discussão

A lesão uretérica aquando de um procedimento vascular é uma complicação rara2,3. Contudo, as complicações que advêm de lesões ureterais são inúmeras, podendo resultar em graves problemas para o doente, quando não detetadas durante o tempo cirúrgico4. Entre estas destacam‐se infeção da prótese vascular, estenose ureteral, inflamação periureteral, fístulas urinárias, hidronefrose, insuficiência renal aguda ou crónica, havendo mesmo relatos da necessidade de nefrectomia4. O reconhecimento da lesão é a chave para um desfecho positivo, permitindo assim o seu tratamento imediato4. O adiamento da cirurgia poderá ser uma decisão correta em casos selecionados.

Face ao tipo de situação descrita no caso apresentado, o cirurgião deverá ter 2 objetivos primários: preservar a função renal através da correção da lesão ureteral e da manutenção do fluxo urinário e ponderar o risco de infeção protésica, decidindo se é ou não prudente prosseguir com o procedimento cirúrgico4,5. Protelar a cirurgia dependerá de múltiplos fatores como o tipo de lesão ureteral (dimensão, localização, entre outros), a gravidade da doença arterial (cirurgia eletiva vs. cirurgia urgente) e a presença de história recente de infeção do trato urinário/urina não estéril5,6.

O tempo que decorreu até a realização da segunda cirurgia baseou‐se no tempo médio de cicatrização uretérica (aproximadamente 2‐3 semanas), minimizando‐se o período de tempo de forma a não encontrar o abdómen hostil, tratando‐se a doença aneurismática o mais rapidamente possível.

O tratamento endovascular não foi escolhido porque implicaria a extensão bilateral das landing zones para as artérias ilíacas externas.

A aplicação profilática de stents duplo J pode ser utilizada nos casos de aneurismas inflamatórios, aneurismas hipogástricos de grandes dimensões, em caso de ureter/rim com lesão prévia e nas situações de rim único7–10, ajudando na visualização e palpação desta estrutura, tendo sido a razão pela qual foi utilizada. Contudo, não diminui a taxa de lesão, acarretando potenciais complicações e custos9,10.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram que não aparecem dados de pacientes neste artigo.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
A. Bonamini, G. Ninotta, F. Gallo, et al.
Endoscopic treatment with Wallgraft stenting of complete iatrogenic iliac ureteral injury in a high‐risk surgical patient.
Urologia., 18 (2011), pp. 30-34
doi: 10.5301/RU.2011.8774
[2]
F.J. Blasco, J.M. Saladié.
Ureteral obstruction and ureteral fistulas after aortofemoral or aortoiliac bypass surgery.
J Urol., 145 (1991), pp. 237-242
[3]
J.R. Adams Jr., J.A. Mata, D.J. Culkin, et al.
Ureteral injury in abdominal vascular reconstructive surgery.
Urology., 39 (1992), pp. 77-81
[4]
J.W. York, S.R. Money.
Prevention and management of ureteral injuries during aortic surgery.
Semin Vasc Surg., 14 (2001), pp. 266-274
[5]
J.P. Spirnak, N. Hampel, M.I. Resnick.
Ureteral injuries complicating vascular surgery: Is repair indicated?.
J Urol., 141 (1989), pp. 13-14
[6]
M.C. Dalsing, R. Bihrle, S.G. Lalka, et al.
Vascular surgery‐associated ureteral injury: Zebras do exist.
Ann Vasc Surg., 7 (1993), pp. 180-186
[7]
D. Medina, R. Lavery, S.E. Ross, et al.
Ureteral trauma: Preoperative studies neither predict injury nor prevent missed injuries.
J Am Coll Surg, 186 (1998), pp. 641-644
[8]
N. Pokala, C.P. Delaney, R.P. Kiran, et al.
A randomized controlled trial comparing simultaneous intra‐operative vs sequential prophylactic ureteric catheter insertion in re‐operative and complicated colorectal surgery.
Int J Colorectal Dis, 22 (2007), pp. 683-687
[9]
S.E. Delacroix Jr., J.C. Winters.
Urinary tract injures: Recognition and management.
Clin Colon Rectal Surg, 23 (2010), pp. 104-112
[10]
S. Brandes, M. Coburn, N. Armenakas, et al.
Diagnosis and management of ureteric injury: An evidence based analysis.

Apresentado no dia 8 de abril de 2014 no Charing Cross Symposium, Londres.

Copyright © 2014. Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.