Buscar en
Angiologia e Cirurgia Vascular
Toda la web
Inicio Angiologia e Cirurgia Vascular Desafios endovasculares aórticos - cirurgia de recurso em patologia aórtica
Journal Information
Vol. 9. Issue 4.
Pages 168-174 (December 2013)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
4258
Vol. 9. Issue 4.
Pages 168-174 (December 2013)
DOI: 10.1016/S1646-706X(13)70039-9
Open Access
Desafios endovasculares aórticos - cirurgia de recurso em patologia aórtica
Challenging aortic procedures - bailout techniques
Visits
...
Gonçalo R. Alves
Corresponding author
gralves@megamail.pt
gralves@yahoo.com

Autor para correspondência.
, Leonor Vasconcelos, Hugo Rodrigues, Nelson Oliveira, Frederico Gonçalves, Mª Emília Ferreira, João A. Castro, L. Mota Capitão
Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular, Hospital de Santa Marta, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (13)
Show moreShow less
Resumo

A técnica endovascular é uma reconhecida alternativa à cirurgia convencional, no tratamento da patologia aneurismática aorto-ilíaca. Alguns casos, no entanto, pelas suas especificidades anatómicas e/ou clínicas, constituem desafios técnicos que requerem soluções complexas no seu tratamento.

Os autores apresentam 3 casos clínicos, tratados na sua Instituição entre Janeiro de 2008 e Dezembro de 2011, onde foram encontradas soluções pouco usuais no tratamento endovascular de aneurismas da aorta torácica e da aorta abdominal. Foram utilizadas alternativas como a técnica de Chimney e de Funnel. Não ocorreu mortalidade relacionada com a doença aneurismática em nenhum dos casos.

Os casos clínicos apresentados demonstram a exequibilidade das técnicas assim como os detalhes técnicos inerentes a cada caso.

Palavras-chave:
Aneurisma da aorta abdominal
Aneurisma da aorta torácica
EVAR
TEVAR
Técnica de Funnel
Técnica de Chimney
Abstract

The endovascular technique is now an alternative to conventional surgery in the treatment of aortoiliac aneurysms, especially for patients at high surgical risk. In some cases, however, due to their anatomical and/or clinical features, none of the conventional options are suitable, requiring complex solutions.

The authors present 3 cases reports, treated at their institution between January 2008 and December 2011, in which were used unusual solutions for the endovascular treatment of the thoracic and abdominal aortic aneurysms. The alternative techniques used were the Chimney and the Funnel.

There was no aneurysm related mortality. This article set forth the techniques details and feasibility.

Keywords:
Abdominal aortic aneurysm
Thoracic aortic aneurysm
EVAR
TEVAR
Funnel technique
Chimney technique
Full Text
Introdução

O tratamento endovascular de aneurismas (EVAR) revolucionou o tratamento do aneurisma da aorta abdominal e de várias patologias da aorta torácica1. A introdução de próteses fenestradas/ramificadas tornou possível oferecer este tratamento a doentes com condições anatómicas desfavoráveis. Estas próteses são, no entanto, dispendiosas e exigem muito tempo para a sua produção, o que limita a sua aplicabilidade, especialmente em contexto de urgência. Deste modo, técnicas como a de Chimney2 ou a de Funnel3, permitem-nos dar uma resposta célere, quando necessário, que de outro modo não seria possível. A técnica de Chimney foi descrita pela primeira vez em 2003 por Greenberg et al.2. Desde então, a nossa instituição, assim como outras, expandiram esta técnica. Utilizou-a como resgate de ramos aórticos inadvertidamente ocluídos, ou em aneurismas urgentes, em que dispositivos off-the-shelf necessitariam de ser utilizados2,4,5. Neste procedimento são utilizados stents paralelos à endoprótese, de modo a preservar o fluxo para um ramo aórtico vital2,4,5. A técnica da Funnel foi descrita por Zanchetta et al em 2006 para o tratamento electivo de um AAA com um colo ectasiado, não existindo nenhuma endoprótese of-the-shelf com diâmetro proximal suficiente para uma selagem eficaz3. O procedimento consiste na utilização de uma endoprótese torácica com cuff proximal de uma endoprótese abdominal3.

Objectivos

Este conjunto de casos pretendem demonstrar a exequibilidade das técnicas, reportando algumas das especificidades inerentes a cada uma. São descritos 3 casos clínicos: No primeiro caso utilizou-se a técnica de Chimney para correcção endovascular de um aneurisma envolvendo o arco aórtico; no segundo caso descrito, procedeu-se à exclusão endovascular de um aneurisma justa-renal recorrendo à mesma técnica; no terceiro caso utilizou-se um stent torácico como cuff proximal, contrariando a adversidade anatómica de um colo aneurismático ectasiado.

Casos clínicos

Caso clínico - Chimney torácico: Doente de 67 anos, sexo feminino, com antecedentes pessoais de cardiopatia isquémia (CI) com revascularização coronária prévia, insuficiência cardíaca congestiva (ICC), dislipidémia e tabagismo. Apresentava um aneurisma sacular da aorta torácica com 68mm de maior diâmetro, com início 9mm após a emergência da artéria carótida comum esquerda (ACCE).

Foi realizada a embolização da artéria subclávia esquerda (fig. 1) com .035 Nester Platinium Coils (Cook Medical, Bloomington, IN) e a exclusão endovascular do aneurisma com uma prótese torácica 40×20×40mm TAG Gore® (W.L. Gore and Associates, Inc., [AZ, USA]), observando-se intra-operatoriamente a exclusão inadvertida da ACCE.

Figura 1.

Observa-se oclusão da ACCE pós-colocação de endoprótese aórtica. A seta vermelha demonstra a libertação de stent auto-expansivel para repermeabilização desta artéria.

(0.07MB).

Perante esta intercorrência, optou-se pela exposição da ACCE seguida pela punção retrógrada desta artéria e colocação de uma bainha 6F. Foi colocado um stent auto-expansivel 8×40mm Zilver Cook® (Cook Medical, Bloomington, IN) por via cervical, com repermeabilização da ACCE (figs. 1 e 2). Não se verificam endoleaks ou deficits neurológicos focais no final do procedimento. A tomografia computorizada (TC) realizada ao 1° mês de pós-operatório confirmou a ausência de endoleaks e a permeabilidade da ACCE assim com a embolização eficaz da ASE (figs. 3 e 4). Ao 28° mês de follow-up, confirma-se a ausência de endoleaks e permeabilidade do stent carotídeo.

Figura 2.

Observa-se a recanalização endovascular da ACCE (seta azul) e embolização eficaz da ASE (seta amarela).

(0.09MB).
Figuras 3 e 4.

Angio-TC realizado ao 1° mês constatando-se exclusão do aneurisma, permeabilidade do sent carotídeo (seta branca) e embolização da ASE (seta verde).

Caso clínico – Chimney abdominal: Doente do sexo masculino, de 66 anos com antecedentes clínicos de CI com triplo bypass coronário prévio, ICC com uma fracção de ejecção do ventrículo esquerdo muito comprometida (F.Ej.: 25%) e uma doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) GOLD 2. Apresentava ainda, como factores de risco para doença aterosclerótica, diabetes mellitus tipo 2, hipertensão essencial e tabagismo. O doente é referenciado à urgência da nossa Instituição por AAA justa-renal com 68mm (fig. 5) acompanhado por dor abdominal com 48 horas de instalação. Foi realizada a exclusão endovascular do aneurisma utilizando stents renais paralelos a uma endoprótese abdominal.

Figura 5.

Cateterização da ambas as artérias renais (seta vermelha).

(0.07MB).

Utilizou-se a artéria axilar esquerda, após exposição cirúrgica prévia, como via de acesso à colocação dos stents renais. Para a entrega destes stents, foram colocadas na aorta descendente duas bainhas Flexor® Ansel Guiding Sheath (Cook Medical, Bloomington, IN), através de um fio-guia Amplatz Super Stiff (Cook Medical, Bloomington, IN).

Procedeu-se então à colocação de uma endoprótese Endurant® (Medtronic Cardiovascular, Santa Rosa, Calif) com um oversize de 30% em relação ao colo proximal e simultaneamente dois stents revestidos a ePTFE 6×50mm Viabahn® (WL Gore, Flagstaff, Arizona) (figs. 6 e 7). Foi ainda colocado um stent auto-expansivel Zilver® (Cook Medical, Bloomington, IN) 6×40mm no interior de cada endoprotese renal. Após a sua libertação, efectuou-se uma dilatação simultânea dos stents renais e aórtico.

Figura 6.

Angio-TC pré-operatório observando-se aneurisma justa-renal.

(0.1MB).
Figura 7.

Libertação do stent revestido a ePTFE 6×50mm na artéria renal direita (seta azul).

(0.07MB).

No angiograma final constatou-se exclusão total do aneurisma com permeabilidade de ambas as artérias renais. A angio-TC realizada ao 1° mês de pós-operatório confirma a ausência de endoleaks e a permeabilidade das artérias renais (fig. 8).

Figura 8.

Angio-TC realizada ao 1° mês de pós-operatório constatando-se exclusão completa do aneurisma e permeabilidade das duas artérias renais.

(0.15MB).

Caso clínico – Técnica de Funnel: Doente do sexo masculino, com 77 anos de idade e antecedentes clínicos de CI, hipertensão essencial e tabagismo. Tinha ainda antecedentes cirúrgicos de ressecção anterior do recto por doença oncológica, hepatectomia direita na sequência de metástases hepáticas e nefrectomia direita por doença litiásica. O doente é referenciado à urgência da nossa Instituição por AAA infra-renal com 66mm com uma rotura contida. O angio-TC mostrava um colo proximal ectasiado, com 38mm de maior diâmetro, o que constituía uma impedimento à utilização das endopróteses abdominais convencionais. Os antecedentes cirúrgicos do doente anteriormente referidos, também tornavam a cirurgia convencional uma opção de elevado risco pelo que se optou pela utilização da técnica de Funnel. O procedimento consistiu na libertação parcial de uma endoprótese bifurcada Endurant Medtronic® (Medtronic Cardiovascular, Santa Rosa, Calif) 36×145×16mm (fig. 9), recuando-se a bifurcação da prótese até à bifurcação aórtica e cateterizando-se o ramo contra-lateral (fig. 10). A endoprótese aórtica foi então libertada completamente. Posteriormente foi colocado como cuff proximal, uma endoprótese torácica Valiant Medtronic® (Medtronic Cardiovascular, Santa Rosa, Calif) 42×100mm (fig. 9 e 11). Colocou-se a extensão contra-lateral e no angiograma final observou-se a artéria renal direita permeável e ausência de endoleaks (fig. 12). Na angio-TC realizada ao 1° mês de pós-operatório foi possível observar as próteses torácica e abdominal utilizadas (fig. 13) e confirmar a ausência de endoleaks (fig. 14).

Figura 9.

Próteses utilizadas no procedimento de Funnel

(0.07MB).
Figura 10.

Libertação da endoprótese bifurcada recuando-a até à bifurcação aórtica.

(0.04MB).
Figura 11.

Libertação de endoprótese torácica como cuff proximal.

(0.04MB).
Figura 12.

Extensão do ramo contra-lateral e angiografia final com exclusão do aneurisma.

(0.04MB).
Figura 13.

Chaveta vermelha identifica a endoprótese torácica utilizada com cuff proximal e chaveta azul corresponde à endoprótese abdominal bifurcada.

(0.08MB).
Figura 14.

Angio-TC realizado ao 1° mês de pós-operatório confirmando exclusão total do aneurisma.

(0.16MB).
Discussão

Em cada um dos casos descritos pretendeu-se fazer uma discrição dos detalhes técnicos inerentes a cada procedimento, assim como demonstrar a sua exequibilidade. Em qualquer um dos três casos é ainda perceptível o carácter excepcional na utilização de cada uma das técnicas. Qualquer um dos métodos anteriormente descritos, devem, na opinião dos autores, ser encarados como opções de recurso, quando nenhuma das técnicas cirúrgicas convencionais se revela segura.

O primeiro caso relatado refere-se a uma intercorrência cirúrgica, na qual durante a exclusão endovascular de um aneurisma torácico é constatada a oclusão inadvertida da ACCE. Nesta situação, é necessária a revascularização urgente desta artéria para evitar sequelas neurológicas irreversíveis. A cirurgia convencional preconizada seria uma pontagem carótido-carotídea com enxerto protésico, que condicionaria um tempo operatório prolongado e consequentemente de isquémia cerebral. Deste modo, optou-se por uma solução de recurso, com exposição de um pequeno segmento da ACCE e colocação retrógrada de um stent auto-expansivel para recanalização do óstio desta artéria. O procedimento decorreu sem intercorrências, não se observando sinais neurológicos focais no final da cirurgia. A doente encontra-se no 28° mês de follow-up, mantendo-se clinicamente assintomática, com permeabilidade do stent carotídeo e sem evidências de endoleaks nos angio-TC de controlo.

O segundo caso descrito representa uma urgência cirúrgica, em que as características anatómicas do aneurisma e os antecedentes patológicos do doente, levam os autores a adoptar esta opção pouco convencional. Na perspectiva dos autores, um aneurisma justa-renal num doente com as morbilidades anteriormente descritas, operado pela técnica aberta em contexto de urgência, esta associado uma mortalidade demasiado elevada. Uma solução endovascular é bastante mais apelativa, embora os dispositivos off-the-shelf para tratamento destes aneurismas ainda não esteja disponível de um modo generalizado. Deste modo, a técnica de Chinmey pode surgir como uma opção atractiva em casos seleccionados, sendo importante respeitar os detalhes técnicos recomendados. Estes incluem um oversize do stent aórtico de 30%, uma sobreposição entre os stents renais e a endoprótese aórtica de 20mm e uma zona de selagem também de 20mm. Os autores colocaram ainda 2 stents descobertos dentro das endopróteses renais para aumentar a sua força radial e evitar o seu colapso. O doente encontra-se no 22ª mês de pós-operatório, tendo o follow-up decorrido sem intercorrências clínicas ou imagiológicas.

O último doente exemplifica não só as possíveis adversidades encontradas no tratamento de um AAA roto, mas também uma técnica de recurso utilizada para contornar estas contigências. No caso descrito, os autores confrontam-se com uma urgência cirúrgica, na qual a opção convencional é comprometida por um abdómen hostil e por diversas co-morbilidades associadas, enquanto a técnica endovascular fica limitado por colo proximal ectasiado, não existindo nenhuma endoprótese abdominal off-the-shelf compatível com esta anatomia. Deste modo, optou-se por recorrer a uma técnica já descrita na literatura, onde é utilizada uma endoprótese torácica como cuff proximal. A libertação do stent abdominal feita em pleno aneurisma, de um modo parcial apenas ate à libertação do ramo contra-lateral, apoiando-se a sua bifurcação na bifurcação aórtica. Isto permite não só dar estabilidade à endoprótese, como também ter espaço entre a origem das renais e a bifurcação protésica para colocar o stent torácico. Nestas situações, a presença de um colo aneurismático coloca como principal complicação a evolução da doença com consequente endoleak tipo I. Deste modo, assume particular relevância um seguimento imagiológico rigoroso, para a detecção precoce de endoleaks. Até à data, este doente conta com 27 meses de follow-up, sem crescimento do saco aneurismatico ou endoleaks detectados.

Conclusões

As técnicas de Chinmey e de Funnel constituem desafios cirúrgicos que exigem um elevado domínio dos procedimentos endovasculares. Apesar de não haver consenso na literatura acerca da sua utilização, são técnicas admissíveis em situações de recurso de casos clínicos complexos, em que outras opções cirúrgicas não se apresentam como alternativas razoáveis.

Os casos clínicos apresentados demonstram a exequibilidade das técnicas, assim como os resultados aceitáveis a médio prazo, focando alguns detalhes técnicos inerentes a cada técnica.

Bibliografia
[1.]
R.M. Greenhalgh, J.T. Powell.
Endovascular repair of abdominal aortic aneurysm.
N Engl J Med, 358 (2008), pp. 494-501
[2.]
R.K. Greenberg, D. Clair, S. Srivastava, G. Bhandari, A. Turc, J. Hampton, et al.
Should patients with challenging anatomy be offered endovascular aneurysm repair?.
J Vasc Surg, 38 (2003), pp. 990-996
[3.]
M. Zanchetta, F. Faresin, L. Pedon, M. Riggi, S. Colonna, R. Lipari, et al.
Funnel technique for first-line endovascular treatment of an abdominal aortic aneurysm with an ectatic proximal neck.
J Endovasc Ther, 13 (2006), pp. 775-778
[4.]
F.J. Criado.
A percutaneous technique for preservation of arch branch patency during thoracic endovascular aortic repair (TEVAR): retrograde catheterization and stenting.
J Endovasc Ther, 14 (2007), pp. 54-58
[5.]
J.S. Hiramoto, D.B. Schneider, L.M. Reilly, T.A. Chuter.
A double-barrel stent-graft for endovascular repair of the aortic arch.
J Endovasc Ther, 13 (2006), pp. 72-76
Copyright © 2013. Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos