Regístrese
Buscar en
Acta Urológica Portuguesa
Toda la web
Inicio Acta Urológica Portuguesa Reimplantação ureteral em derivações urinárias intestinais – será a lapa...
Journal Information
Vol. 33. Issue 1.
Pages 28-31 (April 2016)
Share
Share
Download PDF
More article options
Visits
2419
Vol. 33. Issue 1.
Pages 28-31 (April 2016)
Nota técnica
DOI: 10.1016/j.acup.2016.01.003
Open Access
Reimplantação ureteral em derivações urinárias intestinais – será a laparoscopia uma boa opção?
Ureteral reimplantation in urinary diversions: it's the laparoscopy an option?
Visits
2419
Paulo Motaa,b,c,
Corresponding author
, Emanuel Carvalho‐Diasa,b,c, Nuno Carvalhob, Agostinho Cordeiroa, João Torresa,b, Nuno Moraisa, Giovanni Grimaldia, Carlos Oliveiraa, António Pedro Carvalhoa, Estevão Limaa,b,c
a Departmento de Urologia, Hospital de Braga, Braga, Portugal
b Life and Health Sciences Research Institute, Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Minho, Braga, Portugal
c Life and Health Sciences Research Institute/3B's ‐ PT Government Associate Laboratory, Braga/Guimarães, Portugal
This item has received
2419
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Abstract
Full Text
Bibliography
Download PDF
Statistics
Figures (2)
Resumo
Introdução

A estenose ureterointestinal é uma complicação relativamente frequente após derivações urinárias. A correção laparoscópica raramente é usada, embora seja uma opção terapêutica.

Objetivo

Mostrar a técnica cirúrgica, passo a passo, da correção laparoscópica da estenose ureteral/ureterointestinal.

Métodos

Foi apresentado um vídeo de uma correção laparoscópica de uma estenose ureteral distal num paciente submetido a cistectomia radical laparoscópica com confeção neobexiga ortotópica.

Resultados

Foi possível a correção laparoscópica da estenose distal do ureter direito, com bons resultados e sem complicações.

Conclusão

A abordagem laparoscópica mostrou‐se eficaz para o tratamento da estenose ureter/anastomose ureterointestinal e deve ser considerada uma boa opção de tratamento.

Palavras‐chave:
Estenose ureterointestinal
Correção laparoscópica
Derivações urinárias
Estenose ureteral
Abstract
Introduction

The ureterointestinal stenosis is a relatively frequent complication after urinary diversions. The laparoscopic approach is rarely used but stay a therapeutic option.

Purpose

Show the surgical technique, step by step, of the laparoscopic ureteral/ureterointestinal estenosis correction.

Methods

A vídeo of a distal ureteral stenosis laparoscopic correction, on a patient that undergone laparoscopic radical cystectomy with orthotopic neobladder confection, was presented.

Results

It was possible the laparoscopic correction of a distal right ureter estenosis with good results and no complications.

Conclusion

The laparoscopic approach proved effective for treating ureter/ureterointestinal anastomosis stenosis and should be taken as a good option of treatment.

Keywords:
Ureterointestinal stenosis
Laparoscopic correction
Urinary diversions
Ureteral stenosis
Full Text
Introdução

A cistectomia radical constitui atualmente o tratamento gold standard para o tratamento das neoplasia invasivas e recidivantes de alto risco da bexiga1,2. A morbilidade associada a este procedimento cirúrgico major é elevada, e a estenose ureteral, ou da anastomose, entre o ureter e o intestino é uma complicação relativamente frequente3–5. A abordagem endoscópica constitui uma boa forma de tratamento, embora muitas vezes ineficaz. A cirurgia aberta é uma opção com melhor eficácia, mas está associada também a importante morbilidade6. A abordagem laparoscópica não tem sido muito utilizada pelo facto de estes doentes terem história de cirurgia abdominal prévia (cistectomia radical), o que constitui uma contraindicação relativa e por ser considerada de elevada exigência técnica.

Objetivo

Este trabalho teve como principal objetivo mostrar a abordagem laparoscópica como uma opção exequível e válida no tratamento de estenoses ureterais e ureterointestinais após cistectomia.

Metodologia

Foram realizados 2 procedimentos de reimplantação ureteral laparoscópica. Os doentes tinham sido previamente submetidos a cistectomia radical laparoscópica, com confeção de neobexiga ortotópica. Ambos os doentes desenvolveram uretero‐hidronefrose direita (fig. 1) cerca de um ano após a cistectomia radical, com necessidade de colocação de nefrostomia percutânea temporariamente. Nos 2 casos foi realizada uma tentativa de tratamento endoscópica (dilatação endoscópica anterógrada), mas sem sucesso, tendo sido proposto aos pacientes a realização de uma correção laparoscópica.

Figura 1.

Nesta figura observamos em tomografia a presença de uretero‐hidronefrose direita (A) e a provável localização da estenose (B e C – setas vermelhas). Em D está patente, de forma esquemática, a forma de confeção da neobexiga ortotópica. Em E é visível, de forma esquemática, a provável localização da estenose neste caso clínico particular (setas vermelhas).

(0.2MB).
Resultados

Foram utilizadas 5 portas de laparoscopia, 2 de 10mm e 3 de 5mm, conforme ilustrado na figura 2. A técnica cirúrgica utilizada em ambos casos seguiu os seguintes passos:

  • 1.

    Colocação de portas de laparoscopia.

  • 2.

    Lise de aderências e identificação do ureter direito.

  • 3.

    Identificação da zona estenótica (ureter ou anastomose ureterointestinal).

  • 4.

    Referenciação do ureter da ansa aferente da neobexiga.

  • 5.

    Excisão da área estenótica e preparação da anastomose.

  • 6.

    Colocação de cateter ureteral duplo J.

  • 7.

    Confeção da anastomose (uretero‐ureteral / uretero‐ansa aferente da neobexiga).

  • 8.

    Revisão sistemática da cavidade abdominal e da hemóstase;

  • 9.

    Encerramento das portas de laparoscopia.

Figura 2.

Observamos a posição das 5 portas de laparoscopia. Em A o esquema ilustrativo e em B uma fotografia real.

(0.11MB).

Foi possível a correção cirúrgica (reimplantação do ureter direito na ansa aferente da neobexiga em um dos pacientes e anastomose uretero‐ureteral no outro caso – vídeo apresentado no Congresso da Associação Portuguesa de Urologia 2015). O tempo de cirurgia foi de 180 minutos no primeiro caso e de 200 minutos no segundo. A duração do internamento foi de 6 dias e as nefrostomias foram removidas em ambos os doentes ao fim do primeiro mês. Os cateteres ureterais duplo J foram removidos por cistoscopia flexível, cerca de 4 semanas após os procedimentos. Não se registaram complicações peri e pós‐cirúrgicas. Na reavaliação ao segundo mês após a cirurgia, os pacientes estavam assintomáticos e sem evidência imagiológica de hidronefrose.

Conclusão

A abordagem laparoscópica mostrou ser uma técnica eficaz e segura para o tratamento das estenoses ureterais, ou da anastomose ureterointestinal, em doentes submetidos a cistectomia radical com neobexiga ortotópica, como derivação urinária. A laparoscopia na resolução deste tipo de complicações deve ser levada em conta como opção de tratamento.

Responsabilidades éticasProteção de pessoas e animais

Os autores declaram que para esta investigação não se realizaram experiências em seres humanos e/ou animais.

Confidencialidade dos dados

Os autores declaram ter seguido os protocolos do seu centro de trabalho acerca da publicação dos dados de pacientes.

Direito à privacidade e consentimento escrito

Os autores declaram ter recebido consentimento escrito dos pacientes e/ ou sujeitos mencionados no artigo. O autor para correspondência deve estar na posse deste documento.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
J.A. Witjes, E. Compérat, N.C. Cowan, M. De Santis, G. Gakis, N. James, T. Lebrét, A. Sherif, A.G. van der Heijden, M.J. Ribal. MUSCLE‐INVASIVE AND METASTATIC BLADDER CANCER ‐ LIMITED UPDATE march 2015. Guidelines of European Association of Urology 2015.
[2]
M. Babjuk, A. Böhle, M. Burger, E. Compérat, E. Kaasinen, J. Palou, M. Rouprêt, B.W.G. van Rhijn, S. Shariat, R. Sylvester, R. Zigeuner. Guidelines on Non‐muscle‐invasive Bladder Cancer (Ta, T1 and CIS) ‐ limited update March 2015. Guidelines ofEuropean Association of Urology 2015.
[3]
S.J. Raza, T. Wilson, J.O. Peabody, P. Wiklund, D.S. Scherr, A. al-Daghmin, et al.
Long‐term oncologic outcomes following robot‐assisted radical cystectomy: Results from the International Robotic Cystectomy Consortium.
Eur Urol., 68 (2015), pp. 721-728
[4]
M.S. Khan, C. Gan, K. Ahmed, A.F. Ismail, J. Watkins, J.A. Summers, et al.
A single‐centre early phase randomised controlled three‐arm trial of open. Robotic, and laparoscopic radical cystectomy (CORAL).
Eur Urol., (2015),
[5]
L.R. Kavoussi, A.W. Partin, A.C. Novick, C.A. Peters. Campbell‐Walsh Urology 10th Edition 2012, Section XV. Benign and Malignant Bladder Disorders.
[6]
N. Lawrentschuk, R. Colombo, O.W. Hakenberg, S.P. Lerner, W. Mansson, A. Sagalowsky, et al.
Prevention and management of complications following radical cystectomy for bladder cancer.
Eur Urol., 57 (2010), pp. 983-1001

Primeiro prémio Vídeo APU2015.

Copyright © 2016. Associação Portuguesa de Urologia
Article options
Tools
es en pt

¿Es usted profesional sanitario apto para prescribir o dispensar medicamentos?

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.